sexta-feira, junho 27, 2008

A moderaçao na “escolha” entre capitalismo e socialismo

In any compromise between food and poison, it is only death that can win

Ayn Rand

Aristotle on Mixed Economies” por Isaac M. Morehouse no Mises Institute:
Socialism is a system where government uses force to tell people what decisions they can and cannot make. There may be degrees of freedom within different socialist systems, just as a prisoner may be treated better or worse by different wardens, but if you are not free, you are not free.

Capitalism is an economic system that allows people to make choices free from government intervention. .... The fact that one cannot avoid taxation and obedience to a government without physical consequences proves that it is not a voluntary institution, but rather one backed by force.

Advocating a "mixed economy" or a middle ground between socialism and capitalism is nothing more than advocating a middle ground between threatening your neighbor with violence if he doesn't do your will and not threatening him with violence.
Attempting to find a middle ground between coercion and freedom is a bad idea.
s Barry Goldwater famously said,
Extremism in the defense of liberty is no vice! — Moderation in the pursuit of justice is no virtue.

Socialismo cristao (também dito "de direita")

Today, there is a dedicated movement that regards tax increases and welfare increases as crucial to extend the kingdom of God in history.

"What Would Jesus Steal? por Gary North:
This ethical principle can be summarized as follows: Thou shalt not steal, except by majority vote.

quinta-feira, junho 26, 2008

Guns don’t kill people

High court strikes down gun ban” (CNN):
WASHINGTON (CNN) -- The U.S. Supreme Court ruled Thursday that a sweeping ban on handguns in the nation's capital violated the Second Amendment right to bear arms.
It was the first time a federal appeals court ruled a gun law unconstitutional on Second Amendment grounds.
The Supreme Court has avoided the question since the Bill of Rights was ratified in 1791. The high court last examined the issue in 1939 but stayed away from the broad constitutional question.

Barbra effect

"My Way or Norway: Prince Sues to Obliterate Tribute Album" (Wired)
Fifty artists who recorded Prince covers in honor of His Purpleness' 50th birthday June 7 have been slapped with a lawsuit by the short-tempered star. His lawyers now demand that all copies of the tribute be destroyed. Shockadelica had reached No. 8 on Norway's album charts and received several popular reviews by the Norwegian press.
When this giveaway first began, there were 5,000 copies of the compilation in circulation. Thanks to Prince's lawsuit and the publicity it will generate, we expect that number to balloon significantly in the coming weeks.

Europe’s Unhappy Union

"Europe’s Unhappy Union" por Theodore Dalrymple:
Is the European Union heading for a Yugoslavian-style denouement? It sometimes looks as if its political class, oblivious to the wishes or concerns of the EU’s various populations, is determined to bring one about .... No doubt the people will be given an opportunity in the future—or several opportunities, if necessary—to correct their mistake and get the answer right, after which there will be no more referenda.
For the moment, all is peaceful and quiet. The political class, which loves the unitary European state precisely because it so completely escapes democratic or any other oversight (let alone control), and for whom it acts as a giant pension fund, holds the upper hand for now. But tensions and frustrations in Europe have a history of expressing themselves in nasty ways.

Ayn Rand was wrong about religion

"Religion and Libertarianism" por Walter Block:
It is time, it is long past time, that the Austro-libertarian movement reject the virulent Randian opposition to religion. Yes, Ayn Rand has made contributions to our efforts. We must not throw out the baby with the bathwater. But, surely, anti-religious sentiment belongs in the latter category, not the former.
…. He who wishes to oppose statist depredations cannot do so without the support of religion. Opposition to religion, even if based on intellectual grounds and not intended as a political statement, nevertheless amounts to de facto support of government.

É hoje!

Dia 26 de Junho, 18h30 Byblos - Amoreiras

Rui Ramos e Carlos Gaspar apresentam o livro BLAIR, A MORAL E O PODER,
de Bernardo Pires de Lima

quarta-feira, junho 25, 2008

Bloco Central (3)

Era evidente, mas pelos vistos os credíveis de serviço não deram pela evidência, onde ia parar esta coisa de criticar as obras públicas do governo socialista, muitas delas transitando do governo anterior que, aliás, nesta matéria, não foi qualquer intermédio nas políticas de betão.

E o resultado aí está: dados, afirmações, constatações, orçamentos e tudo o mais a demonstrar que este discurso do PSD é coisa nova, muito nova, tão nova que tem semanas.

E bem se pode dizer, em jeito de desculpa, que antes não havia tanta crise, no que se não acredita, ou que o que está em causa é a concretização do que antes estava meramente pensando, no que nem vale a pena insistir.

O problema das obras públicas em Portugal é que estas têm sido encaradas como motor de desenvolvimento e, também, já se sabe, como mecanismo de propaganda. Manuela Ferreira Leite parece insurgir-se quanto à segunda vertente da coisa, mas não consta que desdenhe a oportunidade de desenvolvimento oferecida pelas obras públicas.

E isto sim, é o bloco central no seu esplendor.

segunda-feira, junho 23, 2008

George Carlin, Seven Words you can’t say on blogs


George Carlin

Idan Raichel Project

Já deles aqui tinha falado uma vez, dos Idan Raichel Project, um grupo israelita de que muito gosto. Vêm a Lagos, ao Festival do Mediterrâneo, já este Domingo. Não vou poder ir, infelizmente. Mas aqui fica o vídeo de uma das minhas favoritas, logo das primeiras, para quem se quiser aventurar.

Bloco Central (2)

Manuela Ferreira Leite bem pode desdenhar o bloco central, bem o pode negar três vezes antes de o Sol nascer, que a coisa faz-se por si, sem a sua intervenção. O Bloco Central que temos, que vai muito além do centro, verdade se diga, não precisa de governos nem de vontades, existe apenas, mexendo-se através de locomotivas que, residindo nos partidos, pouco dependem dos Ministros ou de quem governa. Existe para além deles e, verdade também se diga, muitas vezes contra eles.

O bloco central que temos não precisa de eleições nem de alternâncias nem de alternativas. Ele está e fica. Para acabar com o bloco central não precisamos que se neguem coligações com o PS. Para acabar com o bloco central precisamos de quem desmantele o Estado que temos.

Ícone

Manuela Ferreira Leite espera ser eleita pelo que as pessoas pensam que ela pensa. Para isso, imagem e mais imagem. Pode não ser a imagem tradicionalmente vendida, tradicionalmente eficaz. Mas é imagem. Muita imagem. Trabalhada como qualquer outra. Só isso pode justificar que os seus mais severos apoiantes dela digam que não é preciso que fale. Manuela Ferreira Leite está ali para ser um ícone.

sábado, junho 21, 2008

Parabéns ao cara-de-cu que desenhou este logo


[ Ishihara color test ]

Why Be Libertarian?

Do capítulo 15 do livro Egalitarianism As a Revolt Against Nature De Murray N. Rothbard, o artigo "Why Be Libertarian?":
The genuine libertarian .... is, in all senses of the word, an "abolitionist"; he would, if he could, abolish instantaneously all invasions of liberty, whether it be, in the original coining of the term, slavery, or whether it be the manifold other instances of State oppression. He would, in the words of another libertarian in a similar connection, "blister my thumb pushing that button!"

sexta-feira, junho 20, 2008

Zod 2008


General Zod 2008

Para quem não se lembra:

Arrefecimento global

Nada como um balde de água fria, e não quente, desta vez de John Coleman, fundador do The Weather Channel, que teve de admitir algumas novidades nesta coisa do aquecimento global. Os sublinhados são meus:

Worldwide there was a significant natural warming trend in the 1980’s and 1990’s as a Solar cycle peaked with lots of sunspots and solar flares. That ended in 1998 and now the Sun has gone quiet with fewer and fewer Sun spots, and the global temperatures have gone into decline. Earth has cooled for almost ten straight years. So, I ask Al Gore, where’s the global warming?

The cooling trend is so strong that recently the head of the United Nation’s Intergovernmental Panel on Climate Change had to acknowledge it. He speculated that nature has temporarily overwhelmed mankind’s warming and it may be ten years or so before the warming returns. Oh, really. We are supposed to be in a panic about man-made global warming and the whole thing takes a ten year break because of the lack of Sun spots. If this weren’t so serious, it would be laughable. (...)

I suspect you haven’t heard it because the mass media did not report it, but I am not alone on the no man-made warming side of this issue. On May 20th, a list of the names of over thirty-one thousand scientists who refute global warming was released. Thirty-one thousand of which 9,000 are Ph.D’s. Think about that. Thirty-one thousand. That dwarfs the supposed 2,500 scientists on the UN panel. In the past year, five hundred of scientists have issued public statements challenging global warming. A few more join the chorus every week. There are about 100 defectors from the UN IPCC. (...)

The battle against fossil fuels has controlled policy in this country for decades. It was the environmentalist’s prime force in blocking any drilling for oil in this country and the blocking the building of any new refineries, as well. So now the shortage they created has sent gasoline prices soaring. And, it has lead to the folly of ethanol, which is also partly behind the fuel price increases; that and our restricted oil policy. The ethanol folly is also creating a food crisis throughout the world – it is behind the food price rises for all the grains, for cereals, bread, everything that relies on corn or soy or wheat, including animals that are fed corn, most processed foods that use corn oil or soybean oil or corn syrup. Food shortages or high costs have led to food riots in some third world countries and made the cost of eating out or at home budget busting for many.

A opção pelo nuclear

A propósito da necessidade, se alguma existe, de o Estado fomentar a produção de energia limpa, com menor impacto no ambiente, coloca-se muitas vezes a hipótese do nuclear, referindo-se que ela é, de todas as formas de produção, a que consegue estabelecer a melhor relação custo benefício. Esta é, por exemplo, a posição do candidato Mcain.
Mas será assim? Jerry Taylor, no blogue do Cato Institute, diz que não:

The reason we hear politicians like John McCain talk so much about the need for the federal government to promote nuclear power is because investors in the private sector take one look at the economics and run screaming for the hills. Investment banks tell utilities who want to borrow money to build these things that not one red cent will be coming their way unless and until the federal taxpayer guarrantees that the entire loan will be repaid in case of default. If nuclear power were such a good economic bet, those taxpayer guarantees would not be necessary.

Políticas de natalidade...



As summer vacation begins, 17 girls at Gloucester High School are expecting babies—more than four times the number of pregnancies the 1,200-student school had last year. Some adults dismissed the statistic as a blip. Others blamed hit movies like Juno and Knocked Up for glamorizing young unwed mothers. But principal Joseph Sullivan knows at least part of the reason there's been such a spike in teen pregnancies in this Massachusetts fishing town. School officials started looking into the matter as early as October after an unusual number of girls began filing into the school clinic to find out if they were pregnant. By May, several students had returned multiple times to get pregnancy tests, and on hearing the results, "some girls seemed more upset when they weren't pregnant than when they were," Sullivan says. All it took was a few simple questions before nearly half the expecting students, none older than 16, confessed to making a pact to get pregnant and raise their babies together. Then the story got worse. "We found out one of the fathers is a 24-year-old homeless guy," the principal says, shaking his head.

quinta-feira, junho 19, 2008

Bloco Central

Nada mais seguro para os nossos so-called capitalistas, que vivem às custas do Estado desde sempre e, se deles depender, para sempre, que a recriação, agora aventada até por Marcelo, do Bloco Central, que sempre existiu, com ou sem alternância.

Felizes com a solução encontrada para obviar a chatice de termos eleições e de termos que mudar de Ministros, os cultores da ideia parecem não reconhecer que, tal como em 1983, a recriação do Bloco Central significará a falência de um sistema, de um panorama, de um equilíbrio em que os principais partidos acordaram no socialismo como única via para salvar o país.

Foi esse panorama podre, dominado pelos complexos da revolução, que Cavaco Silva veio destruir, por obra e graça da vontade do povo português, abrindo o caminho para a sua social democracia.

E o povo, que é o mesmo, mas já cresceu, voltará a fazer o mesmo, assim que lhe derem oportunidade. Junte-se pois o PS e o PSD, façam lá os seus acordozinhos de salvação nacional, que a história há-de repetir-se. É preciso é que alguém a sabia ler. Sem pruridos ideológicos e, desta vez, sem a matriz social democrata que substituiu o socialismo no centralismo do bloco e onde residem, desta vez, as fontes do problema.

São rosas, senhor, são rosas

Suponho que as declarações da Ministra da Educação à TVI, numa verdadeira cruzada contra os chumbos, nada tenham que ver com a "melhoria significativa dos resultados" nas provas de aferição do 4.º e 6.º anos.

Certamente que as suas declarações de então, referindo que os chumbos só prejudicam as nossas estatísticas internacionais, que não ajudam os alunos, que o objectivo é proporcionar a todos a escolaridade básica e que os chumbos prejudicam este propósito, nada tem que ver com este verdadeiro milagre do ensino português.

quarta-feira, junho 18, 2008

Resultado irlandês (5)

É engraçado ver portugueses dizer que uns milhares de irlandeses não deveriam ter o poder de fazer cair um Tratado que, alegadamente, envolveu já a aprovação de uns quantos milhões de europeus.

Nem falando dos milhões que por essa fora votariam não, a somar aos milhares de irlandeses que o puderam fazer, a questão que me interessa colocar é antes a do valor de países pequenos, como o nosso, no âmbito desta especial teoria.

Para quê, por exemplo, ter representantes do Luxemburgo, da Holanda, de Portugal, da Bélgica, da Irlanda, do Chipre ou de Malta nas decisões europeias se, mesmo todos juntos, o seu resultado populacional não é suficiente para obstar ao que quer que seja que queiram os milhões de europeus?

Serviço Público

Fosse um velho senador da direita a entrevistar um ditador de direita e logo apareceria o coro do costume. Mas como a coisa se passa com Soares a tentar limpar a imagem de Chávez, à conta dos dinheiros públicos, a coisa passa bem, com ar pitoresco e com o encolher de ombros que Soares vem merecendo de há uns tempos para cá.

Teremos pois, segundo o Público, um programa de TV, na RTP, em que Mário Soares se propõe entrevistar figuras alegadamente de relevo. O primeiro entrevistado, e nestas coisas bem se sabe o peso do primeiro, é Hugo Chávez, que vai ser apresentado, segundo o jornal, como um homem "afável, conhecedor de poetas e filósofos, amante a Cristo, do socialismo, do progresso, da liberdade e da igualdade, com uma visão de uma América Latina unida à semelhança da União Europeia".

De acordo ainda com o Público, no programa, Soares apresenta Chávez como um "amigo dos pobres, uma pessoa que está ao lado dos desfavorecidos". E o tom da perguntinha, muito ao jeito de outros tempos em que as entrevistas eram guiões previsamente ensaiados, é sintomático: "Tem concorrido a inúmeras eleições e referendos, além disso existem partidos políticos na Venezuela - talvez até demais - quer da oposição quer favoráveis ao seu Governo e não consta que tenha havido presos políticos (...) por que é que lhe chamam ditador?".

E é para isto que serve o serviço público de televisão. Para "entrevistas" com propósito regenerador.

terça-feira, junho 17, 2008

A ler

Cato Institute: Giving the Fed New Powers Ignores History.
Like the child who murders his parents and then asks for pity because he's an orphan, the Federal Reserve has a long history of asking for more regulatory powers to clean up messes for which its action or inaction is the primary cause….
The history of banking in the United States and elsewhere does not show that the industry is beset by market failures that require regulatory intervention. To the contrary, almost every major crisis faced by the banking system has been the consequence of already-existing regulations, many of which came about as responses to previous crises caused by older regulations. Countries, like Canada, where some of the worst of these regulations were absent, have not had the same history of crises as has the United States. Perhaps this time we will learn from history and avoid a new regulatory regime that will create new threats to an already somewhat shaky U.S. financial system.

segunda-feira, junho 16, 2008

A sabedoria dos eleitores

Sempre que os resultados não correspondem ao que se espera, e no caso do referendo irlandês a coisa foi por demais evidente, há logo quem tente desvalorizar a escolha dos eleitores chamando a atenção para a sua falta de preparação para entender o que estava em cima da mesa.

Sem duvidar que a esmagadora maioria dos eleitores desconhece grande parte das opções políticas que pode assumir com o seu voto, e sem sequer referir que igualmente não duvido que a esmagadora maioria dos nossos parlamentares ande pelo mesmo caminho, a verdade é que esta questão não é nova e não se prende apenas com referendos, muito menos com referendos europeus.

Em eleições legislativas, como desde há muito se sabe, os eleitores também votam com base em percepções e preconceitos, o que inevitavelmente conduz os políticos à resposta a essas percepções e não à resposta aos problemas do país.

E portanto, se há que reflectir sobre a dimensão dos erros dos eleitores, e consequentemente dos eleitos, é bom que a coisa se faça a pretexto de dados concretos e abrangentes, com pressupostos científicos e documentados, e não a pretexto de ressabiamentos eleitorais.

Vale por isso a pena, por exemplo, regressar ao excelente The Myth of the Rational Voter de Bryan Caplan. Caplan estuda os quatro preconceitos recorrentes nos eleitores: tendemos a desvalorizar os benefícios do livre mercado (antimarket), a desconfiar da interacção com estrangeiros (antiforeign), a desvalorizar a performance da economia (pessimistic bias) e a preferir a criação à manutenção de postos de trabalho (make-work).

Sobre estes assuntos, e a propósito também das ideias de Caplan, veja-se por exemplo a interessante discussão no Cato Unbound.

Don’t wait till you get sick. No! No! No!

Desde há muito que, aqui no aAdF, tanto eu como o António vimos escrevendo sobre os perigos desta deriva estatal em busca do homem são e perfeito. E sempre que falamos do assunto, a propósito das várias proibições que por cá se vão fazendo a hábitos individuais ou dos incentivos que se vão concedendo para incentivar determinados comportamentos, somos apelidados de catastrofistas. Que não, que são medidas simbólicas, que apenas se está a tocar no essencial, que não há nenhuma deriva sanitária, que não que não que não.

Mas mesmo para esses descrentes da cavalgada estadual, nada como estar atento ao que por lá fora se já começa a fazer. Por exemplo, no Japão, ser gordo está quase a dar em ser criminoso:

Those exceeding government limits — 33.5 inches for men and 35.4 inches for women, which are identical to thresholds established in 2005 for Japan by the International Diabetes Federation as an easy guideline for identifying health risks — and having a weight-related ailment will be given dieting guidance if after three months they do not lose weight. If necessary, those people will be steered toward further re-education after six more months.

To reach its goals of shrinking the overweight population by 10 percent over the next
four years and 25 percent over the next seven years, the government will impose financial penalties on companies and local governments that fail to meet specific targets. The country’s Ministry of Health argues that the campaign will keep the spread of diseases like diabetes and strokes in check.

A ler

Environmentalists Pick Up Where Communists Left Off de Charles Krauthammer no townhall.com:
I’m not a global warming believer. I’m not a global warming denier. I’m a global warming agnostic who believes instinctively that it can’t be very good to pump lots of CO2 into the atmosphere, but is equally convinced that those who presume to know exactly where that leads are talking through their hats.
Predictions of catastrophe depend on models. Models depend on assumptions about complex planetary systems — from ocean currents to cloud formation — that no one fully understands. Which is why the models are inherently flawed and forever changing. The doomsday scenarios posit a cascade of events, each with a certain probability. The multiple improbability of their simultaneous occurrence renders all such predictions entirely speculative.(...)
So what does the global warming agnostic propose as an alternative? First, more research -- untainted and reliable -- to determine (a) whether the carbon footprint of man is or is not lost among the massive natural forces (from sunspot activity to ocean currents) that affect climate, and (b) if the human effect is indeed significant, whether the planetary climate system has the homeostatic mechanisms (like the feedback loops in the human body, for example) with which to compensate.

sábado, junho 14, 2008

Campaign for Liberty


Ron Paul's Campaign for Liberty

Civilization is a gradual process

Uma referência interessante a Portugal no LewRockwell.com — 'A Civilizing Port in a Storm' por Thomas Schmidt:
Another example is offered by the fortified wine industry of Portugal. Tawny ports are commonly sold as 10, 20, 30 and even 40-year-old blends of wines from different vintages. Even older are the Madeira wines, with some only drunk (and first drinkable!) more than 100 years after their creation. No one would work to create a Madeira if he expected that his great-grandchildren’s ownership of it might be terminated, and so the fact that we can continue to drink ancient Portuguese fortified wines today is testament to Portugal’s maintenance of civilization over the centuries (not coincidentally, Portugal managed to avoid the two World Wars.)

Short Selling

A propósito de 'FSA clamps down on short selling' (Financial Times), o Cato Podcast 'Naked Short Selling: A Phantom Shares Menace?' com J.B. Heaton.

sexta-feira, junho 13, 2008

Resultado irlandês (4)

Por que carga de água é que são os votantes do "não" a emperrar o que quer que seja? Por que é que não serão os votantes do "sim", precisamente, os que estão a emperrar uma melhor construção europeia?

Resultado irlandês (3)

Fala-se deste resultado, culpabilizando os irlandeses, como se apenas entre estes existisse um "não" maioritário. Mas a verdade é que, como se sabe, foi o medo de vários nãos maioritários que levou os eurocratas a descartar o referendo.

Resultado irlandês (2)

Esta vitória do não teria sido evitada, sem alterar uma linha do Tratado, se os cidadãos tivessem confiança no desconhecido. Se soubessem que os seus governantes, no âmbito europeu, tomam as melhores decisões. E é complicado que essa confiança possa sequer surgir com governantes que reconhecem não ter tido tempo de ler todo o Tratado e com governantes que, até mesmo contra promessas eleitorais, fugiram inexplicalmente do referendo a sete pés.

Resultado irlandês (1)

Ao invés de servir para demonstrar que a construção europeia deve ser acompanhada e partilhada pelos cidadãos, temo bem que os eurocratas retirem do resultado irlandês a convicção de que o essencial é, precisamente, impedir que estes cidadãos se aproximem sequer do que por estes vai sendo decidido.

Antes de eu ir para a praia, é o Não que está a ganhar

No camp has edge in Lisbon count:
Observers in Dublin say it looks like the No camp has the early edge in the Lisbon Treaty vote count.

No results have been officially released, but politicians in the Yes camp have been expressing concern about the outcome.

The No vote appears to be particularly strong in large urban areas like Cork and Dublin, but no clear pattern has emerged as yet.

Speaking at the Dublin count centre in the RDS, former Fine Gael leader Garrett Fitzgerald said the situation looked very uncertain, with a large divide between middle-class and working-class areas.

Labour Party TD Joan Burton, meanwhile, said it was looking like "quite a high No vote" in the capital.

quinta-feira, junho 12, 2008

Governanças

Como dele se espera que diga tudo e o seu contrário, sempre sem se rir, ainda vamos ouvir o primeiro ministro dizer que foi a firmeza do Governo que permitiu resolver os problemas causados pelos camionistas. Mas poucos acreditarão desta vez. E muitos, mesmo muitos, apenas se prepararam para, à sua maneira, ensaiar os seus bloqueiozinhos. Já se viu que o Governo não está numa de governar o país. Está num de se governar a si próprio. E à custa do país.

quarta-feira, junho 11, 2008

Estala o verniz

Nada como as notícias de um eventual chumbo irlandês do Tratado de Lisboa para saber ao certo a profundidade do sentido democrático de uns quantos paladinos da construção europeia. O que nos deveria deixar a pensar no que fazem esses senhores durante o resto do tempo em que governam os assuntos internos.

Serviço Público

Uma pessoa vê o noticiário da RTP e percebe que o governo não está no seu melhor. A ausência de notícias e a total rendição ao futebol mostram que estamos num país em que não pode falar-se do governo. Se acaso o governo estivesse de boa saúde, teríamos os noticiários da RTP a alardear que se recusavam a entrar na onda do europeu e que levavam muito a sério a misão de serviço público e que portanto se dedicavam às notícias verdadeiramente importantes. Pois.

365º

Durante anos, com algum gozo, ouvimos os socialistas falar do bloqueio na ponte como o ponto de viragem do eleitorado rumo ao PS de Guterres. E a coisa andou, andou, passaram anos e tal. E tudo se prepara para voltar ao ponto em que começou.

sábado, junho 07, 2008

true conquests of the Enlightenment

Papal Speech to Southeast Asian Bishops - "If the Faith Is to Flourish ... It Needs to Strike Deep Roots":
.... by "speaking the truth in love" (Eph 4:15) you can help your fellow citizens to distinguish the wheat of the Gospel from the chaff of materialism and relativism. You can help them to respond to the urgent challenges posed by the Enlightenment, familiar to Western Christianity for over two centuries, but only now beginning to have a significant impact upon other parts of the world. While resisting the "dictatorship of positivist reason" that tries to exclude God from public discourse, we should welcome the "true conquests of the Enlightenment" – especially the stress on human rights and the freedom of religion and its practice ....

War is endemic


( via Palavras de Ursa )

quinta-feira, junho 05, 2008

Proibições

Em França, pelos vistos, o Ministério Público acha que ninguém pode ter a virgindade como critério determinante na escolha do futuro marido/mulher. No fundo, parece achar que a estupidez deve ser proibida. Mas se assim é, o Ministério Público francês deveria ser proibido.

Convites

Foi engraçado ver Helena Roseta dizer não tinham sido dirigidos quaisquer convites pessoais para justificar o facto de ninguém da direcção do PS ter sido convidado para estar na tal festa das esquerdas e mais não sei o quê do Alegre ao mesmo tempo que Ana Benavente se sentava numa cadeirinha que dizia "reservado".

Equivalências morais

Acabo de ler, no Público, o verdadeiramente lamentável artigo de Fernando Nobre, presidente da Assistência Médica Internacional, sobre a situação na Birmânia. Lamentável não pela descrição que faz do regime que governa a Birmânia (que ele curiosamente chama de Myanmar), a quem se atira violentamente, mas pela equivalência moral a que sujeita o Ocidente a tal regime.

De acordo com Fernando Nobre, o Ocidente (esse maravilhoso conceito) já não tem muita idoneidade para falar de democracia e de direitos humanos ao governo birmanês. Parece que estamos muito enfraquecidos depois da guerra do Iraque ou de Guantánamo. E assim, numa penada, o Ocidente (repito, esse maravilhoso conceito que para tudo serve) não pode falar de democracia e direitos humanos a um regime que, segundo o mesmo Fernando Nobre, se está nas tintas para o seu povo. E está mesmo, como se sabe.

Não está em causa a denúncia de ataques aos direitos humanos onde quer que estes se encontrem. Está, isso sim, esta intolerável vertigem de culpar o Ocidente pelos erros que comete e de, nessa culpa, o equivaler aos mais violentos regimes que o planeta conhece. E é nestas equivalências que vemos a face dos que, afinal de contas, se esquecem dos valores em que vivem.

segunda-feira, junho 02, 2008

PSD (19)

Dificilmente poderia o PSD "credível" ter arranjado melhor presidente. Respeitada, conhecida, com trabalho e resultados, congregadora de figuras credíveis, com experiência, dedicada e, sobretudo, com uma noção precisa da política como serviço público. É por isso mesmo que a liderança de Ferreira Leite, enquanto momento decisivo, vai ser muito interessante de acompanhar.

PSD (18)

A vitória de Manuela Ferreira Leite, pela margem que alcançou, não faz desconsiderar todos aqueles que alertaram para a existência de tendências incompatíveis dentro do PSD, capaz de fazer perigar a sua identidade partidária tal qual a vinhamos conhecendo. Antes pelo contrário, a margem alcançada, legitimadora claro, faz realçar essa realidade indesmentível.

Cabe agora a Manuela Ferreira Leite a tarefa de colocar as tropas em sentido, num único sentido. Claro que haverá quem lhe dificulte a tarefa. Mas a verdade é que, nestas coisas, é o líder, sempre o líder, a ter que manifestar a força necessária. Se Manuela Ferreira Leite não conseguir, conseguirá alguém?

domingo, junho 01, 2008

Some convenient facts


Global Warming: Some Convenient Facts (Cato Institute May 7, 2007)

Climate and Herding

"Climate and Herding" de Robert Prechter no Socionomics.net:
.... evidence exists that there are climatic cycles millennia long and that there were rapid temperature changes in short periods of time prior to the Industrial Revolution. Perhaps it has not made it into scientific journals yet, but from what I read about ongoing research and theory-building, I expect that it will. It takes time to mount a defense to initially accepted theories. Building a credible case for why temperature can move up and down over 30 years whether man is present or not takes time. The Efficient Market Hypothesis survived unchallenged at the academic level for 20 years, and after 40 years it is still the dominant theory, awaiting a replacement. We don’t know whether our socionomic theory of finance will help boot the Efficient Market Hypothesis into the closet of formerly accepted theories, but we hope so.

[ não é que eu veja grande racionalidade na teoria Socionomics, mas o argumento está bem feito ]