terça-feira, junho 19, 2007

o Estado-padrinho de casamento

De querem destruir a família, de Fernanda Câncio:
Família, para mim, é um núcleo fundado a partir da ideia do afecto e da comunhão de vida – e não creio que a história, ou mesmo essa coisa chamada “tradição”, digam outra coisa. Mas, mesmo que desse de barato que existe uma “família tradicional” que corresponde à imagem de um casal de sexo diferente que se une com a ideia de ter um rancho de filhos, não se entende em que é que ela é afectada pela existência de outro tipo de uniões. Em que é que o casamento de pessoas do mesmo sexo diminui ou prejudica o casamento de pessoas de sexo diferente? Será que há quem pense que, mal seja possível “oficializar” uma relação entre pessoas do mesmo sexo, não haverá quem queira outra coisa? Ou é mesmo aquilo que parece, a determinação em perseguir e invisibilizar aquilo que se considera “uma aberração”, a determinação de destruir, de fazer sofrer, as pessoas que vivem de uma forma que se não aprova?

###
Uma só nota adicional:
Nunca percebi de que falam as pessoas que defendem ser a aceitação social e cultural plena dos casais do mesmo sexo -- que simbolicamente tem um passo essencial na alteração dos artigos do Código Civil que só permitem o casamento de pessoas de sexo diferente -- um “ataque à família”.

A posição do campo conservador é mal caracterizada. Até aceita que a sociedade tolere casais homossexuais — é uma posição muito tolerante — apesar do mundo estar perdido, etc. O dito "ataque" é identificado sim no reconhecimento de tais uniões pelo Estado — como se por esse meio terceiros ficassem prejudicados, ou privados de algo a que têm direito.

Este pensamento retorcido partilha as suas origens com o progressismo que considera o Estado como fonte e garante de legitimação social — um qualquer "bem público" escasso, a ser administrado sabiamente por poderes isentos ou correctamente tendenciosos. E tão benéfico que provoca sofrimento quando é negado às pessoas.

Em ambas as posições não há muita confiança no poder das relações humanas.

Sem comentários:

Enviar um comentário