quinta-feira, dezembro 22, 2005

Ponto de ordem à mesa

O terrorismo não é de direita nem de esquerda. É como as putas. É de quem lhes pagar.

12 comentários:

  1. Pobres putas, coitadas, que querem é tratar da sua vidinha o melhor que podem. Os terroristas, em regra e salvo melhor opinião, querem é "tratar" de uma série - quanto maior, melhor - de outras vidas.

    Haverá comparações mais felizes.

    ResponderEliminar
  2. Porra, e está tudo dito. A síntese é mesmo um poder.

    ResponderEliminar
  3. Olhem, boas festas para vocês dois, que o próximo ano venha carregado de coisas boas. Continuem com este excelente blog que gosto muito. Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. pois claro. muito bem visto (e ribeiro e castro devia ser internado...)

    ResponderEliminar
  5. A pertinência desta opção (TGV) do governo de Sócrates deverá ser analisado por todos os pontos de vista possíveis. Tentarei juntar mais um.
    Dentro de alguns anos, já não tendo por perto o seu interlocutor pretenso (Mário Soares), os terroristas e as suas acções farão parte do nosso quotidiano.
    Infelizmente teremos que aprender a viver com essa situação. Que já faz parte do dia a dia de muitos povos. Do Iraque a Wall Street ... Passando por acções do tipo a que assistimos em França.
    O que procurarão os terroristas? Espalhafato. Se possível com muitas mortes à mistura...
    Não faltarão alvos. Mas será escusado cria-los...
    Porque razão muitos países desenvolvidos (e muito desenvolvidos) prescindem de redes ferroviárias de alta velocidade e optam por fazer investimentos menores, de manutenção e pequena melhoria das redes actuais?
    Porque perceberam que, no futuro, aos custos hoje avaliáveis através de estudos económicos, poderão ter de juntar um outro, de enorme significância: o da garantia de segurança e o de reparação de estragos causados por acções criminosas.
    E, tendo esses custos avaliados (garantir segurança metro a metro em redes com centenas e milhares de quilómetros lineares de rede, mais as respectivas áreas envolventes) optaram já, por descartarem esse tipo de transporte pessoal (a velocidade só é determinante para as pessoas e só se justifica no confronto com o transporte aéreo).
    E esses países já optaram claramente. O transporte aéreo também exige segurança. Mas pelo menos por ora, o controlo limita-se a dois pontos: o da partida e o da chegada (os aeroportos). E neste aspecto já muito se avançou.
    Mas nós (em Portugal) não. Cegamente vamos "empenhar os nossos anéis" nessas redes que, pura e simplesmente, vão ter de parar num cenário (de futuro próximo) mais do que previsível...

    ResponderEliminar
  6. Como as putas? De quem lhes pagar?

    Então quer dizer, meu caro Adolfo, o terrorismo não tem nada de especial? Será talvez um pouco bruto, direi agressivo. Mas quanto ao resto, pelo que me dizes, é uma instituição ocidental como outra qualquer. Como o Banco de Portugal, por exemplo.

    ResponderEliminar
  7. Meu caro a JCS, estamos apenas a falar de a quem pertence o terrorismo, penso eu...

    ResponderEliminar
  8. Não deve ser esquecido que até as putas são capazes de foder por amor. Portanto...

    ResponderEliminar
  9. É claro que não! O terrorismo é de extremos. Extrema-direita/extrema esquerda. Mesma essência, polaridades diferentes ...

    ResponderEliminar
  10. Andamos a ter Mt Conversitas c as amigas/amigos k andam ali à volta de tua casa!?

    ResponderEliminar