terça-feira, março 31, 2009

Pergunta do dia

Para que é que o PS quer transformar estas eleições num debate sobre a Europa se o seu cabeça de lista por diversas vezes decalrou os portugueses inaptos para referendar um Tratado que mais não passava de uma Constituição Europeia?

Novos blogues

Entes estranhos

O processo Freeport tem entes estranhos a mais. Entes estranhos que pressionam para arquivar. Entres estranhos que pressionam para avançar. Entes estranhos que procuram ilibar. Entes estranhos que procuram comprometer.

Perante isto, o Procurador Geral da República não pode senão vir colocar ordem no caos: identificar as pressões e alinhar a investigação. Sem esta identificação, a que os portugueses têm direito a partir do momento em que o primeiro-ministro de um país desconfia do próprio Estado de Direito, não há arquivamento possível. Nem acusação.

120 anos

segunda-feira, março 30, 2009

For Liberty Trailer


For Liberty Trailer - Let It Not Be Said We Did Nothing

Ocupação estrangeira

"Imagine" por Ron Paul:
Imagine for a moment that somewhere in the middle of Texas there was a large foreign military base, say Chinese or Russian. Imagine that thousands of armed foreign troops were constantly patrolling American streets in military vehicles. Imagine they were here under the auspices of “keeping us safe” or “promoting democracy” or “protecting their strategic interests.”
Imagine if some Americans were so angry about them being in Texas that they actually joined together to fight them off .... Imagine that the occupiers’ attitude was that if they just killed enough Americans, the resistance would stop, but instead, for every American killed, ten more would take up arms against them, resulting in perpetual bloodshed ....

a função das falências

"Bankruptcy, Not Bailout" por Newt Gingrich:
A company that needs a $170 billion taxpayer bailout is a failed company. The executives that led that company are failed executives. But instead of having to face the consequences of their failure responsibly through bankruptcy or receivership, AIG and its Wall Street “counterparties” are being rewarded for their recklessness -- with our money.

"Bankruptcy is Economic Stimulus" por Ron Paul:
A company operating at a loss is therefore an engine of wealth destruction. Bankruptcies are a net positive for the economy because more productive competitors are rewarded by opportunities to buy up remaining assets at bargain prices to strengthen their operations. In an economy that allows this kind of growth and change, any jobs lost by bankruptcy are soon replaced by new ones as the most efficiently managed businesses gain access to more assets and expand.

Bankruptcy was the stimulus that we needed in the case of AIG. More bankruptcies would clean out malinvested resources and enable economic growth again.

Devalued

It's 'Conceivable' for UK to Ask for IMF Aid: Soros (CNBC):
George Soros said on Saturday that Britain's first failed government bond auction since 2002 was just "a blip" but it was conceivable that Britain might end up seeking help from the International Monetary Fund (IMF).

Sempre recomendável, a sessão de limpeza do chão do Parlamento Europeu aplicada a Gordon Brown por Daniel Hannan:

domingo, março 29, 2009

fine-tuning e bolhas

Via O Insurgente — "Os “destabilizadores” centrais (2)" &msdash; "Federal Reserve should resist tinkering" de George Selgin:
Why did mortgage lenders earlier this decade start showering credit as if it were spewing from a public fountain? The answer is that credit was spewing from a public fountain – and that fountain was the Fed ....

The general aim of these cuts was to keep a mild growth slowdown from getting worse. But they had the quite unintended effect of generating euphoria in the mortgage market by flooding it with funds. Lenders dramatically lowered mortgage rates and kissed old-fashioned lending standards goodbye ....
.... fine-tuning often ends up promoting business cycles instead of dampening them.

New Deal à espanhola

Em tempos de crise, os sindicatos espanhóis exigem uma jornada laboral mais curta, cantando um amanhã de quatro dias de trabalho por semana. A lógica é de racionamento. Não há trabalho para todos e, para evitar despedimentos, há que distribuir o trabalho que há de forma mais equitativa - obrigado toda a Economia a trabalhar menos, pagando os mesmos salários nominais.

Dito de outra forma, para uma produção que será necessariamente menor — toda a contribuição acima das 35 horas / 4 dias perder-se-á —, manter a mesma estrutura de custos absolutos. A Economia espanhola passará a ser mais "justa" mas menos competitiva, há que não ceder ao neoliberalismo selvagem. E mais empresas estarão à beira da rotura, mais trabalhos estarão em perigo de se perder, mais 'planeamento laboral' à escala nacional será necessário. Muito apropriado — New Dead por supuesto.
###
Recordando con añoranza a Roosevelt y abogando por un nuevo "New Deal", los sindicatos Europeos han convocado movilizaciones por toda la unión. La primera cita es en Madrid ....
El último en pronunciarse sobre la problemática del empleo ha sido el Secretario General de UGT, Cándido Méndez ....
Méndez, que prepara el congreso de UGT que tendrá lugar la próxima semana y que le reelegirá de nuevo como secretario general para un quinto mandato, ha explicado la estrategia de su organización de cara a la recesión que afronta nuestra economía.

Su principal reivindicación, además de la reducción de la jornada laboral a las 35 horas semanales, será la conciliación de la vida familiar y laboral. Otra de sus reivindicaciones estrella será implantar "una jornada laboral semanal de cuatro días". "Es el objetivo que perseguimos" y que "está dentro de la estrategia de la reducción de la jornada laboral y de avanzar en la conciliación".

The world owes us a living

Socialismo em cartoons: em tempos de crise, anteriores a uma crise, e posteriores a uma crise, proclamar que alguém está obrigado a sustentar-nos.


Walt Disney, The Grasshopper and the Ants

what it is is what you get

Hoje que é domingo, um pouco do Sermão da Montanha (Mateus 7, 17-20):
16 Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?
17 Assim, toda árvore boa produz bons frutos; porém a árvore má produz frutos maus.
18 Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má dar frutos bons.
19 Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo.
20 Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.

sábado, março 28, 2009

South Park : Margaritaville

Southpark Season 10 Episode 3, "Margaritaville", deliciosa a dupla paródia a Obama:
Randy steps forward with a solution to fix the desperate state of the economy.

###



Episodio completo:

parte 1 | parte 2 | parte 3

El Informe Recarte (2)

No seguimento da cobertura do documento Informe Recarte 2009, notável pela sua análise despudorada da Economia espanhola, e exemplar dado que o mesmo não se faz por Portugal, apresenta-se três vídeos da Libertad Digital TV:

Via El informe Recarte, 3 videos magistrales (Mariano Digital):


parte 1 | parte 2 | parte 3 | parte 4 | parte 5

sexta-feira, março 27, 2009

Lula: os business cycles têm origem genética

"Brazil President Blames 'White People' for Crisis" (CNBC):
Brazil's president blamed "white people with blue eyes" for the world economic crisis and said it was wrong that developing countries should pay for mistakes made in richer countries, sparking accusations of racism.
"This crisis was caused by the irrational behavior of white people with blue eyes, who thought they knew everything and now show they know nothing," Lula da Silva said after a meeting with the UK Prime Minister Gordon Brown in the country's capital of Brasilia.

quinta-feira, março 26, 2009

música para Obama


http://www.youtube.com/watch?v=PqwFfGgLPzM
Czech Leader: U.S. Recovery Plan Is 'Way To Hell'

El Informe Recarte

El Informe Recarte 2009, un libro para entender la crisis:
A finales de marzo llega a las librerías "El Informe Recarte 2009. La economía española y la crisis internacional" de la mano de La Esfera de los Libros. El libro amplía el exitoso estudio iniciado en Libertad Digital. El lector sabrá qué y a quién hay que vigilar en el escenario de la crisis.

Éxito en la presentación de el informe Recarte 2009:
El economista Juan Velarde, premio Príncipe de Asturias de Economía y catedrático emérito de la Universidad Complutense de Madrid y de San Pablo CEU .... ha indicado que en El Informe Recarte "subyace una vinculación clara con la escuela austriaca de economía cuando critica la política monetaria de Alan Greenspan al frente de la Reserva Federal de EEUU"

Aqui em PDF - em breve, review no A Arte da Fuga.

Bubble making

"Problemas ficticios" por Thomas Sowell no Libertad Digital:
El problema del precio astronómico de la vivienda era real en ciertos lugares. Pero casi sin excepción esos problemas locales tenían sus causas locales (por ejemplo, las restricciones a la construcción de nueva vivienda bajo eufemismos como "espacios verdes", "crecimiento sostenible", "protección medioambiental" o "conservación del territorio para las próximas generaciones").
Es decir, allí donde el problema era real, los políticos del lugar eran la causa y los nacionales poco tenían que arreglar. ¿Cómo quisieron, sin embargo, solucionarlo? Pues obligando a los bancos y demás entidades de crédito a rebajar sus estándares para conceder hipotecas de manera que más gente pudiera adquirir viviendas. Así, por ejemplo, el Departamento de Vivienda asignó ciertos porcentajes que debía adquirir anualmente Fannie Mae de hipotecas concedidas a gente de baja renta.

Directos para o sapatinho

Pride and Predator to give Jane Austen an extreme makeoverPride and Prejudice and Zombies

quarta-feira, março 25, 2009

Xenófobos são os outros

Vale a pena passar por este post do Vasco Campilho a propósito do Anúncio da Antena 1 alternativo criado pelo Bloco de Esquerda, não só mas sobretudo pelos comentários que por lá se vão deixando e que evidenciam a manifesta incompatibilidade entre uma doutrina internacionalista e um discurso adverso às deslocalizações.

Alarido

O Henrique Raposo e o Rui Ramos fundaram o Clube das Repúblicas Mortas. E ainda bem.

terça-feira, março 24, 2009

honourable men

mais sobre virtudes

Eis um escrito de Benjamin Franklin:
It was about this time I conceiv'd the bold and arduous project of arriving at moral perfection. I wish'd to live without committing any fault at any time; I would conquer all that either natural inclination, custom, or company might lead me into ....

.... and I included under thirteen names of virtues all that at that time occurr'd to me as necessary or desirable, and annexed to each a short precept, which fully express'd the extent I gave to its meaning.
12. HUMILITY. Imitate Jesus and Socrates.

A virtude segundo Vital

Hoje no Público para-assinantes escreve Vital Moreira ("A viragem"):
"É num mix de liberdade e de solidariedade, de concorrência e de igualdade, de mercado e de Estado que reside a virtude"

Um dia o nosso querido primeiro-ministro disse que era o Estado que concedia a liberdade, e - suponho eu - todas as benesses que podem ser gozadas quando não há Estado a tomar as decisões por nós.

Não tenho dúvidas que VM considera que cabe ao Estado o dever de determinar qual é o tal mix alquímico pelo qual a Nação ser tornará virtuosa. Sem meios termos de "liberdade", "concorrência" ou "mercado". Será uma árvore que dará bons frutos.

a gang of thieves writ large

"Geithner Plan Will Rob US Taxpayers: Stiglitz" (CNBC):
The U.S. government is basically using the taxpayer to guarantee against downside risk on the value of these assets, while giving the upside, or potential profits, to private investors, he said.

"Quite frankly, this amounts to robbery of the American people. I don't think it's going to work because I think there'll be a lot of anger about putting the losses so much on the shoulder of the American taxpayer."

Asesino

Via ABC do PPM:


Benicio del Toro se queda sin respuestas

Porque não um livro de reclamações?

Um provedor de justiça escolhido e nomeado desta forma, seja ele quem for e reúna as competências que reunir, não serve para quase nada e pode facilmente ser substituído por qualquer livro de reclamações.

Porque um Provedor de Justiça, que dê voz aos cidadãos e incomode, pelos seus direitos, os poderes instituídos, não pode depender da partidocracia reinante, dos amuos dos líderes parlamentares nem do deve e haver de lugares por nomeação.

De certa forma, esta triste novela permitiu demonstrar que a legitimidade e o alcance do Provedor de Justiça estão drasticamente reduzidos à partida: elas dependem, afinal, de arranjos e conveniências e pactos e toma lá dá cás. Para um Provedor de Justiça não está nada mau...

Parece-me um excelente pretexto para reformar a instituição, de alto abaixo. mas não tenho ilusões. Com mais ou menos amuos, nenhum dos partidos está disposto a prescindir de mais um lugar para reformar amigos.

segunda-feira, março 23, 2009

el libro del momento

"La Biblia ultraliberal" (Libertad Digital) de José Carlos Rodríguez
.... una novela, La Rebelión de Atlas, que se editó en 2003 en español en 1.104 páginas. Fue escrita en 1957, y en estos más de cincuenta años jamás se habían vendido más ejemplares que los que se venden ahora... cuando estamos en plena crisis económica, y cuando los valores descritos en esa novela han encontrado en Barack Obama un defensor de dimensiones titánicas, mitad hombre mitad dios, dueño de una retórica brillante que codifica esencialmente esa filosofía antiindividualista, antiliberal, que condena el beneficio privado como causa de todos nuestros males y llama al socialismo, sin mentarlo por su nombre, como única solución.

The Atlas Shrugged Index

"Atlas felt a sense of déjà vu" (The Economist):
Whenever governments intervene in the market, in short, readers rush to buy Rand’s book. Why? The reason is explained by the name of a recently formed group on Facebook, the world’s biggest social-networking site: “Read the news today? It’s like ‘Atlas Shrugged’ is happening in real life”. The group, and an expanding chorus of fretful bloggers, reckon that life is imitating art.

enormes desequilibrios

"¿Por qué el euro ha perjudicado a la economía española?" (Libertad Digital)
El excesivo endeudamiento de las familias y empresas, la burbuja inmobiliaria que ha sufrido España durante los últimos 10 años y la extensión del crédito, se han visto impulsados por la pertenencia de España a la Unión Monetaria. El milagro económico español de la última década se ha desarrollado con “enormes desequilibrios”, según advierte Alberto Recarte. La aplicación tipos de interés muy bajos por parte del Banco Centra Europeo (BCE), que marca un indicador clave como es el precio del dinero, ha fomentado el endeudamiento de los españoles, uno de los más altos del mundo en la actualidad.

A Espanha tanto "beneficiou" dos "almoços grátis" do BCE que agora está a braços com uma forte indigestão económica. Parece intuitivo. Pergunta-se porque não se critica o Fed quando fez exactamente o mesmo nos EUA.

la libertad y el mercado o se asisten mutuamente o se hunden juntos

"Libertad y mercado" de Federico Jiménez Losantos:
Krugman, uno de tantos progres que se niegan a aprender de sus derrotas –el negocio de la progresía es ese: la negación del principio de realidad económica o política y la afirmación del principio del placer de sentirse superiores moralmente a los demás- ha llegado a España, cuya economía dice que le aterra, de la mano del terrorífico Zapatero. A tal señor, tal honor. Y critica a su adorado Obama por la misma razón de fondo por la que critica los diez años de Depresión tras 1929: porque el New Deal rooseveltiano no se atrevió "a ir hasta el final" en su intervencionismo. Lo hicieron soviéticos, fascistas, nazis y demás depredadores de la libertad social y defensores de la idolatría del Estado. De eso no hablan los progres, pero en última instancia lo que se critica en Roosevelt es lo que define a keynesianos a lo Krugman: nunca se atreven a llevar hasta el final su ataque al libre mercado: son totalitarios pero sin valor para reconocerlo, una cobardía subvencionada respetuosamente por los liberales de boquilla, que suelen ser tan intervencionistas como todos los políticos de cualquier condición. Y si hay algo clarísimo es que el proteccionismo da más poder al Poder y quita poder al ciudadano. Por eso la libertad y el mercado o se asisten mutuamente o se hunden juntos.

AS/DS (2)

Há um tempo AS (antes de Sócrates) e um tempo DS (depois de Sócrates).

Nos tempos AS, as eleições europeias serviam, e muito bem, e com toda a propriedade, para lançar cartões amarelos ao Governo. Nos tempos DS, as eleições europeias servem para discutir as questões europeias, mesmo que os seus protagonistas tenham alegado a ignorância dos eleitores para recusar referendos .

domingo, março 22, 2009

Marionettes


Eric Fonseca - Funeral March for a Marionette

Dias da Música dedicada ao legado do mestre Bach


E eu enfiado em Barcelona onde não se passa nada...

casamento pelo e com o Estado

"Venezuela vai legalizar os casamentos de homossexuais" no Público:
O projecto em fase final de discussão prevê que duas pessoas do mesmo sexo possam unir-se legalmente e que isso tenha efeitos jurídicos, desde logo patrimoniais.


Por muito que eu concorde com a medida, dificilmente encontraria um melhor de Reductio ad absurdum da esquizofrenia do esquerdismo radical "liberal". Ou, para não ser injusto, da irracionalidade de ver a política como uma eterna luta esquerda-direita.

Por um lado, não há nada a objectar que adultos vejam as suas "associações de convivências" reconhecidas pelo Estado.

Acontece que estamos a falar da Venezuela e de um regime com atroz registo de respeito pela liberdade "económica". Que património podem estas pessoas partilhar na sua nova condição legal?

Não faltarão vozes contra, vindos de sectores socialmente mais conservadores da sociedade. E assistiremos ao inverso: gente que levanta a bandeira da liberdade "económica" mas que condescende que o Estado sufoque toda a manifestação social que não se ajuste ao seu cânone.

Aqui, como em muitos outros aspectos políticos, a separação entre "liberdade social" e "liberdade económica" é absurda e imoral.

Peter Schiff is right

Altamente recomendado: "104. Peter Schiff: Why Was Anyone Surprised By the Crash?", podcast de Peter Schiff no LewRockwell.com podcast.

quinta-feira, março 19, 2009

Para os que não acreditam em bruxas

uma espreitadela aqui depois de passar por aqui.

Casa de ferreiro

Um relatório do organismo do Conselho Europeu contra a tortura traça, mais uma vez, um retrato negro das nossas esquadras e prisões. Há tortura, há agressões, há humilhações. Enfim, devemos ter concessionado as esquadras e as prisões aos americanos. E os polícias e guardas são todos luso-americanos de certeza.

Tratar a doença com a doença

É evidente que não pode noticiar-se, como faz o Público, e clama o Governo, que as famílias com desempregados vão ter redução de 50 por cento na prestação da casa, porquanto essa redução, como posteriormente o Público esclareceu, mais não é do que uma moratória que pode, eventualmente, no seu termo, trazer ainda mais custos para as famílias.

Mas é igualmente evidente que o Governo parece ainda não ter percebido o contributo que as políticas de incentivo ao crédito tiveram na crise em que vivemos, de tal forma que, ao invés de procurar encontrar mecanismos de rede social que protejam os mais desfavorecidos, dá claros sinais de que o crédito é para usar e abusar e só perceber as consequências mais tarde.

O que é que vai acontecer em 2011, se a crise não passar, ou se as famílias ainda não tiverem conseguido encontrar o equilíbrio necessário depois da ajudinha ao desequilíbrio?

quarta-feira, março 18, 2009

Contentor de Barcelos

Se um conhecido e reconhecido militante anti-discriminação racial esmaga um homem de raça diferente apenas pela cor da sua pele enquanto clama que seria incapaz de o fazer, o que é que conta, efectivamente, para avaliarmos o que ali se passa?

O facto de ele ser um conhecido e reconhecido militante anti-discriminação racial, logo alguém incapaz de discriminar? O facto de ele clamar, em directo e a cores, que jamais esmagaria alguém de raça diferente apenas pela cor da sua pele? Ou o facto de ele efectivamente estar a esmagar alguém de raça diferente apenas pela cor da sua pele?

Para aqueles que se revoltam com a discriminação, o que ali conta é, evidentemente, a acção do militante, independentemente do seu reconhecimento social ou do seu discurso. Para aqueles que utilizam a discriminação como arma política, o que ali conta dependerá sempre do quem. Se o quem for dos deles, é um mero acaso que precisa de ser esclarecido. Se o quem for dos outros, estamos perante uma catástrofe civilizacional.

Quartel de Abrantes

Pedro Passos Coelho faz oposição a Manuela Ferreira Leite, tal como Manuela Ferreira Leite fez oposição a Menezes e a Santana, mesmo quando este último era Primeiro-ministro de Portugal: mostrando discordância, mais ou menos subtilmente. Conta, para isso, é certo, com uma agradável cobertura jornalística, tal como Manuela Ferreira Leite contou, por exemplo, quando foi necessário dar cabo da moeda má.

Não há novidades aqui, excepto para aqueles que se indignam selectivamente.

terça-feira, março 17, 2009

Mudança de casa

O lóbi do chá é um dos melhores blogues que por aí anda. Não é por ser amigo do JCS que o digo, já que tenho muitos amigos na blogosfera com blogues que não interessam ao menino jesus e não me dou ao trabalho de lhes fornecer epítetos elogiosos. É mesmo bom, e é pena que a blogosfera se perca tantas vezes nas guerrilhas de bairro e deixe escapar blogues assim. Mudou de casa o lóbi. Entrem, que vale a pena.

Prioridades

Vale muito a pena passar pelos lavores do Ministro Rui Pereira e de vários dos seus dependentes, todos em comentário, a tentar explicar um caricato episódio. Não pelo que por lá se diz. Mas pelo tempo que por lá se perde.

AS/DS (1)

Há um tempo AS (antes de Sócrates) e um tempo DS (depois de Sócrates).

Nos anos AS, os sindicatos, mesmo com o apoio do PS, pugnavam pelos direitos dos trabalhadores e exigiam uma justa revogação do Código Laboral. Nos anos DS, os sindicatos estão ao serviço de interesses partidários e exigem uma injusta revogação do Código Laboral.

Nos anos AS, as pressões sobre a comunicação social eram intoleráveis e sintoma de pouca democraticidade. Nos anos DS, as pressões sobre a comunicação social têm o nome de regulação e a missão de acabar com o jornalismo de sarjeta.

Nos anos AS, o desemprego é sinal de alarme social. Nos anos DS, o desemprego é para ser encarado com optimismo.

segunda-feira, março 16, 2009

Momento Intimista do Dia

Depois da doença, uma semana de férias na neve. Com Sol. Muito Sol. Sinto-me o astro rei, a expulsar calor por todos os poros. E ainda bem, que a gripe me tinha deixado com ar de peixe estragado. Este blogue recomeça aqui.

domingo, março 08, 2009

End the Fed’s Secretiveness

End the Fed's Secretiveness by Ron Paul:
Since its inception, the Federal Reserve has always operated in the shadows, without sufficient scrutiny or oversight of its operations. While the conventional excuse is that this is intended to reduce the Fed's susceptibility to political pressures, the reality is that the Fed acts as a foil for the government. Whenever you question the Fed about the strength of the dollar, they will refer you to the Treasury, and vice versa. The Federal Reserve has, on the one hand, many of the privileges of government agencies, while retaining benefits of private organizations, such as being insulated from Freedom of Information Act requests.

Obama Declares War on Investors, Entrepreneurs, Businesses, And More

"Obama Declares War on Investors, Entrepreneurs, Businesses, And More" by Larry Kudlow (CNBC)
He is declaring war on investors, entrepreneurs, small businesses, large corporations, and private-equity and venture-capital funds.

That is the meaning of his anti-growth tax-hike proposals, which make absolutely no sense at all — either for this recession or from the standpoint of expanding our economy’s long-run potential to grow.

Is government encouraging fraud and excessive risk?


Stop the Bailouts

sexta-feira, março 06, 2009

Momento Intimista do Dia

Depois do Carnaval, a febre, a gripe, a tosse, o corpo dorido, a garganta a arranhar, os antibióticos, as fraquezas, as noites em branco, os dias em estado vegetativo. Foi uma semana dos diabos, como se pode constatar pela ausência de sinais vitais deste blogue. Adiante.