quarta-feira, janeiro 02, 2013

Argumento viciado

Excertos de Argumento viciado por Michael Seufert:
Sobre a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde, o secretário de estado Leal da Costa fez umas contas e explicou que vai avançar com ainda mais legislação a limitar a venda e o consumo de álcool e tabaco porque as doenças associadas ao consumo destas substâncias (falou também de diabetes mas o bolo-rei parece para já estar debaixo do radar) custam muito dinheiro ao Serviço Nacional de Saúde e, afinal, são evitáveis.

Deve ser disto que a Constituição fala quando nos diz que caminhamos para o Socialismo: as escolhas de vida dos indivíduos passam a ser sindicáveis pelo estado porque o estado será, mais tarde responsável por pagar o tratamento de patologias associadas a essas escolhas de vida.
.. Fumar faz mal e nenhum governo deve incentivar o que faz mal, por muito mal que estejam as finanças do SNS. Mas também não está correcto o estado ter um sistema de saúde compulsivo e usar as contas desse sistema para se meter na vida das pessoas e ditar regras de comportamento. A prevenção de doenças deve ser feita sem recorrer a este tipo de argumentos (facilmente falsificáveis) e dentro de limites que respeitem a liberdade individual dos cidadãos. Como todas as políticas públicas, aliás.

Sem comentários:

Enviar um comentário