sexta-feira, março 28, 2008

Antigamente

O episódio da rapariga absolutamente merecedora de expulsão do sistema por um par de anos é bem paradigmático do estado de alguma esquerda que persiste em manter o status quo com base no fantasma do antigamente. Quase como se apenas houvesse duas alternativas, o estado actual ou o estado do antigamente.

É por isso mesmo que a coisa vai como vai. Quando a maioria dos que nos governam e representam só conseguem perceber o que foi sem vislumbrar o que vem temos o o contexto ideal para o marasmo imobilista em que vivemos. E lá se transfere a rapariga, para longe dos olhos, para que mais ninguém dela se lembre até que a TVI, daqui a 10 anos, faça um reportagem ao estilo what happened to.

3 comentários:

  1. A rapariga é da tua responsabilidade.

    ResponderEliminar
  2. A expulsão do sistema seria inconstitucional. Direito ao ensino, sabes ?

    ResponderEliminar
  3. Numa aula do 8º ano, eu um colega tivemos uma altercação quase idêntica à deste caso (o móbil é que era diferente) e fomos os dois para a rua (mas não fomos ao Conselho Directivo nem nada que se parecesse). Como era entre alunos, é claro que é menos grave do que aqui - assim, o que o AMN acha que nos devia ter acontecido? Só um ano de expulsão (em vez do par)?

    Já agora, se a aluna tivesse agredido* mesmo a professora (com um soco ou um pontapé, p.ex.) qual seria então a pena adequada? Expulsa por 10 anos?

    *admito que o puxão aos 57 segundos do filme possa ser considerado "agressão" mas mesmo assim...

    ResponderEliminar