sábado, dezembro 29, 2007

O Cantinho do Fumador (3)

Na continuação de O Cantinho do Fumador (1) e O Cantinho do Fumador (2) (transcrição do artigo "O direito de abrir casas de fumo" de João Miranda no Diário de Notícias)...

...o meu herói de fim de ano («O meu restaurante é para fumadores», Portugal Diário):
António Gomes da Silva, proprietário do restaurante Solar do Pátio, no Porto, já decidiu: a partir de 1 de Janeiro, o restaurante será um espaço de fumadores. «Eu sou fumador, assim como 99 por cento dos meus clientes, por isso, só faz sentido que permita fumar». O responsável adianta que está a preparar o restaurante com extracção para o exterior e já tem o dístico de fumadores para colocar na porta.

Jorge Luis Borges sobre Lincoln

Borges crée la surprise en déclarant qu'il considérait Abraham Lincoln comme «le plus grand criminel de guerre du XIXe siècle». Selon lui, la guerre de Sécession n'était motivée que par le souci du pouvoir fédéral de récupérer les impôts des États sudistes, qui ne rentraient évidemment plus dans les caisses de Washington. Interrogé sur l'importance de la cause défendue, à savoir l'abolition de l'esclavage, il demanda si le fait de le faire abolir vingt ou trente ans plus tôt dans le Sud justifiait la mort de plus de 600 000 hommes et la mutilation de plusieurs dizaines de milliers d'autres.


Passámos da lírica "abolição da escravatura" para a intelectual "visão madisoniana da União" para o que verdadeiramente interessou - controlar a todos os custos os Estados que representavam três quartos dos rendimentos do Governo Federal. Lincoln ganhou sobre Jefferson, seiscentas mil vidas perdidas depois.

sexta-feira, dezembro 28, 2007

Um homem de convicções (2)

Apprehension seems to exist among the people of the Southern States that by the accession of a Republican Administration their property and their peace and personal security are to be endangered. There has never been any reasonable cause for such apprehension. Indeed, the most ample evidence to the contrary has all the while existed and been open to their inspection. It is found in nearly all the published speeches of him who now addresses you. I do but quote from one of those speeches when I declare that—
I have no purpose, directly or indirectly, to interfere with the institution of slavery in the States where it exists. I believe I have no lawful right to do so, and I have no inclination to do so.

Those who nominated and elected me did so with full knowledge that I had made this and many similar declarations and had never recanted them; and more than this, they placed in the platform for my acceptance, and as a law to themselves and to me, the clear and emphatic resolution which I now read:
Resolved, That the maintenance inviolate of the rights of the States, and especially the right of each State to order and control its own domestic institutions according to its own judgment exclusively, is essential to that balance of power on which the perfection and endurance of our political fabric depend; and we denounce the lawless invasion by armed force of the soil of any State or Territory, no matter what pretext, as among the gravest of crimes.

Abraham Lincoln,
First Inaugural Address, March 4, 1861
antes de começar a Guerra Civil Americana

Um homem de convicções

My paramount object in this struggle is to save the Union, and is not either to save or to destroy slavery. If I could save the Union without freeing any slave I would do it, and if I could save it by freeing all the slaves I would do it; and if I could save it by freeing some and leaving others alone I would also do that. What I do about slavery, and the colored race, I do because I believe it helps to save the Union; and what I forbear, I forbear because I do not believe it would help to save the Union. I shall do less whenever I shall believe what I am doing hurts the cause, and I shall do more whenever I shall believe doing more will help the cause. I shall try to correct errors when shown to be errors; and I shall adopt new views so fast as they shall appear to be true views.
Abraham Lincoln, 22 de Agosto de 1862,
em pleno processo de matança de 600000 americanos, em nome da União

quinta-feira, dezembro 27, 2007

Lincoln worshiping

Na continuação de O mito de Lincoln, n'O Insurgente, de ‘Meet the Press’ transcript for Dec. 23, 2007 (aqui Youtube):
MR. RUSSERT: I was intrigued by your comments about Abe Lincoln. "According to Paul, Abe Lincoln should never have gone to war; there were better ways of getting rid of slavery."

REP. PAUL: Absolutely. Six hundred thousand Americans died in a senseless civil war. No, he shouldn't have gone, gone to war. He did this just to enhance and get rid of the original intent of the republic. I mean, it was the--that iron, iron fist..

MR. RUSSERT: We'd still have slavery.

REP. PAUL: Oh, come on, Tim. Slavery was phased out in every other country of the world. And the way I'm advising that it should have been done is do like the British empire did. You, you buy the slaves and release them. How much would that cost compared to killing 600,000 Americans and where it lingered for 100 years? I mean, the hatred and all that existed. So every other major country in the world got rid of slavery without a civil war. I mean, that doesn't sound too radical to me. That sounds like a pretty reasonable approach.


De "Ron Paul and the Economics of Slavery":
Here Dr. Paul has made a fascinating point .... because there were no bloody wars in other countries to end the scourge of slavery .... As abolitionist campaigns changed public opinion, and modern capitalism swept the globe, the injustice and inefficiency of slavery became more and more manifest. Russert’s claim that we would have slavery today in the United States were it not for the Emancipation Proclamation is as silly as labor leaders who think twelve-year-old children would pack the coal mines were it not for key legislation.

quarta-feira, dezembro 26, 2007

Lliure (2)

No seguimento da "Leave Us Alone Coalition", em Espanha está a ser plantada a ideia Dejadnos en paz:
Grover Norquist, coordinador de Leave us alone, ha compartido su experiencia en el domicilio de Ignacio Arsuaga, presidente de Hazte Oír, con una veintena de representantes de organizaciones como la Fundación Burke, Profesionales por la Ética, Asociación Española Cuba en Transición o ChequeEscolar.org, entre otras. La coalición española ya está en marcha.
The Leave Us Alone Coalition is an idea popularized by conservative/libertarian activist Grover Norquist for a wide-ranging and loose collaboration among various elements of U.S. politics, united by a common desire for minimal involvement with and restrictions from government ....

mais sobre o modelo nórdico

"What Can the United States Learn from the Nordic Model?" (PDF) de Daniel J. Mitchell:
Some policymakers in the United States and Europe argue that it is possible to enjoy economic growth and also have a large welfare state. These advocates for bigger government claim that the so-called Nordic Model offers the best of both worlds.

This claim does not withstand scrutiny. Economic performance in Nordic nations is lagging, and excessive government is the most likely explanation.

###
This bigger burden of government hurts Nordic competitiveness, both because government spending consumes resources that could be more efficiently allocated by market forces and because the accompanying high tax rates discourage productive behavior. A smaller state sector is one reason why the United States is more prosperous.
Notwithstanding problems associated with a large welfare state, there is much to applaud in Nordic nations. They have open markets, low levels of regulation, strong property rights, stable currencies, and many other policies associated with growth and prosperity. Indeed, Nordic nations generally rank among the world’s most market-oriented nations.

terça-feira, dezembro 25, 2007

Now this is what I call Xmas lights

a vergonha dos números da luta contra o aquecimento global

Via O Insurgente, "The UN Climate Change Numbers Hoax" por Tom Harris:
Consensus never proves the truth of a scientific claim, but is somehow widely believed to do so for the IPCC reports, so we need to ask how many scientists really did agree with the most important IPCC conclusion, namely that humans are causing significant climate change ....
For the first time ever, the UN has released on the Web the comments of reviewers ....
An example of rampant misrepresentation of IPCC reports is the frequent assertion that ‘hundreds of IPCC scientists’ are known to support the following statement, arguably the most important of the WG I report, namely “Greenhouse gas forcing has very likely caused most of the observed global warming over the last 50 years.”

In total, only 62 scientists reviewed the chapter in which this statement appears, the critical chapter 9, “Understanding and Attributing Climate Change”. Of the comments received from the 62 reviewers of this critical chapter, almost 60% of them were rejected by IPCC editors. And of the 62 expert reviewers of this chapter, 55 had serious vested interest, leaving only seven expert reviewers who appear impartial.
... The claim that 2,500 independent scientist reviewers agreed with this, the most important statement of the UN climate reports released this year, or any other statement in the UN climate reports, is nonsense.

segunda-feira, dezembro 24, 2007

NORAD tracks Santa

Track Santa as he makes his deliveries all over the world!

jingólebéle


Porque na minha memória não há Natal sem este filme, filhós sem estas músicas, lareira sem Salzbourg e presentes sem do re mi, esta é a minha forma de vos desejar um excelente Natal. Obrigado por nos lerem, por nos comentarem, por nos criticarem e, até, para uns quantos malucos, por gostarem de nós.

quinta-feira, dezembro 20, 2007

OBSCENA #8


Está já disponível o último número do ano da revista Obscena, centrado essencialmente no dossier sobre políticas culturais. Dele constam, nomeadamente, os resultados de uma mesa redonda em que participaram André Dourado, Catarina Vaz Pinto, Cristina Peres, Jorge Salavisa, Maria José Stock e Miguel Abreu sobre a existência de uma política para a cultura em Portugal.

O mesmo dossier conta com um artigo meu, intitulado Políticas culturais europeias: pode o proteccionismo e a promoção estadual gerar maior diversidade cultural?:

Entendo que apenas num espaço global, de acesso universal e sem fronteiras pode a diversidade florescer e podem os indivíduos encontrar as manifestações culturais que mais lhes interessam. Sem condicionantes ou imposições. Sem gostos tabelados ou cartilhas aprovadas.
As vantagens da liberdade de circulação podem ver-se nos restantes sectores de actividade. Nunca, dizem os números, se viveu melhor do que num Mundo globalizado. Mas mesmo que assim não fosse, e é, salta à vista que a liberdade de circulação tem potenciado um aumento impressivo das nossas liberdades de escolha assim como tem facilitado o acesso a realidades outrora distantes.
(...)
Se a diversidade cultural é o objectivo, então apenas uma rede que permita uma constante e livre troca de experiências culturais conseguirá cumpri-lo. Pois que é na expansão cultural, na sua exportação para outros contextos, que reside a possibilidade de tornar o Mundo aberto a outras realidades.

Momento Intimista do Dia

Com indevido atraso, aqui respondo ao desafio que me foi lançado por outra Arte, a de Pensar e que consistia em listar cinco filmes da minha eleição. O primeiro, apenas esse, está na posição de filme favorito. Os restantes, que não andam longe, são muitas vezes substituídos por outros. Substituição essa que ocorre de forma tão rápida que, vai na volta, daqui as umas horas o resultado seria completamente diferente. E falta aqui a Lange, sempre a Lange.




Salário mínimo (2)

Servindo não só para dar resposta ao desafio lançado pelo Daniel Oliveira, como também, assim o espero, para densificar e solidificar a posição da Juventude Popular, aqui deixo, para somar às referências nobelizadas, um estudo recomendado pelo Miguel Noronha, cujas conclusões vão muito no sentido das transmitidas pela JP: “The impact of minimum wages on youth employment in Portugal” de Sonia Cecilia Pereira:

From January 1, 1987, the legal minimum wage for workers aged 18 and 19 in Portugal was uprated to the full adult rate, generating a 49.3% increase between 1986 and 1987 in the legal minimum wage for this age group. This shock is used as a “natural experiment” to evaluate the impact of the minimum wage change on teenagers’ employment by using a large firm level micro-data set. It is shown that by comparing the employment growth of 18-19 year old workers with their 20-25 year old counterparts one can identify the employment effects of the minimum wage hike. The same comparisons are done with 30-35 year old workers. This study finds that the rise in the minimum wage significantly reduced employment. This conclusion is reinforced by evidence showing that these employment effects are concentrated in firms more likely to be affected by the change in the law.

quarta-feira, dezembro 19, 2007

Salário mínimo

Ele até pode haver argumentos que rebatam a posição da Juventude Popular sobre o salário mínimo e que demonstrem que, ao contrário do que diz a JP, a imposição de tal salário não tenha um efeito nefasto na economia. Mas vamos continuar na ignorância enquanto todos os blogues que se têm dedicado a bater na ideia se escusarem a apresentá-los.

Note-se que o que aqui está em causa é uma tomada de posição política, devendo por isso mesmo ser rebatida nos mesmos moldes. Demonstre-se, então, que o salário mínimo não tem os efeitos avançados pela JP. Demonstre-se, também, que os países da União Europeia em que não existe tal imposição vivem pior e na escravidão. Demonstre-se, também, que não é assim que se faz política.

Seria, de facto, interessante, que se explicasse de que forma pode o aumento do salário mínimo contribuir para combater a pobreza ou como tal aumento impedir o aumento dos custos das empresas e consequentemente dos preços dos bens e serviços por ela produzidos ou ainda como se vai conseguir que o salário que cada um recebe não se revele, afinal, insuficiente para corresponder a esses aumentos.

Seria igualmente relevante que se evidenciasse de que forma se vai conseguir que os aumentos de preços não prejudiquem as empresas envolvidas, impedindo os consumidores de deixarem de lhe comprar os seus produtos e assim evitando que essas empresas tenham de dispensar trabalhadores.

Sobre este assunto, e numa de contribuir com argumentos, que merecem ser rebatidos, ler o "The Economic Effects of Minimum Wages" (PDF) do Show-Me Institute:
The evidence from a large body of existing research suggests that minimum wage increases do more harm than good. Minimum wages reduce employment of young and less-skilled workers. Minimum wages deliver no net benefits to poor or low-income families, and if anything make them worse off, increasing poverty. Finally, there is some evidence that minimum wages have longer-run adverse effects, lowering the acquisition of skills and therefore lowering wages and earnings even beyond the age when individuals are most directly affected by a higher minimum.

terça-feira, dezembro 18, 2007

Foi você que pediu um Tratado? (6)

Um dos argumentos em desfavor do referendo ao Tratado que mais me enternece é aquele que tem como pressuposto ser aquele documento demasiado denso, pesado e não apreensível pelos portugueses na hora de votar. Não que a coisa não possa até ser verdade, mas porque pressupõe que a generalidade dos nossos deputados estão em condições de o apreender.

Foi você que pediu um Tratado? (5)

Um referendo supõe que o grosso da sua discussão se faça em torno no seu objecto e não, como agora aqui parece acontecer, sobre a sua oportunidade, fundamentação ou motivação. Que percamos tempo a engendrar teorias e estratégias e cenários e estimativas não é senão responsabilidade daqueles que, a pretexto de quererem preservar a Europa, apenas suscitam esse tipo de debate. Temos pois o belo paradoxo de aqueles que acusam os cidadãos de estarem mal informados e poderem não saber ao certo o que estará em causa no referendo, serem os principais obreiros da confusão generalizada em que o tema se tornou.

segunda-feira, dezembro 17, 2007

Eles comem tudo...


Despertando de um sono profundo, que o deve ter cativo há coisa de um mês, o Filipe Melo Sousa partilha connosco uma brilhante tirada de um dos compositores e cantores franceses mais ouvidos lá por casa: Serge Gainsbourg. Não sei se o senhor beneficiou ou não dos abundantes subsídios que por terras francesas se dão aos artistas para poder dizer o que diz. Mas não deixa de ser uma boa pedrada no charco. E depois, depois é deliciar-me com a inocente e insuspeita France Gall a cantar-lhe o Poupée de Cire, Poupée de Son.

Máinada!

Por muito que isso possa custar a alguns, não posso senão saudar o mote do Registo Civil, ao jeito de quem apenas busca a verdade e nada mais do que a verdade: «Architects 'are sexiest', but they prefer Lawyers.» Só por causa disso, o Registo Civil vai directamente para a coluna de links.

Momento Intimista do Dia

O Pedro Correia deu de iniciar uma série dedicada à melhor década do cinema, os anos 50. E não sei se por uma questão cronológica, que o filme é de 1950, a verdade é que começou por destacar o Sunset Boulevard, que é nada mais nada menos do que o meu filme de eleição.

Não fica bem, sei que não, ter esta coisa de filmes favoritos, como se fosse possível eleger um, apenas um, por entre centenas que mereceriam o epíteto. Mas há coisas que não se explicam e que vencem as convenções. E o Sunset Boulevard é, oficialmente e desde há muitos anos, o filme favorito do Adolfo.

A precisão milimétrica do enredo, sempre encharcado de vida real, a precisão milimétrica da iluminação, sempre encharcada de passado real, a precisão milimétrica da decadência, sempre encharcada de degenerescência real. Um filme muito preciso. E em cinema eu sou comichoso.

Ordem Livre

Também por aqui se destaca o lançamento do projecto OrdemLivre.org, uma iniciativa do Center for Promotion of Human Rights que, em boa hora, inicia as actividades regulares em português do Cato Institute.

sexta-feira, dezembro 14, 2007

Momento Intimista do Dia


Esta canção, que o Ricardo Gross em boa hora recuperou, é uma das melhores de Sondheim, pelo menos na minha opinião. Gosto de me perder pela letra, que ainda ninguém conseguiu propriamente entender com rigor e acerto. Que quererá dizer Send in the Clowns? Lembro-me de o Frank Sinatra dizer qualquer coisa como que a letra não tinha sequer de ser entendida; que lhe estava subjacente um fim de relação, altura em que ele diria, às suas amantes, que o caso estava terminado e mandava entrar os palhaços.

As palavras seguem-se umas às outras de forma a permitir que uma cantora com pouca sustentação vocal a possa cantar. Essa opção foi intencional, motivada pela estrela que então era protagonista na estreia do Little Night Music, musical de onde vem Send in The Clowns. Talvez por isso mesmo, por se prestar a diversas formas de desconstrução musical, tantas e tantas cantoras a tentaram cantar. A minha versão favorita é a Barbra Streisand. Coisa pirosa o suficiente para, até eu, ter vergonha de aqui a colocar. Podem procurá-la no youtube.

Mas deixo, talvez a título a de curiosidade, e até para se perceber a dimensão dramática da canção por um lado, e a forma como foi construída para vozes não sustentadas por outro, a versão da Elizabeth Taylor, na passagem do musical ao cinema. Sim, é ela mesma a cantar.

Passo a passo

A JS já foi enviada para frente do pelotão, abrindo caminho à viabilização socialista do referendo europeu. Se forem tão eficazes como foram na IVG, temos referendo lá para 2015.

quinta-feira, dezembro 13, 2007

Ron Paul = Zeitgeist

"Google's Zeitgeist: The Hottest Cultural List Around" (CNBC.com):
Talk to Marissa Mayer, Google's 20th employee and the company's first female engineer and she'll tell you "Zeitgeist," by definition, is "the spirit of the times. And it really tries to capture the moral, ethical and the popular cultures of the day."

As Google's vice president of search and user experience, she ought to know. She presides over what might be described as the ultimate popularity contest, the Google Zeitgeist, a comprehensive, cultural cross-section of what's hot, and what's not, based on what people search for through the course of 2007.
This year's list, released today, details some surprising results. Quick, name the most popular presidential candidate based on who users were searching for: Hillary Clinton? Rudy Guiliani? Nope. The outspoken, quirky Ron Paul beat out all other candidates.

###
Most Searched-For Candidates


Candidates@Google: Ron Paul

Histórias

Tanto se disse que a Cimeira EU-África foi um marco histórico, uma viragem de página e uma nova forma de encarar a relação entre continentes que quase me convenci que a União tinha mesmo abolido a sua política proteccionista face aos produtos provindos de África. Mas parece que não. Nesse campo, o único que interessa e pode fazer a diferença entre pobreza e riqueza, está tudo na mesma. A única História que releva desta Cimeira é, afinal, a história do costume.

A cenoura e o burro

Motivos válidos para não fazer o referendo são às dezenas. Todos muito ordenados, coerentes, cheios de pressupostos imbatíveis e conclusões magnificentes. Mas de motivo válido em motivo válido se chega à invalidez de constantemente se negar aos portugueses o elementar direito de se pronunciarem sobre a construção europeia, de forma a que esta corresponda exactamente ao que pretendem aqueles que por ela se sacrificam.

A voz fanhosa de volta à rádio

E pois que vou estar Sexta-feira, pelas 19:00, no programa Descubra as Diferenças da Rádio Europa. Vou lá estar a debater com o Paulo Pinto Mascarenhas, a Antonieta Lopes da Costa e o André Abrantes Amaral alguns dos temas da actualidade: eleições na Ordem dos Advogados, insegurança e Governo, cimeira UE-África, Tratado de Lisboa e promulgação da Lei da Responsabilidade Civil. A emissão também estará disponível online em www.radioeuropa.fm ou através da powerbox da TV Cabo.

quarta-feira, dezembro 12, 2007

A ler

O trabalho aumenta, como se não houvesse amanhã. Todos os dias mais coisas, mais processos, mais notas, mais memorandos, mais questionários. É quase sempre assim no fim do ano, já deveria estar habituado. Muitas das resoluções de ano novo que agora se projectam passam, quase sempre, pela resolução dos problemas que temos pendurados na nossa vida, se possível antes mesmo de o ano começar. E para isso servem, também, os advogados. Resta pouco tempo para blogar, sobretudo para blogar em grande e à séria, com muita discussão e reflexão, como por exemplo me apetecia fazer a propósito d'A consolidação da soberania do Rui Albuquerque e A constituição da modernidade política pel'O Modernista. Recomendo a leitura, por ora.

domingo, dezembro 09, 2007

power corrupts.


"Quando eu for grande quero ser..."

"...um liberal-comunitário respeitado!"

contra o proteccionismo

"Mil economistas alertan del riesgo del proteccionismo de Estados Unidos hacia China"(Libertad Digital)
En un comunicado publicado hoy en el diario The Wall Street Journal, los 1.023 economistas que lo firman muestran su preocupación por el resurgir del proteccionismo en el Congreso de los Estados Unidos, en particular por lo que podrían ser nuevas medidas contra la importación de productos procedentes de China.

El texto da cuenta del "maravilloso crecimiento" del comercio entre los dos países, de casi un 20 por ciento anual desde 2000, que ha dado lugar "a bienes más baratos, una mayor productividad, un fuerte crecimiento del empleo y un mayor nivel de vida para ambos países".

Recalca lo absurdo que puede ser imponer barreras a la importación, ya que "las tasas aduaneras de represalia contra China son lo mismo que imponernos a nosotros un castigo". Y añaden: "es peor, pues un movimiento tal seguramente animará a China a imponer sus propias aduanas, lo que incrementa las posibilidades de una fútil y perniciosa guerra comercial".

Dichas barreras "destruyen la riqueza y no benefician a nadie a largo plazo. Basándonos en estos principios económicos fundamentales, firmamos esta carta para recomendar al Congreso que no imponga medidas contra el comercio con China".

Now that’s what I call vomit


Team America World Police: Rock Bottom

Kids don't try this at home. Policiar o mundo não é para todos. You can hit rock bottom.

Now that’s what I call insults


Sgt. Hartman Names His Maggots

Não encontrei a parte em que o Sargeant Hartman acrescenta "no bom sentido, claro".

sábado, dezembro 08, 2007

African fractals


African fractals: Ron Eglash on TED.com

O elo perdido

A victoria de mierda deixou Chávez entregue aos mecanismos da social-democracia — a doutrina política que segundo a "esquerda romântica" não se proporciona a derivas totalitárias.
The reason that Social Democrats do not establish socialism when they come to power, is that they are unwilling to do what would be required. The establishment of socialism as an economic system requires a massive act of theft — the means of production must be seized from their owners and turned over to the state. Such seizure is virtually certain to provoke substantial resistance on the part of the owners, resistance which can be overcome only by use of massive force.

Lliure (1)

A general State education is a mere contrivance for molding people to be exactly like one another; and as the mold in which casts them is that which pleases the dominant power in the government, whether this be monarch, an aristocracy, or a majority of the existing generation; in proportion as it is efficient and successful, it establishes a despotism over the mind, leading by a natural tendency over the body. ... All attempts by the State to bias the conclusions of its citizens on disputed subjects are evil."

John Stuart Mill, On Liberty


Em Espanha, nasceu o programa "Educación para la Ciudadanía", nascido de uma recomendação da União Europeia visando "promover una sociedad libre, tolerante y justa y que contribuya, junto con las demás actividades de la Organización, a defender los valores y principios de la libertad, el pluralismo, los derechos humanos y el imperio de la ley, que son los fundamentos de la democracia".

Nem de encomenda, o Governo Espanhol elaborou o mais completo programa de endoutrinamento político e reeducação moral de que há memória. O objectivo é ensinar às criancinhas a unidade da Espanha, os supremos valores da igualdade e solidariedade sociais, o igual valor moral das condutas sexuais e das formas de família alternativas. Promover a equivalência entre filosofias e religiões, o revisionismo histórico segundo valores modernos, normas uniformes de conduta cívica e progressismo social. Criar uma sociedade futura de cidadãos responsáveis ao serviço do colectivo democrático.

###
O programa aplica-se ao último ciclo da primária e ao ensino secundário, e pretende-se que seja transversal - procura-se que cada disciplina encontre formas de incorporar o novo conjunto de valores no seu currículo, de forma a proporcionar uma experiência educativa completa e integrada.

Esta medida de engenharia social foi de imediato rejeitada por todos os sectores conservadores e liberais da sociedade e pelos partidos da oposição que as representam. As comunidades autónomas estão furiosas com o zelo republicano. Inúmeras instituições privadas de ensino alegam que não devem ser obrigadas a ensinar doutrinas contrárias aos valores que defendem. Associações de pais reclamam o direito a determinar a educação dos seus filhos, e exigem que se respeite a liberdade de aprender e ensinar.

Surgiu um imenso movimento alegando que a medida viola direitos humanos e constitucionais, e que apela à objecção de consciência. Escolas aderentes têm sido penalizadas pelas instituições estatais, pais têm sido intimidados a desistir. O protesto colocou o sistema judicial a ferro e fogo, e seguiu para instâncias comunitárias, que já se pronunciaram contra o programa, e numerosas associações estrangeiras juntaram-se à indignação geral.

O programa foi em frente, e já começou a surtir efeitos. Por exemplo, o caso de uma professoras que aconselhou uma aluna a "tener relaciones con personas de todos los sexos para poder elegir el propio género". A revolução ainda agora começou.

Lliure (0)

Tenho estado arredado destas lides dos blogues por estar a fazer o meu MBA em Barcelona. O meu colega de blogue AMN bem se queixa que eu não tenho contribuído.

Pois bem, se não tenho conseguido acompanhar a blogosfera e noticiosfera portuguesa, alguma actualidade espanhola vai ficando registada. Começa aqui a minha rubrica Lliure ("livre", em catalão).

A ler

O Pedro Correia falando de um dos meus escritores de eleição, Graham Greene. Nem de propósito, hoje de manhã voltei a pousar as mãos no Fim da Aventura antes de, devidamente protegido por N cláusulas contratuais, o voltar a emprestar a alguém que, em conversa, me disse que está farta de não ter romances bons para ler...
Foi no México das grandes perseguições religiosas que este católico heterodoxo começou a escrever a primeira das suas obras-primas sobre a condição humana atormentada pela culpa num mundo onde as barreiras morais estão ada vez mais diluídas. “É muito mais difícil curar o espírito do que o corpo”, dizia uma das personagens de outro dos seus melhores romances, Um Caso Arrumado.

Do you really believe in the perfect murder?

Ordens Livres?

Em resposta a este meu post, Vital Moreira diz que tem por evidente que um mecanismo de "auto-regulação regulada" é uma solução bem menos "estatista" do que uma regulação efectuada directamente por agências estatais.

Não tenho, também aqui, qualquer problema em lhe dar razão. Onde já tenho alguma dificuldade é em admitir que este sistema de "auto-regulação regulada" permite combater, precisamente, os problemas realtivos às Ordens Profissionais levantados por Vital Moreira no post que então comentei e que, também no meu entender, merecem solução: o facto de estas muitas vezes se dedicarem a restringir indevidamente a liberdade de profissão e a concorrência na prestação de serviços profissionais.

De facto, as Ordens Profissionais têm desempenhado um papel proteccionista, corporativista e pouco aberto à mudança e à renovação geracional. Mas isso deve-se essencialmente, e a isto voltarei em artigo na Atlântico, em parceria com o André Abrantes do Amaral, a este regime de "auto-regulação regulada" pela qual se transferiu para as Ordens um monopólio que tradicionalmente encontramos no Estado. Razão porque temos apenas uma Ordem para cada profissão, da qual não se pode fugir e para a qual não se pode deixar de contribuir se quisermos exercer a actividade em causa.

Ou seja, ao invés de se insistir num regime que transforma as Ordens Profissionais num espaço de liberdade associativa, que vincula apenas quem nelas se quer inscrever, o Estado permissivamente contribuiu para que as ordens profissionais se transformassem em agências certificadoras, entidades com o soberano e exclusivo poder de decidir, ao certo, quem pode exercer determinada profissão e em que termos, conferindo-lhes um poder excessivo e que limita a liberdade de quem quer exercer a profissão.

Em chegado a este ponto, atento o efeito pernicioso que as Ordens vêm desempenhando nas restrições ao acesso às profissões, o Estado pouco mais têm a fazer do que, de uma vez por todas terminar com este monopólio, impondo a voluntariedade da inscrição e tranformando as Ordens naquilo que deveriam ser: associações voluntárias de determinado profissionais.

sexta-feira, dezembro 07, 2007

Climate lies

"High Cost of Climate Lies" de Alan Caruba no Capitalism Magazine:
Commenting on his initial belief that the IPCC would proceed on the basis of “scientific ethics” and that its conclusions would result from “facts, logic and established scientific and mathematical principles” ....

“I have been forced to the conclusion that, for significant parts of the work of the IPCC, the data collection and scientific methods employed are unsound... normal scientific procedures are not only rejected by the IPCC, but that this practice is endemic, and was part of the organization from the very beginning.”

“I therefore consider that the IPCC is fundamentally corrupt.”

###
... “The two main ‘scientific’ claims of the IPCC are the claim that ‘the globe is warming’ and ‘increases in carbon dioxide emissions are responsible.’ Evidence for both of this claims is fatally flawed.”

.... “No average temperature of any part of the earth’s surface, over any period, has ever been made.” If the earth’s “average temperature” cannot be determined, how can you know that it’s dramatically heating? How can you predict anything about an unknown?
The IPCC has depended on computer climate models for its claims .... As Dr. Gray points out, if you cannot validate these models as actually capable of making predictions, “no self-respecting computer engineer would dare to make use of a model for prediction.” Anyway, “No computer climate model has ever been tested in this way, so none should be used to prediction.”

....“Since they have failed to show that any models are actually capable of prediction, they have decided to ‘evaluate’ them by asking the opinions of those who originate them, people with a financial interest in their success.”

“Sooner or later all of us will come to realize,” Dr. Gray concluded, “that this organization, and the thinking behind it, is phony. Unfortunately severe economic damage is likely to be done by its influence before that happens.”

quinta-feira, dezembro 06, 2007

2 em 1

O Pedro Arroja tem dedicado alguns posts à questão da homossexualidade. A intenção é manifesta e não é condenável: polemizar. Acontece que polemizar com alguém tão preconceituoso que vai ao ponto de reservar a propriedade da intimidade e cumplicidade de um beijo público aos casais heterossexuais daria muito trabalho e gastaria muito tempo, coisa que não tenho.

Teríamos primeiro que desmontar tal preconceito, e todos os outros que se seguissem, até finalmente podermos discutir, com algum rigor, sobre se faz algum sentido aconselhar homossexuais a ficar escondidos no seu armário para ver se não são empurrados para um guetozito aka para não levarem porrada, numa de garantir que a ordemzinha social se mantém impoluta e visualmente higiénica e livre de, como direi, impropriedades.

E perguntam vocês por que carga de água, não tendo eu o tempo necessário, aqui estou a falar do assunto. Bom. Falo deste assunto apenas para dizer, a propósito de uma especial noção de tolerância que por aí corre, que o silêncio perante a intolerância, o preconceito, a estupidez ou a alarvidade não tem qualquer valor negocial. Absolutamente nenhum. Ignorar o que escreve o Pedro Arroja pode ser sinal de falta de tempo, de falta de humor, de falta de disposição, de falta de tomates, de falta de pachorra, de falta de argumentos, de falta de vontade...

Tristes tolerantes estes que se acham no direito de impor, a cada um de nós, um adequado e unívoco modo de reacção ao que nos repugna. Mais, que se acham mesmo mesmo mesmo na convicção de são eles, e só eles, que sabem qual o significado de um silêncio que, como nestes dias se tem visto, pode bem ser mais forte e eficaz do que a verborreia indignada.

Parabéns

O trabalho neste fim de ano tem sido muito e pouco tempo deixa para blogar. Estes senhores aqui, por exemplo, não me põem a vista em cima há meses. Mas se sou dos que adora celebrações e receber parabéns, não perco, por isso mesmo, a oportunidade de os distribuir quando inteiramente merecidos, mesmo que com falta de tempo.

Estão então parabéns três bloggers que leio diariamente: o Jorge Ferreira, pelos quatro anos de Tomar Partido, a Rititi, também pelos quatro anos a dar-nos a melhor música cutre do mundo e a pôr-nos na ordem, como tem de ser e, finalmente, o Miguel Madeira, por dois anos de reflexões à esquerda num excelente Vento Sueste.

quarta-feira, dezembro 05, 2007

Menos Estado com mais Estado

Ninguém gosta de ser chamado de estatista. O problema é que, grande parte dos que recusam o epíteto passam mais tempo a negá-lo do que, em concreto, a avaliá-lo seu pensamento. Veja-se, para exemplo, este post de Vital Moreira sobre as Ordens Profissionais de Vital Moreira.

Diz ele, para começo de conversa, que "não faz sentido estatizar a regulação das profissões, especialmente no que respeita à disciplina profissional". Muito bem. Concordo integralmente. Aqui temos a recusa do estatismo.

Acontece que, logo de seguida, Vital Moreira especifica o seu pensamento. Diz ele que a “atitude mais razoável consiste, primeiro, em pôr fim à proliferação de novas ordens profissionais e, segundo, em delimitar claramente as suas atribuições, impedindo-as de restringir indevidamente a liberdade de profissão e a concorrência na prestação de serviços profissionais”.

E como pretende Vital Moreira fazer isso tudo? Regulando estadualmente a coisa, está bem de ver. Ora, se a coisa é para ser auto-regulada pelos profissionais, o que tem que ver o Estado com o número de ordens ou com as suas regras de funcionamento?

terça-feira, dezembro 04, 2007

04/12/1980

Ilegitimidade genética (2)

Ainda que a maior parte das pessoas tenha preferido olhar para a perspectiva liberal da ilegitimidade de um eventual resultado positivo à consulta popular levada a cabo por Chávez como uma limitação ao senhor, a verdade é que, no rigor das coisas, a limitação que esta perspectiva oferece é, precisamente ao poder dos eleitores.

Retira-lhes, e muito bem, a capacidade de impôr aos que votaram contra, não votaram ou estão por nascer, um regime político assente num poder ilimitado. Impede-os de, por vontade livre ou sob coacção, aprovar um regime que se funda, precisamente, na restrição das liberdades políticas, impondo-o a todo um país.

segunda-feira, dezembro 03, 2007

Ilegitimidade genética

A eventual rejeição popular da proposta de Chávez vem, quanto muito, e de forma limitada, reforçar a absoluta ilegitimidade de uma reforma tendente a perpetuar o poder do senhor, atenuando as disposições que actualmente o limitam.

Mesmo que a maioria dos venezuelanos tivesse aceite a proposta, nem por isso a eternização do poder, sem limites, seria legítima. Esta ideia vem, aliás, no seguimento de um meu anterior post sobre a forma de encarar a democracia como um meio e não como um fim.

Concordo por isso, sem reservas, com o João Miranda, quando diz que "o proto-ditador da Venezuela teve azar. Noutras circunstâncias poderia ter tido sorte. Aquilo que interessa fazer notar do ponto de vista liberal é que a nova constituição da Venezuela seria ilegítima qualquer que fosse o resultado eleitoral".

Atlântico

Estalou crise no blogue da revista Atlântico, revista que muito estimo e com a qual colaboro sempre que posso. Tudo a propósito de um post do Tiago Mendes que, entre outras coisas, elenca um conjunto de adjectivos tendentes a caracterizar o André Azevedo Alves, igual autor do blogue, igual colaborador da revista e ainda membro do conselho editorial da mesma.

São muitos os adjectivos, que qualificam não as ideias do André, mas o próprio André: ultra-conservador, neo-liberal de extrema-direita, obcecado com o patrulhamento da extrema-esquerda, apostado em acções “valorosas” ao serviço da causa de Escriba, intolerante, constante elogiador de apologias de racistas e fascistas, homofóbico, reaccionário, dono de um furor patrulhador contra tudo o que possa pôr em causa a tradição milenar da santa madre igreja e contra quem defende tolerância para com a diferença, autor de atitudes simplesmemente asquerosas, nojentas, execráveis, mesmo de puxar o vómito.

São tantos os adjectivos que uma pessoa até se esquece, ao certo, de quais poderiam ser os argumentos do Tiago. E, pior do que isso, são tantos e tão despropositados que uma pessoa até se esquece de poder concordar com o Tiago na crítica ao texto, citado pelo André, do Francisco José Viegas.

Num país habituado a meias tintas, a atitude do Tiago teria o mérito da frontalidade e da bravura de dizer basta a alguém que manifestamente o repugna. Mas não é disso que se trata porque, tanto quanto se sabe, o Tiago disse que a convivência estava comprometida, no que claramente se acredita, mas mantém-se no blogue, como se nada fosse, partilhando espaço com um membro do conselho editorial da revista que, pelo que se lê nas suas palavras, não se recomenda nem para verme. Nada que surpreenda, já que o Tiago colabora no blogue e na revista, como se nada fosse, mesmo depois de ter acusado o seu Director de ter uma carreira política, o que fica sempre bem para uma revista que se pretende independente.

Estamos por isso longe, muito longe, de uma atitude de dizer basta a algo que, bem ou mal, nos repugna e com quem partilhamos espaço. Pelo menos para mim. Se eu sentisse, face ao André ou face a qualquer outro membro do conselho editorial da revista onde colaboro aquilo que veio descrito no post do Tiago, podem bem ter a certeza que não tardava um segundo até abandonar a revista. E dizia o que tinha a dizer. Dizia e fazia. Não me limitava a dizer.

Mas vamos ao que mais impressiona em toda esta história. E que são os adjectivos utilizados para descrever o André. E vou ser muito claro e directo nesta questão. Eu discordo muito, muitas vezes, de forma vigorosa até, daquilo que, relativamente a certas questões, o André escreve. Na maioria das vezes, inclusivamente, essas questões são aquelas que têm provocado reacções do Tiago. Estou, por isso, particularmente à vontade para escrever o que vou escrever.

O André Azevedo Alves é das pessoas de escrita mais determinada que conheço. E tem uma linha firme, perceptível, que lhe orienta o pensamento e que lhe confere uma coerência inegável. Muitas vezes discordo da coerência por ele apresentada e considero que, perante uma ideia ele deveria continuar com outra em vez de chegar à conclusão a que chega. Mas isso não significa que não seja coerente, caso em que a coerência seria qualquer coisa como o pensamento único.

Mas essa firmeza e determinação não o transformam naquele ser abjecto e intolerante que o Tiago descreveu. E sei isso por experiência própria. Tive, como muitos se recordarão, a oportunidade de dar a cara pelo “sim” no referendo sobre a IVG. Penso que poucos assuntos tocam tão fundo no André como o “não” à despenalização da IVG nos termos que foram referendados. E penso mesmo nenhum assunto lhe terá provocado maior determinação na escrita, vigor na argumentação e, em determinados casos, intransigência na discussão. E quem disto fala, fala também, por exemplo, dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo, assunto relativamente ao qual eu o André não concordamos. Mas a verdade é que partilhamos um blogue e, como poderá ver-se, nunca nenhum de nós deixou de escrever o que quer que fosse sobre as ideias do outro.

Partilhando eu o espaço d’O Insurgente com o André, nem por um segundo, um sequer, fui condicionado ou patrulhado nas minhas opiniões. Antes pelo contrário, tive oportunidade de escrever vários posts sobre tais assuntos, com inteira liberdade, todos eles merecendo resposta ou contra-argumentação do André. Resposta forte e vigorosa, como se espera. Mas nunca em termos que permitam justificar os adjectivos escritos pelo Tiago. Mais que não fosse, e esse não foi o motivo determinante seguramente, porque partilhávamos um mesmo espaço, assente no pluralismo e não na controleira unanimidade. Espaço esse que só é possível quando, com regras simples e de bom senso que não precisam de estar escritas, são as ideias, mesmo que idiotas, que merecem a nossa reacção, e não as pessoas.

Cada um sabe de si. O André sabe dele. O Tiago sabe dele. Mas da revista, desculpem lá, sabemos um bocadinho todos aqueles que nela colaboram e por ela se esforçam. Aqueles que dão o litro por aquilo, sem receber um tostão. Aqueles que gastam o fim-de-semana a projectar e criar. Aqueles que saem do trabalho e vão para casa escrever algo que possa interessar às pessoas e que possa ser diferente daquilo que elas encontram na direita do costume. E a revista não merece que aqueles que a ela se dedicam sejam enxovalhados nos termos em que o foram sem qualquer consequência. A revista não merece ver o seu pluralismo posto em causa precisamente em nome do pluralismo. A isso chama-se, vamos lá ver, patrulhamento.

sexta-feira, novembro 30, 2007

Momento Intimista do Dia

Sou daqueles pobres espíritos que se deixam levar por celebrações e que aderem, sem reservas de maior, a todo e qualquer pretexto que permita erguer os copos e rir e gostar. Não quero saber se o pretexto me chega por materialismo, consumismo, americanismo ou outra coisa qualquer. Nem estou propriamente interessado em ser confrontado com o evidente facto, nunca por mim negado, que a vida se celebra diariamente e não por recurso a pretextos.

Gosto, por isso, de fazer anos. Como gosto do Natal e da Restauração e do Dia dos Namorados e do Pai e da Mãe e da Criança. Mas gosto particularmente de fazer anos, ao jeito muito Lili Caneças de estar vivo é o contrário de estar morto.

Desde a meia-noite de vinte e nove à meia-noite de trinta, estou em permanente felicidade. Não sei explicar de onde me vem isto e não me parece que seja a inconsciência da idade já que, convenhamos, os 30 até assustam um bocado embora, verdade seja dita, também seja capaz de passar aí por uns 26.

Serve pois o presente post para agradecer os votos de parabéns dos leitores deste estaminé que me foram chegando por mail, comentário, sms e hi5. Exclui-se deste grupo o António Costa Amaral que olímpica e criminosamente ignorou a minha passagem aos 30!

Metendo o bedelho

Leio no Der Terorist, metendo-me numa conversa alheia, que alguns dinamarqueses foram levados a julgamento por vender t-shirts com as siglas da Frente Popular para Libertação da Palestina e das FARC, organizações que eu considero terroristas sem precisar de confirmar os catálogos internacionais que desfilam as siglas sangrentas.

A questão não pode deixar de surgir: deve alguém ser levado a julgamento por pensar, por aderir teoricamente a uma qualquer causa, por abraçar, no íntimo das suas convicções, uma qualquer causa, por mais sangrenta que seja?

Não posso aceitar que alguém possa ser condenado apenas por pensar ou até por ostentar o seu pensamento, por mais estúpido que ele me pareça, por mais sanguinário que ele me aparente. Coisa diferente é contribuir materialmente para actos que são, em si mesmos, actos criminosos independentemente de a lei os reconhecer ou não como tal. Matar, ocupar, chacinar, financiar…

Portanto, das duas uma, ou aqueles dinamarqueses, de alguma forma, com nexo de causalidade perceptível, contribuíram para actos criminosos (participando ou financiando) ou a coisa não passa de delito de opinião.

quarta-feira, novembro 28, 2007

Mudanças

O Daniel Oliveira agora está aqui. O link já está devida e atempadamente alterado. O Lóbi do Zé Pedro Costa e Silva também está, já há muito tempo, em nova casa, pelo que com um atraso inexplicável se aproveita o momento para a devida alteração.

Está a ser bom não foi?

Esta indignação com a expulsão de Luisa Mesquita não deixa de ser comovente. De repente, como se esta fosse a primeira, segunda, terceira ou quarta vez que o partido expulsa dirigentes e militantes e funcionários, o PCP é um partido que não merece a nossa democracia e que é indigno e não cumpre com as regras básicas e mais trinta por uma linha.

Passa-lhes depressa esta indignação, já se sabe. Como passaram as outras centenas de indignações que a precederam e que têm permitido que o PCP se sente à mesa da democracia por direito próprio, sem que nenhum dos indignados alguma vez se lembre de lhes recusar a entrada. Há indignados quem com eles se coligam ou negoceiam. E há até, que giro, quem se lembre de os convidar em festejos da democracia e anda de mão dada com eles na rua, cantando e rindo, ao som de pouca indignada música.

Vemo-nos na próxima indignação?

Filhos: liberdade ou privilégio?

No Blasfémias e n'O Insurgente discute-se o papel do Estado nas questões da natalidade. Nem de propósito, o CDS revelou agora as conclusões de um Grupo de Missão de que fiz parte e que se propôs estudar o problema demográfico português e avançar com medidas concretas, exequíveis e eficientes que combatessem o decréscimo da natalidade. O relatório pode ser lido aqui.

Tenho para mim, e foi esse o sentido da minha intervenção no Grupo de Missão em causa, aliás bastante partilhada pelo Grupo, que a decisão de ter um filho se inscreve num irredutível espaço de intimidade dos pais, devendo eles ser livres de escolher ou não ter um filho. Nesta medida, o Estado não é nem pode ser tido nem achado. A ele não lhe cabe aplaudir ou condenar qualquer uma destas decisões.

Por isso, não cabe ao Estado fomentar a natalidade (ou sustê-la). Cabe ao Estado, isso sim, avaliar as suas políticas no sentido de surpreender efeitos extravagantes que, de alguma forma, estejam a limitar esse espaço de liberdade dos pais.

Ora, uma rápida análise de um conjunto de políticas públicas que vão da educação às relações laborais passando pelo enquadramento fiscal permite, desde logo, concluir que o Estado tem vindo a dificultar, de forma muitas vezes sistemática e até inadvertida, a natalidade.

Esse deve ser, por isso, o esforço do Estado no que à natalidade diz respeito, impedindo que gerar um filho seja convertido em privilégio, em vez de andar a distribuir subsídios por cada filho que nasça.

Não se trata de criar nos pais um qualquer direito social à natalidade, como que estando o Estado obrigado a promover todas as condições para que os pais possam ter filhos. Na realidade, tratando-se de uma decisão com tantas variáveis, que é motivada por tão diversos fundamentos, nunca poderia o Estado estar verdadeiramente apto a fazê-lo.

Mas ainda que estivesse, e não está, os pais não são titulares de um direito social à família. São, isso sim, detentores de uma essencial liberdade de constituir família, segundo o suporte que entenderem, sendo de todo em todo intoleráveis ou ilegítimas todas as políticas que resultem numa limitação dessa liberdade.

segunda-feira, novembro 26, 2007

Pride

A propósito desta triste ideia da Tagus de apelar a um orgulho hetero voltou a questionar-se da pertinência de ostentar um qualquer orgulho motivado pela orientação sexual. Nesse propósito, escreveram-se até coisas muito acertadas, com as quais concordo, acerca da inutilidade desse estilo de orgulho.

Mas já me custa a aceitar que não sejamos todos livres de ostentar orgulho no que nos apetece, respeitando as liberdades dos outros. Era o que mais faltava haver uma listinha de assuntos sobre os quais somos livres de estar orgulhosos. E uma outra para assuntos sobre os quais podemos ser orgulhosos assim assim, com muitos considerandos antes e depois, numa de atenuar a coisa.

Se querem fazer paradas ostentando uma qualquer orientação social, que as façam. E se há uma empresa que acredita que pode vender mais cervejas publicitando um qualquer orgulho hetero, que o faça. Quer-me parecer que, se levada a sério a campanha, vai levar um rombo nas vendas, mas isso é lá com eles e com os criativos maravilha que acreditam mesmo mesmo mesmo que a campanha era genial. Esses também deveriam ser livres de ostentar a sua idiotice em praça pública, estilo "somos parvos mas temos orgulho nisso" ou "gostamos de pensar que temos ideias geniais mas no fundo somos uma espécie de porta".

31

O 31 da Armada está por aí há um ano, espera-se que para ficar, sem necessariamente ter que fundar um PRD. Um grande abraço de parabéns.

As voltas que a vida dá

De acordo com o DN, Vitalino Canas terá dito que o "PS governa à esquerda e de acordo com as possibilidades que tem de governar à esquerda". Mais terá dito que, à "medida que os problemas forem sendo ultrapassados, é claro que a dimensão à esquerda poderá ser mais visível".

A ver se percebo bem a coisa. O PS parece que admite estar a governar à direita. Não é verdade que o esteja, porque tanto quanto se sabe governar mal ainda não é, para os devidos efeitos, governar à direita. Mas admitamos, para facilitar as ideias, que é mesmo verdade que a governação de Sócrates se aproxima mais da direita do que da esquerda.

O que Vitalino Canas veio afirmar é que, no seu entendimento, apenas políticas mais próximas da direita permitem vencer a crise. Crise essa que, uma vez vencida, poderá dar enfim espaço a governação à esquerda. Ficamos pois a saber que, para Vitalino Canas, a direita resolve a crise. Não está nada mal, para começo de conversa.

Ora, se as medidas de direita evitam a crise, presume-se que a esquerda só pode governar em tempos de bonança. O que não estaria mal pensado se, uma vez atingida essa bonança, pudesse a governação de esquerda estendê-la e mantê-la. Mas tendo o PS estado no poder, desde 1995 até 2007, com um breve interregno de 3 anos, tudo leva a crer que a crise que hoje se atravessa lhes deve alguma coisa, senão mesmo a grande parcela de responsabilidade.

Chegamos pois à conclusão de que a governação de direita resolve a crise, enquanto a de esquerda gere a bonança e provoca uma nova crise. Não seria preferível, assim para poupar tempo, o PS assumir-se de direita?

sexta-feira, novembro 23, 2007

Momento Intimista do Dia

Ontem foi um dia cheio. De trabalho, de telefonemas, de vírgulas. Pouco tempo para postar (mas porque é que sinto esta inapelável necessidade de me justificar?), para cumprir compromissos ou para aceder a convites. Ficou-me a noite, já não no seu princípio, com a Lange em Estrela Solitária (tenho de falar disto, um destes dias) e a confirmação de que os meus amigos conseguiram comprar bilhetes, incluindo o meu, para o concerto desse grande Deus da canção nacional, o José Cid, onde a presença de um jovem CDS será certamente menos surpreendente do que no concerto do Jorge Palma, não é Marta? ;)

Parabéns

O Portugal Contemporâneo está de parabéns pelos seus 2 anos. Um abraço ao Rui, com quem tanto concordo, e ao Pedro, com quem tanto discordo, na esperança de que venham mais anos de actividade.

Parabéns a dobrar vão igualmente para os 4 anos de Causa Nossa, mantido sobretudo por Vital Moreira, de quem quase só discordo, e por Ana Gomes, que não deixa nunca, pese as nossas exuberantes diferenças, de me despertar um imenso respeito.

quinta-feira, novembro 22, 2007

Sobre Chávez

É a revolução, estupidos por Tiago Barbosa Ribeiro no Kontratempos:

Há pois que arrumar a complexidade do mundo e depressa, porque o PCP e a CGTP asseguram que desta é mesmo de vez. E se não for alguém há-de passar uma borracha e avançar para outro viveiro redentor, sem olhar a custos. Lembram-se? Angola, Afeganistão, Albânia, Alemanha Oriental, Arménia, Azerbaijão, Bielorússia, Bulgária, Cambodja, Cazaquistão, Checoslováquia, China, Congo, Coreia do Norte, Cuba, Eslovénia, Eslováquia, Estónia, Etiópia, Geórgia, Hungria, Iémen, Jugoslávia, Laos, Letónia, Líbia, Lituânia, Moçambique, Moldávia, Mongólia, Polónia, Quirgistão, Roménia, Rússia, Sudão, Tajiquistão, Turquemenistão, Ucrânia, Uzbequistão e Vietname. Todos explicaram aos seus cidadãos o que os seus cidadãos (ah, estúpidos) nunca quiseram compreender. E não foi por falta de balas e celas e palavras clandestinas. Mas a Venezuela não: tem tudo para dar certo. Portanto, abaixo os sindicatos e adelante. Até à próxima vez. E à seguinte. E à seguinte.

A propósito, o que aqui já deixei uma vez escrito, também sobre Chávez:

O que aconteceu com Chavez estava à vista de todos aqueles que, gostando ou não, acreditam no poder da História. E a História demonstra, ou melhor, tem demonstrado, que regimes que se fundam e perseguem apenas a igualdade dão nisto. Em ditaduras, em violações da liberdade, em perseguições políticas, em autoritarismos, em megalomanias. E quando não dão directamente nisto, dão numa pobreza tal, que vão parar a isto. De cada vez que alguém se abeira de um projecto igualitário, existe uma tendência natural em muitos para esperar que, desta vez, resulte. Falhou sempre alguma coisa nos outros. Neste pode não falhar. Acontece que, nesses projectos, não falhou apenas o homem que os conduziu. Não falharam por erro de casting. É a própria coisa em si que não sobrevive à humanidade que temos, especialmente porque, e não espero aqui consenso, a igualdade tão desejada não é natural e só coercivamente pode ser tentada.

quarta-feira, novembro 21, 2007

A mulher mais bonita do Mundo regressa amanhã às salas


Nó cego

O Bloco de Esquerda está muito empenhado em demonstrar, contra todas as evidências por si lançadas na da campanha, que José Sá Fernandes é mesmo um vereador independente eleito nas suas listas. Mas, com tanto labor, acabará por precipitar a chegada do dia em que acabará por perceber que, afinal de contas, o único enganado nesta história não foi o eleitorado, que o Bloco julgou levar na certa, mas o próprio Bloco, que acreditou alguma vez que José Sá Fernandes não tinha ao que vinha.

Concordo, por isso, com o "nó cego" de que fala Tomás Vasques no seu Hoje há Conquilhas, Amanhã não Sabemos:
Não me surpreende se Sá Fernandes concorrer nas próximas eleições autárquicas como vereador «independente» na lista de candidatos do PS. E, aí, se revelará o objectivo de António Costa ao engendrar esta «coligação». Até lá é necessário «fazer» um percursor. António Costa e Sá Fernandes deram um nó cego ao Bloco em Lisboa.

O primeiro aquecimento global

De acordo com o Público, a OMS e o ONUSIDA reavaliaram as estimativas do número de pessoas que vivem com HIV, reduzindo-o de 39,5 milhões em 2006 para 33,2 milhões em 2007. Queda essa que não tem propriamente que ver com o tratamento ou prevenção da doença mas, isso sim, com as alterações à metodologia utilizada para obter essas estimativas, e que eram, até ao presente, bastante exageradas e tendentes à mitologia.

De acordo com o Washington Post, as estimativas agora apuradas são ainda, apesar de tudo, bastante exageradas:
Having millions fewer people with a lethal contagious disease is good news. Some researchers, however, contend that persistent overestimates in the widely quoted U.N. reports have long skewed funding decisions and obscured potential lessons about how to slow the spread of HIV. Critics have also said that U.N. officials overstated the extent of the epidemic to help gather political and financial support for combating AIDS. "There was a tendency toward alarmism, and that fit perhaps a certain fund-raising agenda," said Helen Epstein, author of "The Invisible Cure: Africa, the West, and the Fight Against AIDS." "I hope these new numbers will help refocus the response in a more pragmatic way."

Este estilo de alarmismos, assentes em estatísticas afinal mal apuradas, não vos faz lembrar nada?###

Importa deixar aqui devidamente esclarecido que este post não tem, sequer por um segundo, intenção de desvalorizar uma doença ou a importância do seu tratamento e prevenção. Nem sequer procura, nem de longe, insinuar que a SIDA é uma doença de expressão insignificante.

Apenas procura, isso sim, como termina Helen Epstein, chamar a atenção para o facto de qualquer doença, qualquer problema, só poder ser efectivamente combatido quando os dados que sobre ele dispomos são reais. Basta pensar, por exemplo, na quantidade de boas políticas que podem ter sido abandonadas apenas porque, aparentemente, tiveram pouco efeito.

Momento Intimista do Dia

Não sei porque me deixo sempre seduzir pela solidão no meio de tanta gente. Não me refiro ao silêncio que muitos sentem, mesmo quando acompanhados, para o qual, aliás, tenho pouca complacência. Penso, isso sim, naqueles que se encontram deliberadamente sozinhos num espaço ou celebração que se convencionou imaginar colectivo. Talvez porque goste de lhes imaginar o trajecto, talvez porque a timidez pode ser mais desafiante que a bravura, talvez porque muitas das vezes me vejo nas mesmas circunstâncias.

Nem vale muito a pena racionalizar a coisa. Saber que me deixo seduzir parece bastar-me e já me dá muito que fazer. A vontade de saber, de conhecer, de tocar, de partilhar. Nunca atravessei a linha, com medo de aparentar ora paternalismo ora triste estratégia de engate. Mas há dias, como no concerto de ontem (“não está só a solidão, há tristeza e compaixão”…), em que essa linha custa a manter, como se fosse efectivamente normal largar o meu lugar para me sentar mais longe, só para poder juntar-me à tua timidez e, através dela, juntar-te ao refrão que todos cantávamos.

terça-feira, novembro 20, 2007

Numa noite em que o céu tinha um brilho mais forte


Não sei se era maior o desejo ou o espanto, mas sei que por instantes deixei de pensar, uma chama invisível incendiou-me o peito, qualquer coisa impossível fez-me acreditar
Não sei como vai ser o concerto. Nunca sabemos, quando falamos de Jorge Palma, o que só o torna próximo de nós. Tão próximo que, em certos momentos, quase o sentimos ao nosso lado, a vibrar connosco, a rever-se connosco, a transpirar connosco. Tudo ali, mesmo nos álbuns que menos interesse me despertam, como o último, nos convoca para um destino comum: o de seguir sem destino à espera de ser chamado pela estrela do mar.

Nacional cançonetismo

E volta, uma vez mais, ao palco mediático, a questão das quotas de música nacional nas rádios. Sintomático que, em pleno começo de Século novo, estejamos enredados em velhas soluções. É caso para, novamente, perguntar que país é este em que as rádios não podem programar o que querem emitir e os cidadãos são obrigados a ouvir a música portuguesa num momento de absoluto êxtase nacional?

Poderia, como uma vez tive ocasião de escrever, pensar-se que estamos a falar do Portugal da outra senhora, embalado pelo nacional cançonetismo e alinhado bipolarmente entre Madalena Iglésias e Simone de Oliveira ou António Calvário e Artur Garcia. Mas não. Falamos do Portugal de hoje.

E foi do alto de um esplendor estatizante, e num unanimismo preocupante que tomou de assalto inclusivamente o meu partido, que a Assembleia da República determinou a imposição de quotas de música nacional às rádios portuguesas que, agora, a ERC tanto proclama.

De cada vez que a ERC arrota coisas dessas, músicos de pouca ou nenhuma qualidade regurgitam os seus acordes e debitam as suas inspiradas letras, festejando o mercado imenso que se abre à sua inenarrável falta de talento e vêem-se agora, nas programações, lado a lado, com os músicos de grande qualidade, que se esmeram na busca do perfeito.

Não vale agora o esforço de encontrar uma linguagem musical que se aclimate às sonoridades que a alma vai exigindo e o público aceitando. Porque uma lei qualquer, de um iluminado parlamento, permite que a mediocridade alcance a visibilidade e se engrandeça nas programações.

Mas claro que não passa na cabeça de ilustres legisladores nem magníficos reguladores que de cada vez que condicionarem o que se ouve na rádio mais direccionam as pessoas para os leitores de mp3, esse monumento de liberdade.

E claro, pouco tardará, está bem de ver-se, para o momento em que também os nossos leitores de mp3 vão estar sob a mira regulatória e, pasme-se, as nossas próprias playlists alvo de censura.

segunda-feira, novembro 19, 2007

Momento Intimista do Dia


It's raining, it's pouring my lovelife is boring me to tears, after all these years
O dia está complicado hoje, não só mas também pelo trabalho. Não há tempo para ler, nem comentar, quanto mais escrever ou ripostar. Apenas alegar, facto a facto, artigo a artigo, rumo à conclusão final que, se tudo correr bem, sairá dentro do prazo. E chove. Gota a gota, ao ritmo do articulado que me pesa o dia, sem a energia destas senhoras, talvez porque não é mesmo a love life que está em risco. Talvez cinema, mais logo, para aliviar. Talvez leve love life comigo, fingindo comandar o que sem comando segue.

Tiros ao lado

Cada tiro, cada melro por jcd no Blasfémias
Fernando Serrasqueiro, fez mais uma tentativa para defender os consumidores. Conseguiu aumentar os custos do crédito à habitação.

sábado, novembro 17, 2007

Get ready for the judgment day

Recomeço

Conta a Eugénia Melo e Castro que quis chamar o seu primeiro disco de Recomeço. Não a deixaram, que não fazia sentido nenhum, que alguém que começa não pode pretender um Recomeço. Ainda que o disco tivesse acabado por ganhar o sugestivo nome de Terra de Mel, que acolho sem hesitar, tenho pena que a história não se tivesse cumprido.

Desde então, não mais deixei de pensar que há, de facto, começos com sabor de recomeço. Coisas que começam antes mesmo de darmos por elas e que, no momento em que lhes deitamos mão, ainda que com vocação criadora, não podemos senão pensar que o gesto criador nos antecedeu.

Voltei a estas andanças quando soube que o Pedro Rolo Duarte chegou à blogosfera. Trata-se, claro, de um blogue que lhe marca a estreia. Mas a verdade, pelo menos para mim, é que há muito que o Pedro por cá anda. Primeiro, com desamor, nos tempos do DNA. Depois, com alguma desconfiança, mas já rigorosa atenção, na rádio, cedo vertida para blogue. Agora, finalmente, o Pedro (re) começou um blogue propriamente dito. E ainda bem.

sexta-feira, novembro 16, 2007

A ler

The Trouble With Democracy por Walter Block, sobre o livro de Bryan Caplan, The Myth of the Rational Voter: Why Democracies Choose Bad Policies:


… most people reject the view that pushing up wages increases unemployment. When I teach intro econ, linking unemployment and excessive wages frequently elicits not only students’ disbelief, but anger: How could I be so callous? But irrationality about labor demand is selective. What happens when my outraged students reach the ‘Salary Requirements’ line on job applications? They could ask for a million dollars a year, but they don’t. When their future rides on it, students honor the economic truism that labor demand slopes down.

Socialismos (2)

Pelo Luís Novaes Tito fiquei a saber que o António Costa está a tentar elevar o IMI para a taxa máxima. Entretanto, claro, presumo que o concurso de ideias para o Parque Mayer continue o seu trilho, como se um tal aumento de impostos fosse compatível com determinado tipo de opções autárquicas e não constituísse um último recurso.

quinta-feira, novembro 15, 2007

Paradoxo do dia

Costuma argumentar-se, em jeito de quem justifica a necessidade de gastar milhões com a RTP, que é necessária a existência de um canal que assegure obrigações mínimas de pluralismo. Que o sector, se deixado à livre concorrência, tenderá a dirigir-se no sentido pretendido pelos grupos económicos que os detêm. Que a televisão, sem o Estado, corre o risco de limitar a liberdade de expressão porquanto ficará dependente de interesses parciais, embora legítimos.

A lengalenga é tentadora. Mas depois vem a realidade. A triste realidade que desmente todo um discurso. Desta vez, é José Rodrigues do Santos que vê a porta da rua ser-lhe apontada. Não é o primeiro, nem será o último. Todos eles em nome do pluralismo e da liberdade de expressão.

Os artistas do mas

Não gostam do Chávez, pois não. Que não, que não é aquela esquerda que eles amam e representam. Que é excessivo e sai do caminho e do rumo. Que não, que o homem já perdeu o tino, Tudo isto muito geral, muito no ar, muito sem concretizar, que a coisa assim passa bem e dá para se demarcarem e mascararem.

Mas no concreto, no dia em que o senhor envergonha qualquer pessoa de bem, nesse preciso dia em tudo pode e deve ser escrito uma e outra vez, nesse momento em que demarcar-se é preciso, nesse dia é que quase se esquecem de o criticar. Que sim, que até merece censura, mas os outros merecem mais. E zás. 100 posts sobre os outros. E 1 sobre o Chávez, só para poder ripostar.

Parabéns, pois

Está de parabéns o André Abrantes do Amaral, que vem partilhando as observações que faz do país e do Mundo há já quatro anos.

terça-feira, novembro 13, 2007

Isabel, a Solteira

O Museu Nacional de Arte Antiga vai ter salas de exposição fechadas por falta de pessoal. Isabel Pires de Lima, finge que não tutela o Instituto dos Museus e da Conservação, finge que não nomeia o seu Presidente, finge que este não lhe presta contas e diz que a culpa é do Instituto e não dela. O Instituto finge que não é nada com ele, como sempre. Só demitir Directoras de Museus é que é com eles.

E assim se faz a cultura no nosso país. Higienicamente monopolizada pelo Estado. Mas com salas fechadas. A culpa, essa, será enterrada no mais completo celibato.

Fascismo alimentar

O fascismo alimentar da ASAE já aí anda a produzir os seus perversos frutos, nada que não se esperava já. Os senhores autoritários da ASAE é que sabem o que devemos comer, como comer e onde comer. Cada um que se vergue ao supremo conhecimento da agência certificadora, ela que aí está para velar pela nossa segurança alimentar, impondo, exigindo, obrigando.

Com tanto autoritarismo, com tantas regras, com tantas imposições, fornecer refeições frescas deixou de ser possível. Ou seja, o absurdo e exagerado fascismo alimentar da ASAE conduziu a uma manifesta dificuldade de prestação de serviços alimentares assente em alimentos frescos e de qualidade. Resta a quem tem de prestar refeições encontrar alternativas que cumpram como a higiene mental que vai na cabeça dos senhores da ASAE. Nomeadamente, como nos noticia o Público, por recurso à tão saudável comida congelada. Nem pão de ontem já pode ser usado para fazer uma bela de uma açorda...

A comida com os sabores da dieta mediterrânica, que até Outubro era servida no refeitório da Santa Casa da Misericórdia de Faro, foi substituída pelas doses de alimentos estandardizados (tipo industrial), fornecida por uma empresa da especialidade. "Ganhou-se em segurança alimentar, perdeu-se em sabor e qualidade", reconhece o provedor Candeias Neto. O que o levou a tomar esta medida, diz, foi o receio de que a Autoridade para a Segurança Alimentar e económica (ASAE) lhe fechasse a cozinha, por falta de cumprimento das normas. Em vez do peixe fresco da ria Formosa, Candeias Neto diz que, contra a sua vontade, passou a dar de comer "congelados", distribuídos por uma empresa multinacional. (...)
Em Loulé, o provedor Filipe Semião reconhece que o futuro vai "passar pelas empresas que padronizam os hábitos alimentares", mas por enquanto não abdica dos sabores das terras do Sul: "Um dos hábitos da casa é fazer açorda uma vez por semana, mantendo os usos que muitos dos idosos tinham nas suas próprias casas". Mas, admite, não será por muito tempo. "As normas dizem que não se pode deixar pão de um dia para o outro, e como é que se faz açorda com pão mole?", questiona.

עוד שנה עוברת

Quatro anos de Judiaria merecem referência por estas bandas, sobretudo agora que foi devidamente identificado um lobby judaico na blogosfera, ao estilo de conspiração pela tomada do poder. É um dos meus blogues de eleição e é com gosto, muito gosto, que o vejo atingir uma maioridade blogosférica invejável.

Callate coño!

Não sou monárquico. Entre vários motivos, não o sou porque discordo da fonte de legitimação do poder em que assenta, na esmagadora maioria dos casos, a monarquia. Tendo a preferir, no caso das funções de Chefe de Estado, uma legitimidade electiva. Mas isso não me torna um fanático das eleições, como se apenas a democracia pudesse produzir bons efeitos e boas decisões.

A democracia é, por isso, pelo menos para mim, um meio, não um fim. Caso contrário, chegamos a este triste estado de não poder aplaudir Juan Carlos porque não foi eleito, deixando o bruto Chávez espernear ridiculamente enquanto vocifera anormalidades. Este é, aliás, um dos maiores perigos da popular tese de que o é que eleito é bom.

domingo, novembro 11, 2007

"O óptimo é inimigo do bom"

Há um ditado com que eu embirro por ser disparate lógico: "o óptimo é inimigo do bom".
###
Quando avaliamos algo como sendo "bom", estamos a dar-lhe uma classificação absoluta — objectiva ou subjectiva, não interessa — numa qualquer escala, que tem sempre um extremo "muito mau" e outro extremo "muito bom".

Numa só escala, o "óptimo" é sempre a alternativa que está mais próxima do extremo "muito bom". Assim, o "óptimo" pode ser um "mau" (é o "menos mau"), "mais ou menos", ou "bom".

Contudo, quando se fala de optimização, comummente estamos a referir-nos a uma avaliação em várias escalas. Nesta situação, torna-se mais difícil dizer o que é globalmente melhor ou pior, porque as soluções que são muito boas numa escala podem ser muito más noutra.

Por exemplo, os melhores produtos de consumo são frequentemente muito maus para a nossa carteira. E vice-versa. Ninguém chega a casa com um produto situado nos extremos considerando que fez uma compra óptima. Ou pagou fortunas ou comprou algo de péssima qualidade.

Quando funcionamos a várias escalas, o que na prática acontece quase sempre, deixa de haver "mau" e "bom". Há más escolhas, as que pioram a nossa situação, e boas escolhas, as que a melhoram. E a melhor de todas, a "mais boa", é a óptima.

Num mercado onde há liberdade de escolha, onde as escolhas não são de soma nula ou negativa, o óptimo é quase sempre amigo do bom.

sobre os casos mais bizarros do mundo judicial

De "Processou Deus por abusos e suborno" (PortugalDiário):
A astróloga russa Marina Bai apresentou-se perante um tribunal para processar a NASA por atentar «contra o estado natural dos cosmos e alterar de maneira irreparável as forças do universo». Em Agosto de 2005, a agência especial norte-americana acabava de enviar para o espaço um projéctil contra o cometa temple-1 e a astróloga russa considerava que o equilíbrio cósmico nunca mais voltaria a ser o mesmo, causando danos morais irreversíveis e consequências que deveriam ser compensadas com 310 milhões de dólares.

Pergunto-me quantos se rirão desta notícia, mas se substituíssemos "equilíbrio cósmico" por "equilíbrio ecológico" não estariam já a vociferar contra a Justiça norte-americana.

sábado, novembro 10, 2007

Consenço Sientífico

De Bias and Concealment in the IPCC Process: The "Hockey-Stick" and its implications" (PDF) por David Holland:
The IPCC has no quality control systems or supervision to ensure that its governing principles are properly observed by its working groups, that the science it assesses has been fully open to informed challenge by critics and that it fully discloses the process by which it reaches its conclusions. Its resistance to openness and transparency allows invalid science such as the “hockey stick” to be relentlessly promoted against a background of lack of disclosure that denies other scientists access to the information they need to conduct independent studies. The IPCC’s governing principles are interpreted loosely, for example the strong scientific and statistical disagreements expressed by reviewers are not adequately, if at all, recorded in IPCC reports.

Unpublished papers supporting IPCC orthodoxy are included even though their supporting data and methodology are not available. The use of non-disclosure agreements runs entirely counter to the IPCC’s role. Far too much is made of “climate science” as a discipline. Only recently have there been formal courses in Climatology and most of the current senior practitioners gained their qualifications in other disciplines. More to the point, the shortcomings in many science papers used by the IPCC are not usually speciality-related but rather result from ignorance or misuse of advanced (and even standard) statistical methods, computer programming, basic scientific procedures and simple common sense.

sexta-feira, novembro 09, 2007

The Most Beautiful Planetary Maps Ever


The Most Beautiful Planetary Maps Ever

Ar puro

O fumo público, diz o editorial do DN, é uma questão de saúde pública. E que proibi-lo não é um favor que se faz a uns quantos, mas que é antes uma obrigação devida a todos os cidadãos.

Não sei o que é isso de ser uma obrigação devida a todos os cidadãos. Nem sei quem pode, num belo de um editorial, asseverar com tal clareza quais as obrigações que são devidas a todos os cidadãos. Mas, para que fique esclarecido, e para que se altere o editorial, a obrigação é devida a todos os cidadãos, excepto o cidadão Adolfo Mesquita Nunes. Pelo menos.

Não que eu não goste de um restaurante sem fumo, que gosto. Mas não tenho direito a ele se essa condição não me tiver sido prometida pelo dono do restaurante.

A ver se percebemos. O dono de um restaurante, onde só vou se quiser que a minha casa tem cozinha, a mim não me deve nada. Nem eu a ele. É precisamente nesta relação de partida que se estabelecem as trocas que fazem o negócio avançar, com cedências e compromissos de parte a parte até encontrar um consenso que permita a prestação e o pagamento do serviço. E são essas trocas que permitem, precisamente, a tendência positiva de adesão à nova lei, que o DN noticia.