segunda-feira, dezembro 05, 2005

♪ Fantasia Coral de Beethoven

Pergunta do Quiz: "Deixo aqui aos nossos leitores o desafio de descobrirem quem compôs esta pequena jóia, aqui maravilhosamente interpretada."

(clicar para ouvir)
http://antoniocostaamaral.planetaclix.pt/blog/musica/guesswho.mp3
Ludwig van Beethoven, Fantasia para Piano, Coro e Orquestra ("Coral") op.80

Claudio Abbado, Berliner Philharmoniker, Rias Kammerchor, Yevgeny Kissin, Cheryl Studer

Também sobre esta peça, outros posts aqui no A Arte da Fuga: "Fabuloso", "Hino à música"

19 comentários:

  1. Pedia a quem sabe que deixe os outros adivinhar :)

    ResponderEliminar
  2. Assumindo-me completamente ignorante na matéria, lembrei-me de Evgeny Kissin, uma vez que esse prodígio russo esteve por cá.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  3. Ai, a pergunta referia o compositor e não o intérprete!!!!Bem, não sei mesmo. Depois volto para saber.

    ResponderEliminar
  4. Pois não chego lá, mas é , de facto, sublime. grande momento.

    ResponderEliminar
  5. Não tendo a certeza absoluta, parece-me a Fantasia Coral de Beethoven.
    Cumprimentos,
    Rui Miranda.

    ResponderEliminar
  6. "Pedia a quem sabe que deixe os outros adivinhar :)"

    Mas então não é bem um Quizz :)

    É uma pergunta dirigida apenas a quem não sabe, e destinada e ver muitos e jocosos tiros para o ar ;)

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  8. Nada disso, Tiago!

    Só pretendo que os leitores percam algum do seu precioso tempo a pensar se a obra é mesmo boa, se a composição merece os elogios, se é antiga ou contemporânea, se isto é o "original" ou uma "imitação" bem (ou mal!) feita...

    ...o que me faria feliz era que ouvissem a peça mais do que uma vez prestando atenção aos pormenores, como a interpretação delicada— quase romântica!— do piano, as variações orquestrais (mesma música ou ligeiramente alterada tocada por instrumentos diferentes) e ao tutti da orquestra (todos os instrumentos a tocar para o mesmo lado)— técnicas características da mestria deste compositor...

    (resposta ao fim do dia)

    ResponderEliminar
  9. caro AA,
    este comentário não tem rigorosamente nada a ver com o assunto, mas poderá ler no blogue ao qual pertenço uma história que lhe poderá interessar.
    Cumps.

    ResponderEliminar
  10. Aos restantes leitores: o blogue do Bart Simpson é o Propriedade Privada. O que dizia há umas semanas é que é um nicho que tende a ser explorado. Se mais bancos se meterem no microcrédito, essa "exploração" tende a desaparecer. Aliás, o BCP nunca foi conhecido por ter preços de operação baixos...

    ResponderEliminar
  11. Uiii...
    Isto parece um nocturno de Chopin...
    Espera aí, que entra a orquestra...
    Ufff... muito agora parece Beethoven...
    Não espara lá, estes toques neo-clássicos de Haydyn...
    Porra.
    Vou ouvir outra vez

    ResponderEliminar
  12. Meu caro,

    Estou com uma fezada grande para o achar que o autor e'... (silencio). Quer pela musica (so' ouvi uma vez de manha, e algo 'a pressa), quer pelo que a "rodeia" :)

    O que posso adiantar, antes de ouvir uma 2a vez, e' que me parece uma obra muito interessante, bem construida, com um toque romantico-contemporaneo que aprecio, umas variacoes classicas que tambem me agradam.

    A interpretacao pareceu-me muito boa tambem.

    Mas nao me parece obra de um grande compositor, quer dizer, de um Beethoven ou Chopin, como ja' se disse por aqui. Mas que gosto, gosto, e quem me dera a mim fazer 1/10 daquilo... ;)

    ResponderEliminar
  13. Pois era Beethoven no seu melhor, a preparar caminho para a monumental Nona :)

    (como é que é possível que esta obra não seja do conhecimento do grande público??)

    Peço desculpa por ter sido mauzinho e ter induzido em erro os meus amigos, em particular a Rita e o Tiago...

    Estão de parabéns Tartaruga e o Rui Miranda!

    (desculpem, não tenho rebuçados para ninguém) :)

    Um abraço

    ResponderEliminar
  14. Um último desafio (não devia fazer isto, mas pronto):

    Depois de ouvirem o ficheiro que coloquei neste post (Abbado, Berliner P, e Kissin), experimentem ouvir este com atenção.

    Aguentaram mais de um minuto??

    heheheh

    ResponderEliminar
  15. Boa surpresa de facto!

    Fico mais descansado comigo proprio porque de facto nao gosto da Nona, e acho sincermaente este excerto interessante mas nada genial. A minha preferida e' a 7a e a 6a e a 5a. (A 7a e' mesmo a preferia do Claudio Tellez).

    Ate' escrevi algo em noite de delirio :)

    http://ometablog.blogspot.com/2005/04/ouvir-pela-noite-dentro-5-6-e-7.html

    ResponderEliminar
  16. Do genial Beethoven um trabalho menos genial parece "normal"... mas se isto viesse de um Liszt, Brahms, Mendelssohn e seria parte do reportório mais popular! :)

    E o desafio que coloquei acima? Quero ler expressões de desagrado!

    ResponderEliminar
  17. Nao estou em casa, nao consigo ouvir, vou ver mais logo ;)

    ResponderEliminar
  18. Boa noite,
    Foram os laivos de acordes da Nona, aqui e acolá, que me fizeram recordar a obra.
    Infelizmente não pude confirmar logo a impressão e tive de esperar pela resposta: isto de mudar de casa faz com que os CD's ganhem asas...
    Caro Tiago Mendes,
    Beethoven, em termos Sinfónicos, para mim é a 3ª e a 9ª. Esta última é mesmo um monumento inultrapassável da História da música!
    No entanto, o mais interessante deste grande Mestre são os seus últimos quartetos, que recomendo vivamente.
    Mas, tal como para os autores do blog, o meu Mestre maior é o João Sebastião Ribeiro...
    Missa em si menor, Arte da Fuga, Variações Goldberg, Suites para violoncelo solo, Partitas para violino e para cravo, Oratória de Natal, Paixões, Oferenda musical, etc.
    Boa noite e boas audições,
    Rui Miranda.

    ResponderEliminar
  19. O Rui Miranda é cá da casa :)

    Os últimos quartetos são imperiais, incluindo a hipnótica e perturbadora Grosse Fuge.

    Tenho pena que Beethoven não tenha deixado maior legado no campo da música vocal (se bem que a ópera Fidelio e a Missa Solemnis sejam monumentos). Daí esta fantasia ser um documento especialmente importante.

    Em termos de preferências sinfónicas, admito o génio da Nona, da Sétima e da Eroica, mas não há nenhuma que mexa comigo mais que a Quinta :)

    Bach é outro mundo— e havia que acrescentar os concertos para teclados (piano, cravo, órgão; simples a quádruplos) e as geniais cantatas— e "O Teclado bem temperado", considerado pelos sucessores de Bach como o Velho Testamento da música para teclado...

    Um abraço,

    ResponderEliminar