sexta-feira, janeiro 18, 2013

Quotas

Excertos de Quotas de Michael Seufert:
É difícil, para quem encara a liberdade de iniciativa com naturalidade, entrar no esquema mental de quem defende este tipo de medidas. Para os liberais, o direito ao trabalho é encarado, como os demais, como um direito no sentido negativo: ninguém pode ser proibido de trabalhar .. Nesse sentido, se uma empresa decidir contratar apenas japoneses loiros para o seu conselho de administração… pois que o faça. Isso prende-se fundamentalmente com a liberdade de iniciativa privada e de assumir os riscos da gestão empresarial. Mesmo que se argumente que um empregador não deve, para respeitar a dignidade humana, discriminar quem contrata quanto ao seu sexo, cor do cabelo ou religião, dificilmente se pode estender esse raciocínio à administração onde estão aqueles que representam os accionistas ..

A questão superior nisto é naturalmente a lógica do pensamento subjacente: um governante – a sinistra senhora Reding – identifica o que lhe parece mal na gestão empresarial – neste caso a falta de mulheres em funções não-executivas – e giza um plano para o eliminar. E é o estado a meter mais uma vez o nariz onde não é chamado. E de cada passo que os estados aumentam a sua esfera de influência, perdem os indivíduos um bocado da sua liberdade individual. Aumentam esquemas para contornar leis e, naturalmente, a corrupção. Cidadãos cumpridores passam a infractores.

Neste caso concreto o objectivo é o da engenharia social: alguém fixou um valor ideal para a partilha dos sexos na administração empresarial e toca de impô-lo coercivamente. O parlamento português .. vergou-se a esta visão de que os Homens não se sabem governar sem que outros (Super?) Homens venham apontar caminhos que estão reservados aos esclarecidos ou aos progressistas. Esta tutela sobre as nossas acções e escolhas devia merecer a mais violenta oposição. Infelizmente em Portugal, no século XXI, aplaude-se.

Sem comentários:

Enviar um comentário