quarta-feira, Setembro 30, 2009

que enrolem a lei em bichas de rabiar e a arrumem bem arrumadinha

Este último fim-de-semana foi o apogeu das Festas da Mercé em Barcelona, uma semana em que as praças e ruas da cidade são invadidas de uma imensa algazarra - música, dança, artes de rua, provas gastronómicas, copofonia selvagem - a Barcelona imprópria para turistas-parc-guell.

Destacam-se os castellers (castelos humanos), o fogo de artifício na Plaza de Espanya, e o grande Correfoc, uma arruada demoníaca de monstros de gesso pintados de cores infernais, tambores, chuveiros de faíscas. A procissão é absolutamente anárquica, com gente a dançar freneticamente no meio do fogo preso e das girandolas durante bem mais de uma hora. E no fim, pela meia-noite, os bombeiros dão um banho à malta já ensopada de Estrella Damm, ou das zurrapas vendidas pelos filipinos.


Correfoc 2008


Da primeira vez que assisti ao evento, há dois anos, estava com amigos americanos que comentaram que aquilo nunca poderia acontecer nos Estados Unidos, porque estava à vista que era perigoso. E é — o ano passado [fotos acima] uma faúlha fez-me ecom um buraco na minha t-shirt velha. E lá respondi que os americanos não sabiam, mas viviam num país nannystatista, infestado de legisladores que retiram prazer fascista em estragar o gozo dos outros.

Ora nem de propósito os hijoputas da União Europeia [entenda-se: "hijoputas" para não lhes chamar "bastardos"] decidem disciplinar as festas com fogo, o que obviamente elevará todo e qualquer correfoc à excitação de um dia de fim-de-semana chuvoso em Bruxelas.

Forbidden fireworks - Is the corre foc'd?
June marks the beginning of Catalunya’s festa season .... A festa without fire here, and indeed anywhere along the Iberian Mediterranean belt, would be like Christmas without the fairy lights. But a new EU law, which, amongst other things will restrict the use and location of pyrotechnics, may throw cold water on some of Spain’s cherished cultural traditions.

El ‘correfoc’ abarrota el centro con un récord de 70.000 personas:
Será por las ganas de divertirse de la gente en esta época de crisis o por el rechazo que genera que la Unión Europea quiera imponer alguna enmienda a las fiestas con fuego, lo cierto es que 70.000 personas se citaron a lo largo del recorrido, pulverizando las marcas de los últimos años que se habían estabilizado alrededor de las 50.000 personas.

Relatório Goldstone

U.N. Face Off: Goldstone Accused by Israeli Rocket Victim:
Geneva, September 29, 2009 - The U.N. Human Rights Council plenary witnessed a dramatic face-off today when the head of its controversial "fact-finding" mission on Gaza -- in which Israel was declared guilty from the start -- was unexpectedly confronted by one of his own witnesses.
Judge Goldstone, in a 500-page report, why did you completely ignore my story? My name appears only in passing, in brackets, in a technical context.

I feel humiliated.

Why are there only two pages about Israeli victims like me, who suffered thousands of rockets over eight years?

Why did you choose to focus on the period of my country's response, but not on that of the attacks that caused it?

Speak softly and carry a big stick


The letter in which Roosevelt first used his now famous phrase

A Oposição sou eu

Destinatários:

- o aparelho do PS;
- as centrais de comunicação por ele controlado;
- os meios de comunicação obedientes à voz do dono;
- os serviços de segurança e informação do Estado;
- o comandante-em-chefe desta gente.

segunda-feira, Setembro 28, 2009

Um brinde ao novo Governo! (2)

Na sequência de Um brinde ao novo Governo!


swamp thing ( the Grid)

um pouco de voz da razão

"País endoidou e a Nação está doente"Jardim comentou desta forma o resultado eleitoral:
Alberto João Jardim afirmou hoje que os resultados das eleições legislativas nacionais demonstram que "neste momento Portugal está sob um pesadelo" e que "o país endoidou e a Nação está doente". O líder do PSD-M e cabeça-de-lista à Assembleia da República comentava a vitória o PS a nível nacional.

"Portugal está neste momento sob um pesadelo. Há qualquer coisa de errado neste país. Depois do que foram estes quatro anos de governação de Sócrates e todos os sarilhos em que o primeiro-ministro de um país foi exímio em estar metido, haver um resultado em que ainda lhe dá uma maioria relativa, embora inferior ao número da abstenção nacional, isto significa que o país endoidou", declarou Jardim.

saudações ao próximo primeiro-ministro de Portugal

domingo, Setembro 27, 2009

Obama's attack dogs & the race card

Angry right wing protests towards Barack Obama are racist, says Carter:
THE former US president Jimmy Carter believes racism is behind the anger being directing towards Barack Obama, the nation's first black president, and that it was ''abominable''.
Obama: racism not at root of criticism:
US President Barack Obama does not think racism is "the overriding issue" in the fierce debate on health care, but said in interviews to be aired Sunday that tempers were rising over the proper role of government.

sexta-feira, Setembro 25, 2009

yeah yeah peak oil

Envion Oil Generator turns plastic waste into oil

Envion Demo from EnvionDemo on Vimeo.

Dambisa Moyo

Cut Off Aid to Africa
Moyo's arguments are based on basic, even well-known, facts: Europe and the US have sent billions in aid to horrible regimes. Corrupt leaders have seen way more cash than needy citizens. Endless loans left the continent with crippling debt. And most of Africa is actually poorer today than it was a few decades ago, when aid dollars began to increase.
Furthermore, she doesn't condemn all aid, just that to governments. Nor has she proposed to end aid to Africa in five years, as many critics believe. Rather, Moyo wants the world to taper off financial assistance to African governments, as quickly as possible, and replace it with direct investment. She wants foreigners to see Africa as an opportunity not a basket case. And she points to the fact that a number of African economies have actually grown in the past year, even as the global economy contracted.


CBC: Dambisa Moyo on her vision for Africa & what's wrong with aid


Inside Look - The Anti-Bono - Bloomberg

políticos portugueses - todos à esquerda dos 90%


###

Video Games and the Uncanny Valley

Autonomy

segunda-feira, Setembro 21, 2009

The Story of My Shoe

The Story of My Shoe por Muntadhar al-Zaidi:
I didn’t do this so my name would enter history or for material gains. All I wanted was to defend my country, and that is a legitimate cause confirmed by international laws and divine rights. I wanted to defend a country, an ancient civilization that has been desecrated, and I am sure that history — especially in America — will state how the American occupation was able to subjugate Iraq and Iraqis, until its submission.
And, lastly, I say that I am independent. I am not a member of any politicalparty, something that was said during torture — one time that I’m far-right, another that I’m a leftist. I am independent of any political party, and my future efforts will be in civil service to my people and to any who need it, without waging any political wars, as some said that I would.

domingo, Setembro 20, 2009

just because we vote to steal from somebody doesn’t make it right

Liberty and the Failures of Government" por Walter E. Williams:
We as moral people, we cannot allow legality alone to be our talisman, because many things in this world are or were legal but clearly immoral. That is, slavery was legal, but did that make it moral? Apartheid in South Africa was legal, that did not make it moral. Or the Nazi persecution of Jews; the Stalinist purges; they were all legal but clearly immoral.

That is, you and I as Americans we need to ask the question is there a moral basis of taking the property of one person and giving it to another to whom it does not belong. It turns that that is 3/4 or at least 2/3 of what the Federal government spends money on. If you look at the expenditures of our government, most of them consist of nothing more than legalized theft.

A lot of people will say to me, “Well, Williams, all these things you disagree with, they are a result of the fact that we have democracy and majority rules.” Well, first of all, I try to tell the person that the framers did not intend for it to be a democracy. It was to be a republic. The more important thing is that just because we vote to steal from somebody doesn’t make it right.

Eleger um Governo da cor política que se queira, desde que seja socialista


Bunch of Socialists

domingo, Setembro 13, 2009

Fedstitutes

Priceless: How The Federal Reserve Bought The Economics Profession por Ryan Grim:
And while most academic disciplines and top-tier journals are controlled by some defining paradigm, in an academic field like poetry, that situation can do no harm other than to, perhaps, a forest of trees. Economics, unfortunately, collides with reality -- as it did with the Fed's incorrect reading of the housing bubble and failure to regulate financial institutions. Neither was a matter of incompetence, but both resulted from the Fed's unchallenged assumptions about the way the market worked.

Even the late Milton Friedman, whose monetary economic theories heavily influenced Greenspan, was concerned about the stifled nature of the debate. Friedman, in a 1993 letter to Auerbach that the author quotes in his book, argued that the Fed practice was harming objectivity: "I cannot disagree with you that having something like 500 economists is extremely unhealthy. As you say, it is not conducive to independent, objective research. You and I know there has been censorship of the material published. Equally important, the location of the economists in the Federal Reserve has had a significant influence on the kind of research they do, biasing that research toward noncontroversial technical papers on method as opposed to substantive papers on policy and results," Friedman wrote.

9/11

The Causes, Aftermath and Lessons of 9/11 por Anthony Gregory:
The U.S. has been an interventionist empire under both parties for the better part of a century. September 11 occurred after years of such interventions. The current administration is virtually identical to the last administration in clinging to this counterproductive and unconstitutional foreign policy. At the core of this continuity is a philosophical problem, a dedication to intervention in our national culture that must be questioned and confronted. Our true hope for security and freedom lies in restoring the constitutional limits on presidential power, bringing the troops home from around the world, and restoring the republic.

sábado, Setembro 12, 2009

Debates sérios sobre o futuro do país


Monty Python's Flying Circus - Face the Press

Obama’s middle finger

Obama's Health Care Plan: Put Up And Shut Up por Shikha Dalmia na Forbes:
For several months now, the American people--as if exhorted by the ghost of William F. Buckley (no particular hero of mine)--have been standing athwart the Democratic agenda of socialized medicine, yelling, "Stop!" But President Barack Obama showed them the policy equivalent of the middle finger Wednesday night.

If there was anything bipartisan about the speech it was that he embraced every bad big-government idea from both sides. If he prevails, the American public won't get "choice and competition" as he proclaimed, but a one-size-fits-all government-prescribed health care plan that it dare not refuse and dare not challenge.

sexta-feira, Setembro 11, 2009

Entre empregos - review de livros lidos (6)


Anarchy, State and Utopia, Robert Nozick

Três anos depois de ter desistido após meia dúzia de páginas de estilo feio, voltei à obra maior de Nozick. Bottomline, este é um livro bastante desleixado e aborrecido. A primeira parte é de uma leviandade desconfortável. Nozick procura explicar que só o Estado Mínimo é aceitável. E fá-lo despreocupadamente, com imensa ligeireza, repisando argumentos fúteis que entretanto já tinham sido inteiramente desacreditados. Esta parte é penosa, cheia de homens-de-palha, buracos argumentativos, soluções Deus ex Machina, e uma notável falta de imaginação e sentido de mercado. Como noutras partes cita Mises, Hayek, Ayn Rand, Rothbard, e outros, é de crer que simplesmente não esteve para se esforçar - inclusivamente em apresentar as suas ideias com clareza - algo que não se pode apontar a escritores liberais para quem o Inglês era uma língua estrangeira. Na segunda parte tenta justificar que nada para além do Estado Mínimo é aceitável. E de novo é impossivelmente chato, ao ponto de ser vergonhoso - seguramente não me lembraria de recomendar Nozick como uma referência minarquista. Se é verdade que existem tiradas relativamente interessantes, todo o corpo de raciocínio apesar de estruturado sabe a stream of consciousness, e não apela a leitores mais analíticos. Rebate solidamente as ideias de Herbert Hart, John Rawls, Karl Marx, e outros — mas sem brilho e com tantas ressalvas que falha em matar o rei. A terceira parte é insuportavelmente longa, injustificável para uma ideia-chave que é interessante, mas demasiado frágico, como demonstrou Rothbard. O que uma pessoa faz para rebater mais competentemente os Rawlsbots. Livro não especialmente recomendado.

Democracy - The God that failed, Hans-Hermann Hoppe

Este é um tratado obrigatório sobre o funcionamento da democracia, da monarquia e da 'ordem natural' enquanto sistemas políticos. Se há obras que pela sua excelência esmagadora menorizam o observador, outras, como esta, permitem ao leitor adquirir novas ferramentas cognitivas, com óbvio gozo e aproveitamento intelectual. As teses de Hoppe baseiam-se solidamente na metodologia da Escola Austríaca, e o seu raciocínio é roboticamente frio, impecavelmente lógico e irredutivelmente ritmado. Contudo, o livro chega a ser divertido pelos seus excessos politicamente incorrectos. Hoppe é um liberal radical sem contemplações. Se a democracia foi, a seus olhos, um retrocesso civilizacional em comparação com a monarquia, uma 'ordem livre' seria tudo menos o regabofe libertário imaginado por defensores e adversários do anarco-capitalismo, versão populista - num sistema de respeito pela propriedade privada, a discriminação seria máxima, sobreviveriam as formas de organização social intertemporalmente mais robustas - precisamente as ditas tradicionais. Hoppe defende que verdadeiros conservadores devem ser liberais, e vice versa, num capítulo que é de leitura obrigatória para todos os que se interessam sobre o tema. Mais recursos, na forma de podcasts - Hoppe e Kinsella com leituras tipicamente Hoppeanas.

Gödel, Escher, Bach: An Eternal Golden Braid, Douglas Hofstadter

Comprei o ECB porque li algures que misturava Bach com matemática, design do Escher, e inteligência artificial. Não sabia bem o que esperar do livro, sobretudo porque este se propunha a falar de consciência e inteligência humana, e era legítimo temer que fosse uma salganhada de exoterismo matemáticos emaranhados em existencialismos new age. Ora, antes pelo contrário. O ECB é um livro fascinante pela simplificação do tema - que é complexíssimo-, pelo humor e até algum burlesco nas analogias, pelas variações e abordagens, pela criatividade, invenções e surpresas. É extremamente estimulante - cada ideia desencadeia um pinball frenético de consequências conceptuais, desenvolvidas em multiplas dimensões, ritmos e direccões. Mas que não haja dúvidas - é um livro difícil para quem ficou pela matemática do secundário, e não é tão líquido que saltando as partes mais formais se vá lá. A beleza da obra está em que toda a profunda filosofia do livro é construída de partes elementares que obedecem a mecânicas simples cujas complexidades é preciso compreender para ir mais além - um pouco como o jogo do Go. E tal como uma boa obra de arte, suponho que devolva leituras diferentes a diferentes observadores, e sempre que a ela tornamos. Nota: material interessante aqui.

Nota: já não estou "entre empregos", portanto por agora esta série acaba aqui.

cinco comprimidos

5 pills for Obama to swallow: A medical doctor gives his Rx for health care reform no NY Daily News:
  • Extend high-deductible insurance to the uninsured.
  • Demand real tort reform.
  • Extend liability to the government as well private insurers.
  • Increase rather than decrease reimbursements to doctors and hospitals.
  • Subsidize primary care education.

Socas e Manuela Moura Guedes


O caso Manuela Moura Guedes

O PS de Sócrates é contra a liberdade

O PS de Sócrates é contra a liberdade por Eduardo Cintra Torres no Público:
O PS-Governo de Sócrates não consegue coexistir com a liberdade dos outros. Criou uma central de propaganda brutal que coage os jornalistas. Intervém nas empresas de comunicação social. Legisla contra a liberdade. Fez da ERC um braço armado contra a liberdade (a condenação oficial do JN6ª pela ERC em Maio serviu de respaldo ao que aconteceu agora). Manda calar os críticos. Segundo notícias publicadas, pressiona e chantageia empresários, procura o controle político da justiça e é envolvido em escutas telefónicas. Cria blogues de assessores com acesso a arquivos suspeitos que existem apenas para destruir os críticos e os adversários políticos. Pressiona órgãos de informação. Coloca directa ou indirectamente “opiniões” e “notícias” nos órgãos de informação. Etc.
O PS-governo segue o mesmo caminho de Chàvez, ao perseguir paulatinamente, um a um, os seus críticos: e segue o mesmo caminho de Putin, ao construir uma democracia meramente formal, em que se pode dizer que a decisão foi da Prisa não dele, em que se pode dizer que os empresários são livres, que os juízes são livres, que os funcionários públicos são livres, que os professores são livres, que os jornalistas são livres, que a ERC é livre, etc — mas o contrário está mais próximo da verdade. Para todos os efeitos, Portugal é uma democracia formal, mas estas medidas protofascistas vão fazendo o seu caminho. Não dizia Salazar que Portugal era mais livre que a livre Inglaterra? Sócrates e Santos Silva dizem o mesmo.