sexta-feira, março 14, 2008

O vazio

Menezes pode, e deve, evidenciar que algumas das suas opções não merecem significativa oposição interna, tanto mais que correspondem, mais coisa menos coisa, a opções tomadas anteriormente por muito respeitáveis líderes. E pode, e deve, evidenciar que há nomes que sistematicamente actuam, relativamente às lideranças, da mesma forma. E pode, e deve, evidenciar que a sua liderança também corresponde a uma desistência assumida de muitos outros em avançar. Em suma, pode, e deve, ajudar a destruir o pedestal em que muitos se colocam para falar no PSD.

Mas nada disso o livra, nem deveria, do insustentável vazio que a sua liderança representa, não para o PSD, mas para o país. A entrevista a Judite de Sousa foi, como aliás têm sido todas as suas intervenções, paradigmáticas da absoluta ausência de uma ideia de país.

Sem comentários:

Enviar um comentário