quarta-feira, março 12, 2008

Pecados

A Igreja Católica decidiu elencar a manipulação genética, as experiências com as pessoas, a poluição ambiental, o uso de drogas e as desigualdades sociais como pecados sociais, categoria diversa dos conhecidos pecados mortais. Para os católicos, estas novas orientações são bastante relevantes e propõem uma actualização dos quadros comportamentais. Para os não católicos, as orientações são absolutamente irrelevantes. Deveria ser assim com todas as instituições. Infelizmente, não é.

8 comentários:

  1. "pecados sociais". Catalogar na mesma ordem experiências com pessoas e poluição...enfim, seremos todos pecadores para sempre, a desigualdade social é incontornável, até para o menos privilegiado português haverá um menos ainda indiano, ou queniano, ou seja o que for. Há confissão própria? Há link?

    ResponderEliminar
  2. A Igreja é uma instituição em constante transformação e progresso. É sinal de vida e actualidade!
    Esta nova lista vem, somente, alertar os católicos para os novos desafios que se nos colocam, nos dias de hoje. É um aviso a todos nós.
    Não vem nenhum mal ao Mundo, se o Vaticano entender redigir um documento sobre estes desafios. Afinal, o Papa zela por todos nós, povo de Deus e, como tal, tem como sua obrigação fundamental, aconselhar-nos e guiar-nos rumo ao caminho da salvação.
    Para quem não acredita, é irrelevante, é certo.
    Para quem tem fé... É um complemento ao que nos une.

    Cumprimentos

    Vox Patriae

    ResponderEliminar
  3. Exactamente. É apenas um problema dos católicos.

    ResponderEliminar
  4. Penso que esta lista vem causar maior perturbação do que aquela que se esperaria, vindo transformar uma boa parte da DSI em matéria religiosa, algo que sinceramente dispenso.

    No entanto, a verdade é que esta lista apenas pode interferir com quem acredita. Mais, pode até ter força de lei, mas apenas a quem a ela se vincula.

    ResponderEliminar
  5. "apenas pode interferir com quem acredita", sim, com quem acredita no Papa. Na época em que a educação era dada pela Igreja faria algum sentido os pecados a crescerem do nada, hoje em dia é ridículo sequer a definição de pecado permanecer. Ridículo ao nível do Al Gore-Prémio Nobel.

    Quem quer ser católico é-o sob uma noção muito própria de catolicismo (eu própria), e todas as noções são paternalistica e hipocritamente permitidas pela Igreja.

    ResponderEliminar
  6. ... sou um pecado social... lololol

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Ó André: "constante transformação e progresso" a 3 km/h... Só agora?

    Outra coisa: "todos nós, povo de Deus". Tudo bem desde que não me meta nesse "povo". Não íam gostar.

    ResponderEliminar