terça-feira, outubro 23, 2012

Um dia o Estado será considerado uma instituição primitiva

Obscurantismo mascarado de modernidade por Miguel Botelho Moniz:
Do mesmo modo que hoje olhamos para o passado, criticando como bárbaras as acções daqueles que esperavam mudar a realidade sacrificando cordeiros, e mesmo pessoas, no altar de uma qualquer divindade, no futuro este nosso presente será visto como bárbaro pelas acções daqueles que esperam mudar a realidade através do exercício de uma ciência que conhecem superficialmente, mas cuja essência ignoram.

Algumas das maiores atrocidades cometidas no século XX foram feitas em nome de ideias pseudo-científicas; desde fé religiosa na eugenia, ou no seu oposto “lysenkoismo”, até à soberba do planeamento económico e socialismo (ou marxismo) científico. Se nos regimes totalitários essa fé pseudo-científica resultou em milhões de mortos, nos regimes moderados, como no ocidente, essa fé teve também impactos consideráveis, mesmo que menos letais. Talvez a principal consequência seja a absorção de uma responsabilidade tutelar universal pelo estado. A ideia de que é possível o estado reduzir os riscos inerentes à vida e proteger os indivíduos não apenas uns dos outros, mas de si próprios e – pior das soberbas – da própria imprevisibilidade da vida.

Sem comentários:

Enviar um comentário