sábado, dezembro 24, 2005

♪ never failed

(clicar para ouvir)
http://antoniocostaamaral.planetaclix.pt/blog/musica/jesus.mp3
Gavin Bryars, Jesus Blood Never Failed Me Yet

7 comentários:

  1. Porquê a truncagem do título? E por que não explicar um pouco do que se está a ouvir, para os que eventualmente não conheçam este trabalho de Gavin Briars? Bem sei que o texto que acompanha o CD é longo, mas a história desta gravação merece ser contada:

    a) Foi feita no decurso de um documentário televisivo sobre a vida nas zonas pobres de Londres em 1971;
    b) Um mendigo (abstémio) decide espontaneamente começar a entoar um hino religioso (Jesus Blood Never Failed Me Yet —o título não truncado da obra);
    c) A gravação foi recuperada, alguns anos mais tarde (em 1975), altura em que Gavin Briars completou uma instrumentação "incremental";
    d) Na versão final, Tom Waits (quem mais?) junta —literalmente—a sua voz à do mendigo. O resultado dispensa adjectivos superlativos.

    O mendigo nunca chegou a ouvir a gravação.

    Um bom Natal (peço desculpa pelo atraso) para os autores do Arte da Fuga,

    FCG.

    ResponderEliminar
  2. O facto é que este post foi publicado já era 25 de Dezembro, e decidi reduzi-lo ao mínimo possível, como tributo ao poder da música...

    Obrigado e Boas Festas FCG!

    ResponderEliminar
  3. Apaixonei-me pelo trabalho de Gavin Briars. Vénia (mais uma) ao Blog e ao fcg pelos doutos acrescentos.

    ResponderEliminar
  4. É um motivo de prazer e orgulho poder ver que algumas pequenas provocações têm réplicas de grande qualidade... :)

    ResponderEliminar
  5. Música que me acompanha há já alguns anos e à qual deito mão quando sinto o fardo pesar mais do que as pernas parecem aguentar. Sempre a considerei uma lição de vida (v. explicação do FCG).

    ResponderEliminar
  6. Cliquei nas duas músicas e ouvi Briars e o Messias sobrepostos Que trip fabulosa!!! :)

    ResponderEliminar
  7. Genial, caro João

    Há uns meses fiz o mesmo cá no A Arte da Fuga, com duas músicas de origem fractal, originando uma dupla fuga surpreendentemente coerente... são as maravilhas da música!

    ResponderEliminar