sábado, Março 31, 2007

Sobriedade (3)

Na continuação de Sobriedade e Sobriedade (2), "Drunk Driving Laws Cause Drunk Driving Accidents de Mark R. Crovelli no LewRockwell.com, sobre o drunk driving prohibition:
Imagine, however, that we were to attempt to prohibit "driving while tired." Under current U.S. law, people are allowed to drive while tired, and many people who know they are tired slow down to compensate for their slower reactions. If we prohibited driving while tired, however, every tired person in America would make sure he didn’t drive slower than the speed limit, or otherwise draw attention to himself. What would be the result? The answer is, of course, that tired people would get into both more accidents and more serious accidents, because they would have been goaded by the law into driving faster than they otherwise would have voluntarily.

sexta-feira, Março 30, 2007

Wallyhenge


[ via Corta-Fitas, Nuno Sá Lourenço ]

Leitura recomendada

"Um blogue onde se pode respirar" de Laura Abreu Cravo no 31 Da Armada:
.... criticar as ideias defendidas por Odete Santos durante aquela emissão e, acessoriamente, tecer comentários sobre a postura que tenha adoptado nesse mesmo programa é uma decorrência de uma liberdade que a senhora deputada e cidadã exerceu. Não decorre do facto de ser mulher, de esquerda, mais ou menos bonita ou insinuante.

Cavaco Silva, se bem se lembram, foi arrasado com o seu momento Bolo-rei, Jerónimo Sousa mimado por todos os quadrantes políticos pelo seu pezinho de dança, Alberto João Jardim por ter sido apanhado em cuecas por um fotógrafo do Tal & Qual numa troca de roupa num cortejo carnavalesco. Aparecer, meus amigos, é, em larga medida, pôr-se a jeito ....

A ler

Os "bons" e os "outros", do Rodrigo Adão da Fonseca n'O Insurgente:
No plano ideológico as esquerdas estão, em muitos campos, a perder terreno. Ao que parece, para re-legitimar o seu discurso, vale quase tudo: ressuscita-se Salazar das mais variadas formas (primeiro, trazendo à colação, até à exaustão, a discussão sobre um museu a que ninguém dá importância; depois, escalpelizando o resultado de um concurso televisivo de pacotilha); ‘alerta-se’ para uma suposta tomada de posição da ‘extrema-direita’ nas universidades; dá-se palco mediático ao PNR (partido sem expressão na nossa sociedade civil e no eleitorado); acenam-se aos pacatos cidadãos portugueses os papões nacionalistas, racistas e xenófobos.

RE: Pergunta simples

P: Qual é o mérito de receber uma herança?
R: A questão sucessória não deve ser analisada na perspectiva de quem herda mas, isso sim, na perspectiva de quem pretende dar um destino aos bens que juntou durante a vida. Parece-me de elementar bom senso que, enquanto proprietário, me seja concedido o direito de escolher para quem devem ser destinados os meus bens após a minha morte. Num sistema idealmente livre, eu não teria quaisquer restrições à minha liberdade testamentária, podendo gerir o meu património de forma absolutamente livre e sem constrangimentos. Nesse sentido, o mérito de receber uma herança é simples: o mérito que lhe foi encontrado por quem de direito, ou seja, o proprietário dos bens.

"é ridícula essa associação entre o marxismo e o ambientalismo"

###

eu também acho.

The God of Sacrifice, the Society of Sacrifice (2)


The God of Sacrifice
Climate change is a modern-day equivalent of class struggle. Global Warming is an easily understood, historically inevitable concept in Marxist Science designed to help the Party to crush capitalism and fulfill mankind's utmost desire to redistribute wealth and establish a centralized global government with an army of enlightened bureaucrats running a planned global economy based on world-wide quotas and five-year plans.

In the absence of classical Marxist preconditions for the Revolution - global crisis of capitalism combined with massive poverty and despair - Global Warming stands out as the most convenient, non-denominational replacement thereof. It provides both the means to manipulate the masses - and a moral justification for doing so ....

[ do satírico Al Gore's Oscar/Nobel Acceptance Speech (Draft) ]

The God of Sacrifice, the Society of Sacrifice

"The good, say the mystics of spirit, is God, a being whose only definition is that he is beyond man's power to conceive— a definition that invalidates man's consciousness and nullifies his concepts of existence. The good, say the mystics of muscle, is Society—a thing which they define as an organism that possesses no physical form, a super-being embodied in no one in particular and everyone in general except yourself. Man's mind, say the mystics of spirit, must be subordinated to the will of God. Man's mind, say the mystics of muscle, must be subordinated to the will of Society. Man's standard of value say the mystics of spirit, is the pleasure 0f God, whose standards are beyond man's power of comprehension and must be accepted on faith. Man's standard of value, say the mystics of muscle, is the pleasure of Society, whose standards are beyond man's right of judgment and must be obeyed as a primary absolute. The purpose of man's life, say both, is to become an abject zombie who serves a purpose he does not know, for reasons he is not to question. His reward, say the mystics of spirit, will be given to him beyond the grave. His reward, say the mystics of muscle, will be given on earth—to his great-grandchildren.

"Selfishness—say both—is man's evil. Man's good—say both—is to give up his personal desires, to deny himself, renounce himself, surrender; man's good is to negate the life he lives. Sacrifice—cry both—is the essence of morality, the highest virtue within man's reach.
Ayn Rand, Atlas Shrugged, "This is John Galt Speaking"

ecodiscipline plusplusgood

Do imparável O Inominável do Bruno Gonçalves, entrevista a Václav Klaus:

As someone who lived under communism for most of my life, I feel obliged to say that the biggest threat to freedom, democracy, the market economy and prosperity at the beginning of the 21st century is not communism or its various softer variants. Communism was replaced by the threat of ambitious environmentalism. This ideology preaches earth and nature and under the slogans of their protection — similarly to the old Marxists — wants to replace the free and spontaneous evolution of mankind by a sort of central (now global) planning of the whole world.
The environmentalists consider their ideas and arguments to be an undisputable truth and use sophisticated methods of media manipulation and PR campaigns to exert pressure on policymakers to achieve their goals. Their argumentation is based on the spreading of fear and panic by declaring the future of the world to be under serious threat. In such an atmosphere, they continue pushing policymakers to adopt illiberal measures, impose arbitrary limits, regulations, prohibitions and restrictions on everyday human activities and make people subject to omnipotent bureaucratic decision-making. To use the words of Friedrich Hayek, they try to stop free, spontaneous human action and replace it by their own, very doubtful human design.

###
… The policymakers are pushed to follow this media-driven hysteria based on speculative and hard evidence lacking theories, and to adopt enormously costly programs which would waste scarce resources in order to stop the probably unstoppable climate changes, caused not by human behavior but by various exogenous and endogenous natural processes (such as fluctuating solar activity).

.... policymakers should under all circumstances stick to the principles free society is based on, that they should not transfer the right to choose and decide from the people to any advocacy group claiming that it knows better than the rest of the people what is good for them. Policymakers should protect taxpayers’ money and avoid wasting it on doubtful projects which cannot bring positive results.

O anticapitalismo não existe sem bodes expiatórios

"Does OPEC Run the World?" de Jerry Taylor no Cato@Liberty:
Well, one can’t prove a negative, so I’m not going to try. The right question to ask is, “What evidence do we have that oil markets are being systematically manipulated?” After all, by my count, there are 37 major oil futures markets, “over the counter” markets, and physical oil markets across the globe, all of which are quite transparent with thousands of well-informed buyers and sellers. Investigations of “Big Oil” and their market practices have been an around-the-clock phenomenon since the 1970s, so the fact that BP is currently under investigation in the state of California (land of business investigations) does not in itself suggest that there is fire to be found amongst the political smoke.
Question: How many government investigations of “Big Oil” for price manipulation have been undertaken over the past three decades? Answer: At least 30 that I’m aware of, but that’s almost certainly an undercount. Question: How many government investigations of “Big Oil” have found any one of these major companies guilty of price manipulation? Answer: None. Zip. Zero. Nada.

Now, that doesn’t mean it’s not going on. But it does mean that there’s no evidence to suggest that it is. Once you combine that with a functional knowledge of how the oil market actually works, you can’t help but conclude that manipulation is a figment of the imagination. Markets — believe it or not — sometime produce price increases, especially when instability rocks oil producing regions.

Siga

quinta-feira, Março 29, 2007

Taxing Sunny Days

Reacção pavloviana a Taxing Sunny Days (1) e Taxing Sunny Days (2) de Gabriel Silva no Blasfémias — excertos de "Economic Sophisms", uma das obras mais famosas de Frédéric Bastiat:
A PETITION From the Manufacturers of Candles, Tapers, Lanterns, sticks, Street Lamps, Snuffers, and Extinguishers, and from Producers of Tallow, Oil, Resin, Alcohol, and Generally of Everything Connected with Lighting

To the Honourable Members of the Chamber of Deputies.

We are suffering from the ruinous competition of a rival who apparently works under conditions so far superior to our own for the production of light that he is flooding the domestic market with it at an incredibly low price; for the moment he appears, our sales cease, all the consumers turn to him, and a branch of French industry whose ramifications are innumerable is all at once reduced to complete stagnation. This rival, which is none other than the sun, is waging war on us so mercilessly we suspect he is being stirred up against us by perfidious Albion (excellent diplomacy nowadays!), particularly because he has for that haughty island a respect that he does not show for us.
We ask you to be so good as to pass a law requiring the closing of all windows, dormers, skylights, inside and outside shutters, curtains, casements, bull's-eyes, deadlights, and blinds -- in short, all openings, holes, chinks, and fissures through which the light of the sun is wont to enter houses, to the detriment of the fair industries with which, we are proud to say, we have endowed the country, a country that cannot, without betraying ingratitude, abandon us today to so unequal a combat.

###
Depois do absurdo, a redução ao absurdo:
Labour and Nature collaborate in varying proportions, depending upon the country and the climate, in the production of a commodity. The part that Nature contributes is always free of charge; it is the part contributed by human labour that constitutes value and is paid for.

If an orange from Lisbon sells for half the price of an orange from Paris, it is because the natural heat of the sun, which is, of course, free of charge, does for the former what the latter owes to artificial heating, which necessarily has to be paid for in the market.

Thus, when an orange reaches us from Portugal, one can say that it is given to us half free of charge, or, in other words, at half price as compared with those from Paris.

Now, it is precisely on the basis of its being semigratuitous (pardon the word) that you maintain it should be barred. You ask: ``How can French labour withstand the competition of foreign labour when the former has to do all the work, whereas the latter has to do only half, the sun taking care of the rest?'' But if the fact that a product is half free of charge leads you to exclude it from competition, how can its being totally free of charge induce you to admit it into competition? Either you are not consistent, or you should, after excluding what is half free of charge as harmful to our domestic industry, exclude what is totally gratuitous with all the more reason and with twice the zeal.

O Police State tão perto

"Quem não deve não teme?" de Migas n'O Insurgente:
.... há um exemplo de um estado democrático onde a perversão causada pela possibilidade de prender uma pessoa sem necessidade de a acusar, durante alguns dias, resulta em 95% de confissões obtidas relativamente a pessoas presas e 99,9% de condenações de todos os arguidos levados a tribunal por questões criminais. E nem são necessários muitos dias. Bastam 48 horas de detenção sem acesso a um advogado ou sem poder contactar qualquer outra pessoa; seguidas de 24 horas de interrogatório por parte do procurador público; seguidas de 10 dias de detenção sem acusação formada, autorizada pelo juíz, renováveis por mais 10 dias.

Junte-se a isto incentivos de progressão de carreira para juízes por despacharem os casos rapidamente, uma cultura onde os procuradores têm vergonha de perder casos em tribunal e temos uma receita para um miscarriage of justice.

Ah. Trata-se d [ler post original].

to which side shall the progressive masses incline?

"Pascal's Global Warming Wager: Amen and Hallelujah!" no sempre excelente e recomendado The People's Cube:


###
Should you believe in this Global Warming? This is where our Wager comes in, providing an analytical process for the masses to evaluate their options:

1. The masses believe in Global Warming and it really exists: we prevent climate change and kill capitalism: our gain is infinite.

2. The masses believe in Global Warming but it doesn't exist: we lose nothing but kill capitalism anyway and claim we saved the planet.

3. The masses don't believe in Global Warming and it doesn't exist: the growth of capitalist prosperity will continue unabated, distracting the masses from the need to fight capitalism. Faith in socialism withers away: our loss is infinite.

4. The masses don't believe in Global Warming, but it exists and arrives to smite the nonbelievers: See #3, plus our beach homes get washed away: our loss is infinite.

From these possibilities, and the principles of Marxist ethics (anything is moral as long as it advances Socialist Revolution) we deduce that it would be better to believe in man-made Global Warming unconditionally.

Ecolocaust

"In case you missed it (notes on some recent climate hearings)" no OpenMarket.org:
John Christy, professor of Atmospheric Science and Director of the Earth System Science Center at the University of Alabama, .... also had some choice words about the alleged “moral imperative” to curb carbon-based energy use. First, he noted that in 1900, “global energy technology supported 56 billion human-life-years (i.e. 35 yr life expectancy x 1.6 billion people),” whereas today, “energy technology supports 426 billion human-life-years…an eight-fold increase.” During that time, Earth’s average temperature increased a little over 1°F. Assuming for the sake of argument that all the warming was due to energy use, how many billions of human-life-years would it have been moral to eliminate in order to avert how many tenths of a degree?

A doutrina da inveja

"In Defense of Income Inequality" de Peter Schwartz no Capitalism Magazine:
.... the alleged problem is not that some are becoming poor--but that others are too rich. .... this development represents an injustice only if we use a perverse standard of evaluation. It is unjust only if we measure someone's economic status not by what he has, but by what others have ....

This is the standard of egalitarianism--the standard that demands a uniformity of income, regardless of anyone's ability or effort. It is the standard of envy, whereby a problem exists whenever some have more, of anything, than others. And the egalitarian's solution is to eliminate all such inequalities.

###
Egalitarianism is the antithesis of the valid tenet of political equality, under which we have equal rights. That is, we have the right to achieve whatever our ambition and talents allow, with no one permitted to forcibly stop us. Egalitarianism, however, is a denial of the individual's right to be left free. It is an abhorrent demand that some people be punished for achieving what others haven't ....

.... No one is to be allowed to surpass his fellow-citizen. No one is to be allowed to rise. Which means that the most able must be brought down to the level of the least able. The equal spread of misery and privation is the only "equality" that egalitarians ultimately seek. This is why they extol socialist societies, where all suffer equal destitution, while vilifying capitalist societies, where all are free to advance according to their abilities and where the poorest enjoy greater luxuries than any citizen in a "worker's paradise."

.... it is what egalitarians desire. They are motivated by what Ayn Rand called "hatred of the good": if they lack something of value, they want to make sure nobody else has it either.

Income inequality is an effect. The cause is the difference in people's economic production .... in a free, capitalist system, income inequality represents something good. It means that exceptional individuals are free to do their productive best, and to reap their rewards .... the income disparity between top and bottom increases--but so does everyone's standard of living. If so, why shouldn't we welcome an inequality--including a widening inequality--in incomes? And, instead of apologizing for this phenomenon, why aren't our leaders denouncing the egalitarian enviers who want to level us all?

Leitura recomendada

"Por quem os telefones tocam" de Rui Ramos, no blogue da Revista Atlântico:
Sessenta mil telefonemas a favor de um Salazar em confronto com Cunhal num concurso televisivo não chegam para fazer uma Frente Nacional. Mas há gente à esquerda que gostaria de transformar esses telefonemas numa Frente Nacional – porque precisa de um par à altura para criar o ambiente em que a sua própria intolerância possa parecer justificada.
Por isso, meu caro leitor, se lhe aconteceu chegar ao fim deste texto a pensar que o autor quis “branquear” Salazar e portanto é um “fascista”, faça isto: procure um espelho, ponha-se em frente, e o que vir no espelho, pode ter a certeza de que é um “fascista”. Tente então resistir a esse “fascista”. Não pergunte por quem os telefones tocam: é por si.

Iguais direitos ciganos para todos!

"Ciganos: "Vítimas" do assistencialismo estatal" de Júlio Silva Cunha n'O Apaniguado:
As comunidades ciganas vivem hoje em dia, na directa dependência dos organismos estatais. Isto significa apenas perder liberdade e transferir para os restantes concidadãos o ónus da sua "diferença" ....

.... A subsídio-dependência transformou esta comunidade numa massa de pedintes das migalhas governamentais e levantando os ânimos do comum contribuinte contra as suas comunidades. É que depois de tanto investimento público, o retorno e a emancipação "gitana" ainda não aconteceram. Bem pelo contrário! Estão cada vez mais aprisionados aos ditâmes dos burocratas em rosto que controlam os subsídios!

Atlântico, já nas bancas

Do alheamento dos políticos

"Um café muito amargo" de Helena Matos no Blasfémias:
Zapatero é um erro histórico .... Num programa de televisão um espectador perguntou-lhe o preço de um café. Zapatero respondeu com valores do tempo do "avô Patxi". Que importância tem isso? Nenhuma. Mas nestas reviravoltas em que a política é pródiga o alheamento deste homem .... tornou-se evidente ....

Lembrou-me o seguinte episódio, aqui no DN:
.... Carlos Carvalhas, para tentar demonstrar que ele desconhecia a realidade, lhe perguntou num debate televisivo quais eram os preços de alguns produtos de consumo corrente, Portas retorquia, com os números na ponta da língua, quanto custavam um quilo de arroz e um quilo de açúcar.

get a life!

Não lido bem com processos de intenções, daqueles que vêem teorias da conspiração escondidas em cada letra dos nossos posts, como se estivesse em curso um terrível plano de dominação mundial. Não lhes acho piada nem me promove um sorriso. Não acho normal que um gajo chegue aqui, disserte sobre o que sabe e o que não sabe, escreva ao correr da inspiração solitária e de resposta leve com insinuações e azedumes, do estilo tu queres é secar o liberalismo ou o paulo portas mandou-te escrever isso ou esse liberalismo de merda quer é encher os bolsos dos ricos ou no dia 3 de Agosto de 2002 disseste outra coisa e outras patacoadas desse estilo.

Não gosto de gente zangada com tudo e com todos. Que vê esquemas nos mais simples gestos e que não concebe a blogosfera como um sítio onde cada um expressa o que quer. Que odeia pessoas que nem sequer conhece. Que acorda todos os dias com o objectivo de distorcer palavras dos outros. Que tem um orgasmo por cada comentário ao estilo KO que deixa no blogue odiado. Que delira espalhar boatos em caixas de comentários. Que se dedica, afinal de contas, a viver a vida (em função) dos outros.

Indignações selectivas

Anda tudo muito chocado com o cartaz do PNR a mandar os estrangeiros para a casinha deles e há já quem queira retirar o cartaz por ser indigno e mais não sei o quê. Não duvido que o cartaz seja indigno, pois não. Mas as ideias que propaga devem e merecem ser discutidas às claras no espaço público, com argumentos de parte a parte, à frente de todos, para todos.

Escondam tudo por debaixo do tapetinho, escondam; ilegalizem a coisa e façam tudo o mais que tentaram fazer com a elegibilidade do Salazar nos Grandes Portugueses e qualquer dia acordam com outros 41% a baterem-vos à porta.

quarta-feira, Março 28, 2007

Os liberais e o aborto

"Os liberais e o aborto de André Azevedo Alves n'O Insurgente:
.... nas actuais condições, haver condições objectivas para que todos os liberais (independentemente das suas diferenças de princípio quanto à criminalização do aborto) se empenhem numa causa comum a esse respeito: a defesa do fim de qualquer apoio do Estado à prática do aborto.

Otites

"República dos ignorantes" de João Luís Pinto no Small Brother:
Das duas uma: ou subitamente os conhecimentos de investigação operacional, de decisão multi-critério ou mesmo os métodos de apoio à decisão saltaram dos curricula de engenharia (e de alguns de economia) para o domínio de "qualquer outro cidadão", desde a peixeira do Bolhão até ao guna da Areosa, ou então Vital Moreira está equivocado.

"Cabeças no ar" de JCS no Lóbi do Chá:
O português comum, porém, já conhece mais técnicas para construir aeroportos do que formas de confeccionar bacalhau. Acredito que se agora abordasse um serralheiro mecânico e lhe pedisse para me dar a melhor localização para um aeroporto internacional, ele já teria opinião formada. Qualquer pasteleiro está documentado para, pela manhã, me convencer de que a “Ota é um erro crasso”. Há portugueses que não sabem preencher a declaração de IRS, mas construir aeroportos é com eles. Alguns idosos, cuja placa nem lhes permite dizer o segundo nome do primeiro-ministro português sem atropelos, já sabem enumerar cada parâmetro a considerar na escolha do novo aeroporto. As crianças já discutem nos recreios os ventos cruzados e debatem a importância de fazer só uma ou duas pistas.

♪ shell

(clicar para ouvir)
Kenji Kawai, Making of Cyborg

Know your enemies (2)

.... la liberté véritable se trouve partout inhérente et subordonnée à l'ordre, tant humain qu'extérieur. Mais, à mesure que les phénomènes se compliquent, ils deviennent plus susceptibles de perturbation, et l'état normal y suppose plus d'efforts, que d'ailleurs y permet une plus grande aptitude aux modifications systématiques. Notre meilleure liberté consiste donc à faire, autant que possible, prévaloir les bons penchants sur les mauvais; et c'est aussi là que notre empire a le plus d'étendue, pourvu que notre intervention s'y conforme toujours aux lois fondamentales de l'ordre universel.
.... le positivisme ne reconnaît à personne d'autre droit que celui de toujours faire son devoir. En termes plus corrects, notre religion impose à tous l'obligation d'aider chacun à remplir sa propre fonction. La notion de droit doit disparaître du domaine politique ....

Le positivisme n'admet jamais que des devoirs, chez tous envers tous. Car son point de vue toujours social ne peut comporter aucune notion de droit, constamment fondée sur l'individualité. Nous naissons chargés d'obligations de toute espèce, envers nos prédécesseurs, nos successeurs, et nos contemporains .... Ce ne serait pourtant qu'après une restitution complète que nous serions dignement autorisés à réclamer la réciprocité des nouveaux services. Tout droit humain est donc absurde autant qu'immoral ....

Auguste Comte, Catéchisme Positiviste

Ícones

Pontos de Fuga

Já estão publicados os meus Pontos de Fuga desta semana n'O Insurgente, sobre a eleição de Salazar como O Grande Português:

Poderia ter deixado este país na mais ampla prosperidade e paz social, que da minha parte nunca teria um voto destinado a considerá-lo um Grande Português. Podia ser tributário de alguns agradecimentos da minha parte, mas nunca, de forma alguma, um voto no sentido de merecer o epíteto que a RTP se lembrou de colocar a votação.

Coisa bem diferente disto que venho dizendo é a absoluta falta de dignidade democrática de todos aqueles que procuraram, com uma superioridade moral inaceitável num regime de liberdades, impedir que Salazar fosse a votos como todos os outros e, eventualmente, ganhasse a votação. Como se não existissem diversos (e muito legítimos) critérios de voto que não apontassem, precisamente, para Salazar

Omoletes sem ovos? (3)

No Small Brother, o JLP recapitula a discussão aqui iniciada a propósito da existência (ou não) de um eleitorado liberal, registando os vários contributos que chegaram de outros blogues, que muito ajudam à discussão. Aqui ficam listados, para posterior comentário.

Para ter ovos, é preciso pô-los, pelo Migas n'O Insurgente.
Norte e Sul_ europeus, pelo Pedro Félix no café da insónia.
Partido Liberal I e Partido Liberal II, pelo Helder n'O Insurgente.
Não há quem vote ou em quem votar?, por NG na Casa Desassombrada.

Maria José Nogueira Pinto

A saída de Maria José Nogueira Pinto não é um bom sinal para o CDS, independentemente do seu posicionamento na disputa pela liderança que opõe Ribeiro e Castro e Paulo Portas e das motivações que suportam o gesto político de abandonar o partido, sobre as quais, cumprindo o meu compromisso - e porque delas me distancio -, não me vou pronunciar.

Fui sempre um grande admirador de Maria José Nogueira Pinto. Desde 1995 que me habituei a respeitar o empenho e credibilidade que empresta à sua actuação política, bem como a determinação que imprime às suas convicções. No desnorte que foi a liderança de Manuel Monteiro, sempre a encarei como um farol de moderação e responsabilidade, penhor de alguma serenidade e racionalidade política, que sempre tive dificuldade em encontrar em Manuel Monteiro.

Se Maria José Nogueira Pinto constitui, para mim, um referencial político, independentemente das divergências várias quanto ao seu percurso, o certo é que nunca constituiu um referencial ideológico. Somos de direitas diferentes e encaramos de forma muito diversa o passado e o futuro do CDS e de Portugal. O seu discurso político, que nunca omitiu e com uma sustentação ideológica que falta em muitos dos seus “apoiantes” e “detractores”, aproxima-se mais do conservadorismo, com o qual tenho poucos pontos de contacto.

O CDS, como qualquer outro partido, tem tudo a ganhar se conseguir congregar as várias sensibilidades de um espaço político, tentando formar uma síntese em permanente evolução. Os partidos não são estáticos e aclimatam-se aos ritmos próprios das várias lideranças e tendências, sendo por isso desejável que, no seu seio, se expressem e não desertem os diversos pontos de vista, contribuindo permanentemente para a sua actualização ideológica. Um partido político, qualquer que ele seja, é feito de vários tempos e várias velocidades, com mutações constantes e que favorecem, em determinados momentos do caminho, o desalento e, noutros, a esperança.

É por isso que, no dia em que Maria José Nogueira Pinto sai do CDS, considere de rejeitar a ideia de que venceu uma tendência sobre outra. Não foi a sua visão próxima do conservadorismo que perdeu nem a minha visão próxima do liberalismo que ganhou. Foi o CDS que ficou mais pobre, perdendo-se uma vez mais a oportunidade de congregar as diferenças de que é feita a direita portuguesa.

terça-feira, Março 27, 2007

pagando os custos do fracasso da civilização

"Paraíso: o outro lado do inferno" de José Manuel Moreira
.... persiste a ideia de que mais impostos significam mais solidariedade. Há até quem defenda que “os impostos são o preço que pagamos pela civilização”. Mas pensando bem, a tributação talvez seja o preço que pagamos pelo fracasso da civilização, dado que os impostos representam a força. Quanto mais elevado o nível dos impostos, maior o nosso fracasso em criar uma sociedade voluntária e uma cultura de civilidade que sustente a civilização.

Estranho é darem-nos como contribuintes, como se Estado fosse uma organização caritativa, a cujos fins contribuímos voluntariamente. Felizmente, o poder não esconde que as suas receitas fiscais levam a coacção até no nome, por isso se chamam impostos. Pergunto: o Estado-imposto, ao instituir o Inferno fiscal (um bem!), não acabará justificando os Paraísos fiscais (um mal!)?

Deverão os Paraísos fiscais ser explicados só por máfias criminosas, ou terão também a ver com a elevada fiscalidade vigente em quase todo o mundo?

Impostos elevados incentivam a fraude, o desperdício, a corrupção e a economia paralela. É verdade, há sucesso no combate à evasão fiscal, mas a excessiva tributação, mesmo que levada a cabo por Robins dos Bosques legais, sempre ajudará à multiplicação dos fora da lei. É isso que queremos?

telescreen

"Hillary and the Real 1984" de David Boaz:
Many conservatives want to be your daddy, telling you what to do and what not to do, and many liberals want to be your mommy, feeding you, tucking you in, and setting your curfew. But the proper role for the government of a free society is to treat adults as adults, responsible for making their own decisions and accepting the consequences.

Posta Restante

Como a rapaziada se esqueceu de colocar o mail para o envio deste estilo de correspondência, sirvo-me do presente post para saudar e agradecer a (tardia) mudança de template do Nortadas, a merecer leitura diária, agora com muito mais conforto visual!

A liberdade não é uma oferta

Se há coisa que Augusto Santos Silva não esconde é a sua muito especial concepção do que deve ser a liberdade de expressão, nas suas vertentes ligadas à comunicação social.

A forma como vem defendendo o serviço estadual de televisão (e não, como erradamente nos faz crer ver, o serviço público de televisão) ou como se apronta a sancionar o jornalismo de sarjeta demonstram bem o que se esconde por detrás das boas intenções do ministro que tutela a área da comunicação social.

São boas intenções, isso todos nós sabemos, até porque cada vez as há mais. Mas não deixam de traduzir uma muito perigosa concepção de liberdade de expressão. Porque a imaginam como algo concedido, oferecido, permitido pelo Estado quando, e nem deveríamos estar a discutir isto no Século XXI, a sua fundamentação reside, precisamente, na oposição a ingerências exteriores, como as do Estado.

A liberdade de expressão não nos é oferecida pelo Estado, nem pelo ministro. Não lhe cabe, por isso, retirá-la ou mitigá-la, como se de coisa sua se tratasse. Se quiser acabar com jornalismo de sarjeta, o ministro terá de fazer o mesmo que o eleitor perante políticos saídos da dita cuja: não compra.

Leitura recomendada

Pelos vistos, hoje é dia de destacar a Fernanda Câncio aqui por casa. Estou certo que havemos de nos recompor disto...

Desta vez, o diz que é uma espécie de palermice, no Glória Fácil:
muito, muito melhor ter alguém a quem culpar. um gajo de costas largas, de cara séria, que conte os tostões e coma a galinhas e os legumes da horta da tia maria, autoritário, sim, mas sééério. mandando matar quem lhe faz frente sim, mas sééério. manipulando eleições sim, mas sééério. mandando prender quem discorda dele sim, mas sééério. arruinando e atrasando talvez irremediavelmente o país sim, mas séééério. perseguindo até ao fim heróis como aristides sousa mendes sim, mas sééério. (...)

o "perigo" de salazar ganhar foi agitado desde o início. e que fizeram os portugueses? meus caros amigos, os portugueses estiveram-se nas tintas. é o que salazar vale para a maioria: um encolher de ombros. levem lá a bicicleta. ou será que é uma cadeira desconjuntada?

marca registada

"Direito de cópia, ou cópia de direitos?" de Fernanda Câncio:
Tudo se resume então a um problema de preconceito sexual. E de copyright, claro. Direito de cópia, traduzindo à letra. O casamento entre pessoas de sexo diferente, ou seja, o sexo entre pessoas de sexo diferente, surge assim como uma espécie de marca registada, ungida pela alegada ‘tradição milenar’ (que, neste contexto, nada mais é que o interdito religioso, já que de tradições milenares da homossexualidade muito há, como se sabe, a dizer — ou não existisse o interdito religioso para o atestar). Uma marca registada que, por sinal, se tem vindo a alterar de forma tão acelerada e significativa no último século que quem a registou — as igrejas cristãs — já não a reconhece nos seus termos actuais (basta pensar no divórcio).

Pergaminhos

O ano zero do neo-salazarismo de José Medeiros Ferreira no Diário de Notícias:
E, contrariamente ao que aconteceu noutros países, os partidos mais à direita do espectro político português não se filiam numa tradição de luta contra a ditadura.

Mais de 30 anos depois da revolução, Medeiros Ferreira parece insistir nos pergaminhos revolucionários e de oposição clandestina como factor de credibilização política, que a direita não tem. Não tem e, evidentemente, nunca terá, uma vez que o tempo vai passando e esses pergaminhos dizem respeito ao passado.

Compreendo a necessidade desses pergaminhos em momentos determinados da nossa História mas não consigo compreender o alcance e as vantagens da sua permanente invocação nos termos que correm.

Se é verdade que devemos muito a alguns que clandestinamente se opuseram ao regime, o certo é que também muito sofremos na mão de outros que fizeram da oposição o seu modo de vida. Pelo que a autoridade política da oposição à ditadura é muito discutível. A autoridade política advém, isso sim dos projectos políticos dos seus protagonistas. E muitos desses projectos eram, como veio a provar-se, muito discutíveis.

Isto para não falar de todos aqueles que vieram depois e que cometeram o pecado de nascer politicamente depois do 25 de Abril (quando não mesmo, nascer depois do próprio). É caso para perguntar o que liga José Sócrates, que começou a militar na JSD, ao passado anti-ditadura do PS? Em que é que isso o diminui na sua actuação e no seu projecto?

impostos progressistas

"Justice fiscale: l'erreur conceptuelle des adeptes de la progressivité des impôts" no Institut Hayek:
Le concept d'utilité marginale décroissante, utile pour analyser les décisions de consommation des personnes, perd toute pertinence dès qu'il s'agit de l'appliquer non à des biens ou des services, mais au moyen d'échange de ces biens que constitue le revenu. Que l'on examine leur rôle vis à vis des ménage modestes ou leur effet vertueux envers l'amélioration continue de l'offre accessible, il apparaît que l'utilité marginale des revenus est croissante.

###
Cette évolution n'aurait pas été possible sans la conjonction de deux phénomènes. Le premier d'entre eux est l'investissement de particuliers dans des entreprises nouvelles, conduisant d'une part à un élargissement des besoins pouvant être satisfaits par l'offre, d'autre part à une amélioration perpétuelle du rapport qualité prix de cette offre. Cet investissement nécessite que les individus ayant des idées disposent de fonds pour en amorcer la réalisation, puis trouvent des investisseurs aisés pour financer la croissance du projet (les fameux « business angels »). Ces fonds sont alimentés par l'épargne rendue possible par l'augmentation des revenus, et en dessous d'un certain seuil critique, l'investissement des business angels ne saurait avoir la même efficacité qu'au delà de ce seuil: celui nécessaire pour rendre le projet de départ viable. L'utilité marginale de l'euro supplémentaire investi pour atteindre ce seuil est donc plus élevée que celle des euros immédiatement antérieurs: encore un exemple d'utilité marginale croissante. En surtaxant cette utilité, le trésor public l'amoindrit.

Le second phénomène vertueux, complémentaire du premier, qui permet la transformation de produits et services de luxe en produits « mainstream », est bien sûr la consommation initiale de ces produits par une clientèle aisée acceptant de payer des marges élevées pour en bénéficier peu après leur apparition sur le marché. En conséquence, les entreprises peuvent investir pour améliorer leur offre, l'existence d'un espoir de gain permet à de nouveaux entrants d'augmenter la compétition sur ces offres nouvelles et d'en améliorer le rapport qualité prix, etc... Là encore, si une taxation excessive des revenus les plus élevés limite cette consommation, les processus corollaires d'amélioration de l'offre accessible aux revenus plus bas -en un mot, le progrès- sont retardés d'autant.

segunda-feira, Março 26, 2007

The Politically Incorrect Guide to Capitalism

The anti-capitalists are still with us, and how. Robert Murphy has decided to give them an in-your-face economics education that they won't forget — ever.
This could be the most accessible and compelling introduction to free-market economics since Hazlitt's Economics in One Lesson. Certainly economics has rarely been this fun! The socialists and Keynesian of the world will hate this book and make it a target of all their venom. But if they read it, they might learn something.

###
Some topics covered:

- Why central planning has never worked and never will
- How prices operate in a free market (and why socialist schemes like rent control always backfire)
- How labor unions actually hurt workers more than they help them
- Why increasing the minimum wage is always a bad idea
- Why the free market is the best guard against racism
- How capitalism will save the environment — and why socialist countries were the most polluted on earth
- Raising taxes: why it is never "responsible"
- Why no genuine advocate for the downtrodden could endorse the dehumanizing Welfare State
- The single biggest myth underlying the public's support for government regulation of business
- Antitrust suits: usually filed by firms that lose in free competition
- How tariffs and other restrictions "protect" privileged workers but make other Americans poorer
- The IMF and World Bank: why they don't help poor countries
- Why the industrial revolution was the biggest boon for the middle class in human history
- Plus: Are you a capitalist pig? Take the quiz and find out!

Just when I thought that I was out they pull me back in

"INSEAD Establishes Presence on Second Life"

Leitura recomendada


Já por diversas vezes aqui manifestei a minha admiração por Francisco Lucas Pires, a quem se deveu a mais séria tentativa de transformar o CDS num partido onde o liberalismo pudesse triunfar, abrandando as repetidas declarações de amor à democracia-cristã. Não posso, por isso, deixar de recomendar o post do João Gonçalves, no Portugal dos Pequeninos, sobre o professor e ex-presidente do CDS.

O Grupo de Ofir, que com Francisco Lucas Pires elaborou uma dos mais promissores documentos políticos do pós 25 de Abril, Objectivo 92 - No Caminho da Sociedade Aberta, deixou uma marca que não tardou em apagar-se nos tempos de Adriano Moreira, mas que convinha, ao menos, não ser esquecida por quem se arroga o direito de reescrever a história do CDS e de o amarrar a uma única corrente de pensamento que, com jeitinho e boa vontade, lá vai deixando que outras por lá coexistam em minoria.

Até porque desse grupo fizeram parte nomes do presente, como, entre outros, José Luís Nogueira de Brito, Miguel Anacoreta Correia, José Adelino Maltez, José Gabriel Queiró, António Lobo Xavier, José da Cruz Vilaça, Manuel Queiró, José Carlos Vieira de Andrade, Paulo Lawndes Marques, Manuel Cavaleiro Brandão, António Bagão Félix e Paulo Portas.

Grandes portugueses (9)

[AA] Está a perder-se a arte de produzir decadência pop em condições. O concurso dos Grandes Portugueses foi de uma mediocridade atrozmente medíocre. Outra coisa não se podia esperar, num país que só produz nevoeiro à espera que dele se produza esperança. Escrevia Tocqueville que o individualismo gerava medianismo e virtudes cívicas, mas que o cultivo deliberado das mesmas, produzindo grandes cidadãos, também produzia uma mediocridade amorfa e inerte. Pois os portugueses vivem desde sempre com a obsessão que os seus concidadãos não são "cívicos", querendo isto dizer que o outro tem sempre culpa da sociedade não ser platonicamente ideal - a não ser quando o outro é um conhecido, logo um gajo porreiro. Daí que no regime originado do 25 de Abril o Estado democrático tenha recuperado um desígnio do Estado novo, que era um desígnio republicano, que era um desígnio da monarquia liberal, e da absolutista, (e assim por diante), de fazer dos portugueses "europeus". Tanto socialismo cívico, emanado de vagas cúpulas de poder, produziu os efeitos hayekianos - os piores moralistas ascenderam ao topo, e nas bases suspira-se por mais veneno colectivista - mais autoridade, mais ordem, mais causas, mais força, mais sacrifícios, mais autosacrifício, mais qualquer coisa.

Grandes Portugueses (8)

António de Oliveira Salazar é o grande português, o que quer dizer alguma coisa sobre a forma como temos vivido desde 1974. Convenhamos que é perfeitamente natural que um ditador como Salazar arregimente muitos votos. Mas o plus que lhe permitiu vencer o concurso, arrumando mais uma vez Álvaro Cunhal, reside na forma como se procurou oficializar uma versão unidimensional da História, permitindo assim que, na clandestinidade, pudessem pulular centenas de versões imaginativas sem hipótese de contraditório. Ou vai lá alguém acreditar que um puto de 14 anos se atreve a dizer à professora de História que o Salazar talvez não tenha arruinado o país?

Adenda: ler o indispensável (e anterior ao meu) post do Henrique Burnay.

sexta-feira, Março 23, 2007

Omoletes sem ovos? (2)

No Small Brother, o João Luís Pinto comenta o meu cepticismo quanto à existência de um eleitorado liberal. Fá-lo, como sempre aliás, com uma forma e um conteúdo que estimulam o debate, mais do que o ping pong retórico, o que é de agradecer. Mas que obrigam a avançar no tema passo a passo, sem esgotar (por impossibilidade) tudo quanto pode ser dito sobre este assunto num único post.

O João Luís Pinto considera que a “existência ou não de "votos liberais" é eventualmente um dos menores problemas em relação à criação de um partido liberal”, essencialmente porque o “principal beneficiário de um partido orientado por um programa liberal seria o contribuinte”, que actualmente paga pelos “desvarios no nosso estado”.
###

Ora, se isso é verdade, e por isso mesmo nos aproximamos, eu e o João Luís, do liberalismo, o facto é que daí não resulta necessariamente um motivo de esperança, uma vez que, mesmo prejudicado e esbulhado pelo socialismo reinante, o contribuinte teima em não se render ao liberalismo ou, sequer, alguma vez ponderou reclamar outra coisa que não a resolução dos seus problemas através da intervenção estadual.

O liberalismo, para quem é liberal evidentemente, ataca as causas do problema, muito a montante da aparência que é oferecida ao cidadão comum. Ao invés, o socialismo aparece como panaceia para as consequências do problema, assumindo-se incontornável ou inevitável. Ou seja, se é certo que a falência do Estado Social favorece o aparecimento de soluções radicais, nem por isso o eleitorado está sintonizado com a raiz do problema.

Em bom rigor, não está nem tem que estar, porque desde sempre que as alternativas políticas em Portugal se centraram no socialismo. Não é, pois, de espantar que uma total mudança de paradigma esteja fora da sua órbita. Se a isto associarmos a pouca abundância de liberais nos partidos portugueses, como se a emergência de um partido liberal ou de correntes liberais não tivesse que surgir de um movimento interno de ruptura, temos o cenário ideal para o adiamento da coisa.

Por isso, se concordo com o João Luís quando ele considera que um “discurso e um programa político bem orquestrado e construído teria naturalmente um ouvinte atento nas muitas vítimas do estado actual de verdadeira asfixia fiscal”, não posso deixar de realçar que as soluções oferecidas por esse programa, e que o João Luís enuncia, não são de agrado fácil, porque implicam um redimensionamento da responsabilidade individual que muitos recusam.

Da mesma forma que um mau aluno prefere passagens administrativas a ter que ser submetido a testes exigentes de avaliação, também o nosso contribuinte, pelo simples facto de o ser, não tem necessariamente de ver com bons olhos um novo modelo relacional do Estado com os cidadãos.

Waging cartels

De "The minimum wage cartel" de John B. Egger:
Like all price controls, the minimum-wage cartel constitutes what the great 19th-century economist Frederic Bastiat called “legal plunder”. The law is supposed to protect individuals from aggression by enforcing their rights, he wrote, but inevitably someone will figure out how to use it to commit aggression. Those harmed by the legal minimum or “living” wage cut a wide swath, including employers, consumers, investors, taxpayers and many workers.

The poorest of the poor, the least skilled, educated and experienced are hurt the most by such laws, which effectively prevent them from exercising their right to offer services in the only labor market for which they are qualified. Many minimum-wage advocates also complain about “the rich getting richer,” but their law not only creates a forced transfer of wealth to skilled labor but, within the unskilled labor pool, from the “poor” (those with the very least to offer) to the “rich” (those with the most).

###
Who wants to restrict labor-market competition by force? Special-interest groups like labor unions and politicians do it for money and power, and money motivates those minimum-wage workers who, with greater experience or skills, expect to be “cartel members” (keep their jobs).

The general public, already earning well above the minimum, simply wants to help the poor. But they are inclined to overlook Bastiat’s lesson that one must consider both “what is seen and what is not seen”, and the harm wrought by these wage controls is less apparent than their benefit. There’s also a powerful temptation to misinterpret a market wage as society’s version of a parent’s allowance, a reward for being nice, hard working, or “needing it,” like the politicians’ absurd bluster that putting in a forty-hour week — doing anything, presumably — entitles one to support a family of four.

Everyone who’s worked for a minimum wage, including the author and many readers, knows how to move up: Skill, education, responsibility, and experience.

Subsidiaridade

Da wikipédia:
Subsidiarity is the principle which states that matters ought to be handled by the smallest (or, the lowest) competent authority. The Oxford English Dictionary defines subsidiarity as the idea that a central authority should have a subsidiary function, performing only those tasks which cannot be performed effectively at a more immediate or local level. ....

###
The principle of subsidiarity holds that government should undertake only those initiatives which exceed the capacity of individuals or private groups acting independently. The principle is based upon the autonomy and dignity of the human individual, and holds that all other forms of society, from the family to the state and the international order, should be in the service of the human person. Subsidiarity assumes that these human persons are by their nature social beings, and emphasizes the importance of small and intermediate-sized communities or institutions, like the family, the church, and voluntary associations, as mediating structures which empower individual action and link the individual to society as a whole. ....

[ Este post é um plágio integral de um post no Thoughts on Freedom ]

Uma sociedade socialista é uma sociedade tolerante

Indignações selectivas

Provavelmente estarei a ser muito elaborado. Mas a forma como o Público lidou com o caso da licenciatura de José Sócrates foi o maior favor político que o primeiro-ministro poderia ter recebido nos últimos tempos.

Investigou (ou fez que investigou, porque de conclusões: nada), deu voz ao burburinho, acalmou quem se afrontava com a cega cumplicidade da comunicação social e arrumou a história a um canto. Sabemos hoje, o que há muito se escrevia. Ou seja, pouco mais que dúvidas, não muito relevantes. Com uma diferença. Daqui para a frente, não se dirá que a história pairou no ar ou que o primeiro-ministro ganhou o silêncio dos media. Nada disso. A história passou à História. Num abrir e fechar de olhos.

Momento Intimista do Dia

Vicomte de Valmont: Now, yes or no? It is up to you, of course. I will merely confine myself to remarking that a "no" will be regarded as a declaration of war. A single word is all that is required.
Marquise de Merteuil: All right. War!

quinta-feira, Março 22, 2007

Omoletes sem ovos?

Fala-se muito, até demais, em partidos liberais. Se há, se não há. Se podem ser. Se foram ou vão ser. Mas a discussão que mais importa fazer, sobretudo para os que estão dispostos a desviar o olhar da blogosfera que tanto nos ilude, é sobre a existência, ou a eventualidade dessa existência, de votos liberais. Sem eles, não há partido nenhum e a conversa cai por terra.

Grandes Portugueses (7)

Uma coisa é desmistificar Salazar. Encontrar-lhe as feições humanas e políticas que presidiram à sua governação e não, como muitos pretendem, deixá-lo emoldurado num retrato oficial. Outra, completamente diferente, é votar nele como grande português, acima de qualquer outro. Não há nada que o impeça, claro. E quem assim pensa, espero que aja em consequência, votando. Mas igualmente nada me impede de olhar com alguma estupefacção para os meus conhecidos que nele votam ou manifestam intenções de votar. Que a liberdade esteja convosco.

sobre Campo de Ourique (2)

"Frequento uma casa de chuto" d'O Jansenista.

Momento Intimista do Dia


Não deixe que a verdade estrague uma boa história ©

O A Arte da Fuga apoia


Kirzner4Nobel

honoris causa (5)

"O Dossier Sócrates (Em actualização)" de António Balbino Caldeira no Do Portugal Profundo:
O jornal Público de hoje, 22-3-2007, traz uma reportagem extensa da autoria de Ricardo Dias Felner sobre "Falhas no dossier da licenciatura de Sócrates na Universidade Independente". ....

O jornal "O Crime" de hoje, 22-3-2005, continua a explorar o tema do título de "engenheiro" do primeiro ministro e o recuo na sua utilização.

- o título: "Engenheiro Simplex? de Daniel Oliveira no Arrastão;
- começou: o falso é verdadeiro e o verdadeiro é falso em "Vida política e títulos académicos" de José Medeiros Ferreira no Bicho Carpinteiro.

quarta-feira, Março 21, 2007

The Economics of Prohibition (2)

The Economics of Prohibition, de Mark Thornton, agora em PDF.

Pintura liberal


John Alexander, Hiding from the Tax Man

E8

"Mathematicians Map E8" do The American Institute of Mathematics:
According to Hermann Nicolai, a director of the Max Planck Institute in Potsdam, Germany (not affiliated with the project), "This is an impressive achievement. While mathematicians have known for a long time about the beauty and the uniqueness of E8, we physicists have come to appreciate its exceptional role only more recently --- yet, in our attempts to unify gravity with the other fundamental forces into a consistent theory of quantum gravity, we now encounter it at almost every corner! Thus, understanding the inner workings of E8 is not only a great advance for pure mathematics, but may also help physicists in their quest for a unified theory."

direito à secessão (2)

" Only Scottish independence can solve the 'English Question'" de Alex Salmond no Telegraph:
As our world has become more complex and inter-connected, the need for nations to be independent with a direct say in regional and global affairs has become more important - not less. In 1945, there were only 51 members of the new United Nations. In our new century, there are nearly 200 independent UN members - and more than 30 of these have emerged since the end of the Cold War.

Thus in the modern world, the processes of independence and interdependence are mutually supportive and reinforcing. The political imperative to share the same state for reasons of building a large domestic market, or great power projection, is a fundamentally outdated 19th- and 20th-century concept."

direito à secessão (1)

"Um direito à secessão?" de Vital Moreira no Causa Nossa:
.... Aceitando a secessão do Kosovo, como negar depois igual direito a outros territórios em situação afim, como, por exemplo, a parte sérvia da Bósnia-Herzegovina, a Transnistria (Moldávia), a Abkasia (Geórgia), a parte turca de Chipre, o Kurdistão (Turquia e Iraque), o País basco (Espanha), etc. etc.?

Micro-crédito e o micro-socialismo (3)

Já cá faltava: "E agora uma ideia ingénua para combater a pobreza" de Zèd no Peão:
O microcrédito, para além de merecer o prémio Nobel da Paz, parece dar bons resultados. Daí surge-me uma ideia: Como parte de uma política de combate à pobreza, e como alternativa, ou - melhor dizendo - como complemento de políticas de rendimento mínimo e subsídio de desemprego, porque não ser o próprio estado a atribuir microcréditos?

Sobre este tema já aqui se escreveu ( Micro-crédito e o micro-socialismo (1) | Micro-crédito e o micro-socialismo (2) ), explicando o porquê do fascínio da esquerda pelo micro-crédito:
Uma sociedade que admite que os pobres devam ao Estado rapidamente descambará para uma sociedade onde todos devem ao Estado por solidariedade colectivista. Como bem explicou Hayek, o micro-socialismo tende a evoluir para o macro-socialismo.

Recomenda-se o estudo do Cato Institute "A Second Look at Microfinance" (PDF):
.... microcredit, still the dominant service in microfinance, seems to
have long been on a path that does not lead to the kinds of results that a great many practitioners and advocates have hoped it would.
Capital, especially the lending of it, is, after all, what most of microfinance is about. And we in the microfinance movement have indeed assumed that it is a precondition of development. If it is not, and history seems strongly to suggest as much, we need to radically reduce our expectations about microcredit and thus better align ourselves with reality.

[ Potential of microcredit 'grossly overestimated' — resumo do Financial Times ]

Contra os "egoísmos nacionais", em nome do eurocolectivismo

Do EUObserver.com:
A proposal for an EU-wide consultative referendum on the future of the Union has been presented in the European Parliament. The authors want the poll held simultaneously in all 27 EU states in the second half of 2007 and the outcome submitted to an Intergovernmental Conference (IGC) by end of 2008.

Nada parará a União das Repúblicas Socialistas Europeias.

Leitura recomendada

"Alternativas liberais", artigo do Tiago Mendes no Diário Económico.

Trabalhar sem licença? Onde é que já se viu?

"Quatro em cada cinco unidades privadas sem licenças" (TSF)
Para acabar com a complexidade, a ERS sugere a criação de regras únicas de licenciamento para todos os tipos de prestadores de serviços de Saúde e a entrega da fiscalização a entidades privadas e independentes.

Leitura recomendada: "that which should not be privatized" de B.K.Markus no lowercase liberty, citando Rothbard:
.... Think about it: how would we like it if, for example, the federal government abandoned the IRS, and sold, or farmed out, the right to collect income taxes for a certain number of years to, say, IBM or General Dynamics? Do we want taxes to be collected with the efficiency of private enterprise? ....

É pena, mas vivemos num Estado livre onde a liberdade política tem de ser racionada

"CDS-Madeira pedia a independência do partido se pudesse" (TSF)
«É tão lamentável o que se passa no CDS-PP nacional que aquilo que me apetecia propor ao partido da Madeira era que declarasse a sua independência em relação ao partido nacional», confessou [João Manuel Rodrigues, presidente do CDS-Madeira], lembrando contudo que os estatutos não o permitem.

Não só os estatutos do CDS, mas também a Constituição da República Portuguesa...

( o título faz referência a esta preciosa citação )

Confiar no governo para deixar lá o dedo

A propósito da mais recente exaltação nacional ("Preia-mar inunda parques de campismo" na TSF), relembro o excelente artigo "Then Katrina Came" de Walter Block:
First of all, the levees that were breached by the hurricane were built, owned and operated by government. .... Then, too, these facilities may have fooled many people into thinking they were safer than they actually were.

###
Mais excertos:
It is by no means clear that there should even be a city in the territory now occupied by New Orleans.

Ideally, under a regime of economic freedom, what determines whether a geographical area should be settled at all, and if so how intensively? It depends upon whether or not, in the eyes of the human economic actors involved, the subjective costs outweigh the benefits. .... However, if government subsidizes building in areas people on their own would not choose to locate, then the populace can no longer allocate itself geographically in a rational manner. ....
The best way then, to rationally determine whether or not the Big Easy should be saved, is to leave this decision entirely to free enterprise — to capitalist entrepreneurs .... Moreover, private owners make such decisions with their own money, or funds entrusted to them; if they err, they alone suffer. They do not bring the rest of us down along with them.
According to an old adage, critics of government can properly blame this institution for many things, but bad weather is not among them. Wrong, wrong. .... You name any kind of bad weather conditions, and the government is to blame.

Why, pray tell? Because the state at all levels grabs off almost 50% of the GDP in taxes, and its regulations account for a significant additional amount of wealth not created. If the voracious government left all or even most of the property created by its rightful owners — those who created it in the first place with their own hands — the weather problem could undoubtedly be better addressed by private enterprise.

Em complemento: "How the Market Might Have Handled Katrina", também de Walter Block.

Tráfico de órgãos - um imperativo moral (3)

"To Save Lives, Legalize Trade in Organs" (Capitalism Magazine) — apresentando um dos mais mortais efeitos da medicina socialista ("o teu corpo é o nosso corpo"):
If you were sick and needed a kidney transplant, you would soon find out that there is a waiting line--and that there are 70,000 people ahead of you, 4,000 of whom will die within a year. If you couldn't find a willing and compatible donor among your friends and family, you could try to find a stranger willing to give you his kidney--but you would not be allowed to pay him. In fact, the law would not permit you to give him any value in exchange for his kidney. As far as the law is concerned, no one can profit from donating an organ--even if it cost you your life.
Ask yourself: if your life depended on getting an organ, say a kidney or a liver, wouldn't you be willing to pay for one? And if you could find a willing seller, shouldn't you have the right to buy it from him?

The right to buy an organ is part of your right to life. The right to life is the right to take all actions a rational being requires to sustain and enhance his life. Your right to life becomes meaningless when the law forbids you to buy an organ that would preserve your life.

terça-feira, Março 20, 2007

Oooooppsssss


"Prius Outdoes Hummer in Environmental Damage"

The Toyota Prius has become the flagship car for those in our society so environmentally conscious that they are willing to spend a premium to show the world how much they care. Unfortunately for them, their ultimate ‘green car’ is the source of some of the worst pollution in North America ....

...just starve it!

" A redução de impostos proposta pelo PSD" de Miguel Frasquilho no Quarta República:
Mas há, ainda, um motivo adicional pelo qual considero indispensável fixar metas do lado da receita que visem a redução da carga fiscal: colocar pressão do lado da despesa pública para que as reformas imprescindíveis (que levem à sua redução) não sejam adiadas, como sucede quando há a intenção de as realizar mas não existe, digamos, um enquadramento que as torne definitivamente obrigatórias. Por exemplo, o aumento de impostos de 2005 criou uma “almofada” que levou a que, até agora, absolutamente nada de estrutural tenha sido concretizado do lado da despesa pública. E assim se perderam, para já, dois preciosos anos nesta matéria. Por isso, julgo ser claro que, se vamos esperar que a despesa seja “cortada” para só depois baixarmos os impostos, então… bem podemos esperar sentados!...

Nem sempre as Amoreiras foram um sítio bem frequentado

Alerta (4)

A propósito do SISI, o João Pinto e Castro questionou-me no Blogo Existo sobre de que forma pode estar a separação de poderes em risco quando tanto o governo como as polícias se enquadram no poder executivo. Por absoluta falta de tempo para postagens, respondi-lhe por e-mail, para que a pergunta não ficasse sem resposta atempada, cabendo agora postar aqui o essencial dessa resposta, até para alargamento e relançamento do debate.

O que está em causa, do meu ponto de vista, e para isso venho alertando, é o reforço da possibilidade de o governo, através do primeiro-ministro, ter acesso a muita e concentrada informação criminalmente relevante, podendo cair na tentação de condicionar a investigação criminal e subalternizar o PGR. Não falo de pessoas concretas, nem questiono as intenções de eficácia do sistema, mas falo, isso sim, do sistema. O mesmo sistema que permite fugas ao segredo de justiça e que tolera os julgamentos através da comunicação social.

Ora, a partir do momento em que a investigação criminal pode ser condicionada, dirigida, influenciada, agora de forma mais organizada e concentrada, corremos o risco de os tribunais, na sua vocação penal, apenas serem chamados a julgar determinadas parcelas da realidade, sendo-lhes subtraída uma outra, a que não interessa e está debaixo do tapete.

Argument from intimidation (2)

"Liberalismo de caserna" de Daniel Oliveira:
O "liberalismo" blogosférico entrou na sua fase populista. Nem o "eles" indefinido e ameaçador lhe falta.

[ Argument from intimidation ]

Go nuclear (2)

"Nuclear Power and Global Warming" de David D. Friedman:
On the other hand, someone who is trumpeting global warming because he likes the policies advocated to deal with it: public transportation instead of automobiles, "smart growth" instead of "urban sprawl," limits to population and the like, has two reasons to oppose nuclear power. The first is that the environmental movement has long regarded nuclear power as a quintessential evil. The second is that if nuclear power makes it possible for us to continue expanding our current lifestyle while avoiding the dangers of global warming, it eliminates the argument he wants to use to persuade us to reform. We get to continue sinning without being sent to (anthropogenic) hell.

ditadura dos poderes não eleitos

Na sequência de "Direito de resposta: Manuel João Ramos", instamos os leitores a reler "O fascismo moral de Manuel João Ramos" de Manuel Castelo-Branco no 31 da Armada:
Não conheço Manuel João Ramos nem nada me move contra este cidadão. Já as suas posições públicas .... são possuidoras de uma verdade que considera única e inquestionável que enquadro num fascismo moral pouco aceitável numa sociedade que se pretende livre e plural.

Tal como o Salazarismo bafiento de má memória, .... Tem de ser o estado a proibir, a castrar, a condicionar aquilo que deve e pode ser a livre escolha de um cidadão responsável.

mutatis mutandis (2)

Na sequência de "mutatis mutandis", "Fundamentalists Ponder the Morals of Aborting Gay Fetuses" no To The People:
.... fundamentalists hate gays so much that they might drop their obsessive crusade to ban abortion so that they could abort their gay fetuses.

Ron Paul rEVOLution

From hippism to fascism

Do Independent — "Cannabis: An apology":
A decade after this newspaper's stance culminated in a 16,000-strong pro-cannabis march to London's Hyde Park - and was credited with forcing the Government to downgrade the legal status of cannabis to class C - an IoS editorial states that there is growing proof that skunk causes mental illness and psychosis.

O princípio liberal que cada indivíduo é dono do seu corpo tem como consequência a legitimidade do consumo e tráfego de drogas e estupefacientes.

Este princípio foi oportunamente açambarcado pela esquerda como "bandeira" "fracturante", ao ponto de ser com ela identificado. Mas o esquerdismo é, por natureza e vontade, economicamente estúpido. É incapaz de entender que décadas de socialismo conservador, repressor do consumo de drogas, tiveram um efeito sobejamente conhecido de qualquer política de proibição: o aumento da potência da substância proibida, a par com a diminuição da sua qualidade. A ilegalização das substâncias fez dos traficantes senhores da guerra urbanos e empurrou consumidores para a marginalidade.

E, agora, o esquerdismo, que é sobretudo profundamente imoral, levanta-se escandalizado contra o consumo voluntário de drogas — tal como faz com o álcool, o tabaco, as gorduras, os açúcares, as alheiras e os queijos da serra... e um dia fará com o café, os corn flakes, as barras dietéticas, o pão da padaria e a água engarrafada.

Pureza dos pulmões, pureza das veias, pureza do espírito, pureza ideológica. O Homem Novo terá "mente sã em corpo são" para o bem do colectivo. Onde é que já ouvimos isto?

[ The effect of drug criminalization is to drive governments from mild stupidity to strong stupidity | The Economics of Prohibition ]

Títulos que impõem respeito

"My tax cock is bigger than your tax cock" no Samizdata.

honoris causa (4)

"José Sócrates já não é engenheiro..." no Do Portugal Profundo;

"José Sócrates já não é engenheiro?" n'O Insurgente.

touch-driven computer screens (2)


( via information aesthetics | touch-driven computer screens )

SNS

A propósito da possibilidades de hospitais privados se recusarem a praticar interrupções voluntárias da gravidez, e perante alguma indignação com o facto, tive a oportunidade de escrever um pequeno post em que dizia:
Era o que mais faltava que hospitais privados não pudessem decidir, dentro das suas portas, que intervenções médicas estão dispostos a fazer.


Generalizando a questão para todo o sistema nacional de saúde (SNS), o Hugo Mendes diz no Peão que esse meu post demonstra como a argumentação neo-liberal justifica a existência de um sistema nacional de saúde.

Deixando de lá os epítetos, esta consideração do Hugo Mendes parece, se bem o entendo, partir de um pressuposto que considero errado e de um outro com o qual não posso concordar, bem expressos aliás neste seu comentário: se os hospitais privados podem excluir quem lhes apetece, isso então é um argumento fortíssimo para que haja um sistema público que não possa excluir ninguém.

O primeiro, é de que o actual SNS oferece, em cada hospital, todas as especialidades que são necessárias. Ora, os hospitais do SNS, presumo que por orientações centrais, escolhem, também eles, que especialidades podem/devem/se justifica oferecer. As motivações são diversas mas o resultado é o mesmo: as especialidades não cobrem o país por inteiro e, nessa medida excluem pessoas.

O segundo, é de que um modelo de privatização do SNS é incapaz de resolver o problema da selecção adversa, que existe e deve ser ponderado. Ora, existem várias soluções para este problema, e todas elas partem de um pressuposto que me parece essencial: um modelo de privatização não implica o desaparecimento do Estado. Aliás, se há coisa para a qual o Estado tem função é precisamente para a criação de um sistema de contratualizações e de mecanismos que se destinem a partilhar os riscos da selecção adversa.

segunda-feira, Março 19, 2007

We aim to please


exposto no National Gallery

Pelos relatos de um certo Conselho Nacional...

...até sinto orgulho da Assembleia Legislativa Regional lá da minha terra!

Deixem-me ver se eu percebi

Uma facção que refere manter um sistema representativo inviabilizou eleições directas através de um mecanismo participativo.

[ escrito depois, sem conhecimento, e com muito menos requinte que este post do João Miranda ]

sobre Campo de Ourique

"Campo d'Ourique" de João Távora no Corta-Fitas.

Não ganhamos as eleições mas temos os melhores terroristas

O meu colega insurgente Rui Carmo queria comentar o Conselho Nacional do CDS mas mudou de ideias quando começou a escrever o post.

Esta é difícil: isto é o CDS ou a Câmara de Lisboa?

domingo, Março 18, 2007

300 of the Dead


Human development trends (3)

"Google Acquires Data Visualization Technology":


Gapminder is also excited about this event: "Gapminder and Google share an enthusiasm for technology that makes data easily accessible and understandable to the world. Gapminder's Trendalyzer software unveils the beauty of statistics by converting boring numbers into enjoyable interactive animations.

Quantos burocratas são necessários para mudar milhões de lâmpadas por toda a Europa?

Que interessa, enquanto se puder levantar tarifas, proibir o consumo, e subsidiar a eito? — "EU is trying to fix the bulb EU broke" de Johan Norberg:
The EU is trying to get us to switch from traditional light bulbs to energy-saving bulbs. There is even talk of a ban on the conventional variety. But why don't people make the change voluntarily? Because they are so expensive. Why are they so expensive? Because the EU introduced a 66 percent tariff on energy-efficient bulbs from China in 2002.

700 cavalos-vapor do mais puro respeito ambiental


"Weird stuff in the Australian grand prix":
F1 cars are supposed to be in bright colours, with emblems of cigarettes and naked women on them, like old WW2 American military aircraft. It is all part of the essential naughtiness involved in driving a car very fast round a track, which if you think about it, is one of the more pointless ways to spend an afternoon, and all the more wonderful for it.

"I ate the sex plants of Ponape - and lived!"

No seguimento de "Fantasias e Loucuras" de Manuel Pinheiro no Cachimbo de Magritte, e como memória de tempos passados, em que não imperava a brigada da desinfecção moral, recomendo o livro "Men's Adventure Magazine in Postwar America", da Taschen:
Battling dangerous beasts such as ferocious lions, venomous snakes, or swarms of man-eating weasels, the hunky heroes of men's adventure magazines were frequently depicted struggling to protect themselves and especially their buxom female companions from the gruesome tragic ends that threatened their every waking moment. Whether stranded on desert islands, clashing with motorcycle gangs, or shackled in prison camps, the magazines' male and female protagonists were perpetually fighting their ways out of dangerous predicaments.

###
To pay homage to the American periodicals of the 1950s, 60s, and 70s that 'documented' such outrageous exploits, TASCHEN brings you this hefty, comprehensive guide packed full of colorful cover art, sumptuous sample spreads, and enlightening essays. With an in-depth introductory essay describing the history, culture, and artistry of men’s adventure—a.k.a. "sweat"—magazines, as well as chapter-by-chapter exploration of various subjects including the role of women and the portrayal of Nazis and Communists, this definitive study of the genre examines not only the popular appeal of the magazines but also their social and political implications.

Música para reflexão (2)

Na continuação de Música para reflexão, oportunamente colocada aqui no A Arte da Fuga por ocasião do referendo, "Ora cá está uma boa ideia" no bl-g- -x-st-.

Global warming is not a threat. But environmentalism’s destructive response to it is.

"Global Warming: Environmentalism’s Threat of Hell on Earth" de George Reisman:
So let us assume that it were true that global warming might proceed to such an extent as to cause temperature and/or sea-level increases so great as to be simply intolerable or, indeed, literally to roast and boil the earth. Even so, it would still not follow that industrial civilization should be abandoned or in any way compromised. In that case, all that would be necessary is to seek out a different means of deliberately cooling the earth.

###
It should be realized that the environmentalists’ policy of reducing greenhouse-gas emissions is itself a policy of cooling the earth. But it is surely among the most stupid and self-destructive such policies imaginable. What it claims is that if we destroy our capacity to produce and operate refrigerators and air conditioners, we shall be better protected from hot weather than if we retain and enlarge that capacity. What it claims is that if we destroy the energy base needed to produce and operate the construction equipment required to build strong, well-made, comfortable houses for hundreds of millions of people, we shall be safer from hurricanes and floods than if we retain and enlarge that energy base. This is the meaning of the claim that retaining and enlarging this capacity will bring highly destructive global warming, while destroying it will avoid such global warming.

In contrast to the policy of the environmentalists, there are rational ways of cooling the earth if that is what should actually be necessary, ways that would take advantage of the vast energy base of the modern world and of the still greater energy base that can be present in the future if it is not aborted by the kind of policies urged by the environmentalists.
Once people begin to put their minds to the problem, it is possible that a variety of effective and relatively low-cost solutions for global warming will be found. The two essential parameters of such a solution would be the recognition of the existence of possibly excessive global warming, on the one side, and unswerving loyalty to the value of the American standard of living and the American way of life, on the other. That is, more fundamentally, unswerving loyalty to the values of individual freedom, continuing economic progress, and the maintenance and further development of industrial civilization and its foundation of man-made power.

Global warming is not a threat. But environmentalism’s destructive response to it is.

Argument from intimidation

"Only the most degenerate, morally depraved, cretinous imbecile could fail to see the truth of my argument."
The Argument from Intimidation is a confession of intellectual impotence.
Ayn Rand

Hino à imbecilidade económica (2)

Estas idiotices são um achado do politicamente correcto. Inventamos uma acção solidária, os outros pagam e o prestígio é nosso. Também quero. Tenho algumas ideias que são excelentes e demonstram que a solidariedade imposta aos outros pode ser expandida para lá das viagens de avião. Por exemplo:

- o consumidor pedir facturas em todos os bens e serviços que consome para beneficiar o colectivo.

[ citação de João Caetano Dias no Blasfémias, bold meu ]