quinta-feira, fevereiro 21, 2013

o nosso Monstro, o Estado

Recuperar a respública por José Manuel Moreira:
É verdade, usando uma metáfora de Bento XVI, que a situação resultou de "tentações" feitas por gente sorrateira que soube usar o Estado, sem nunca nos empurrrar directamente para o mal, antes para falsos bens: dos direitos adquiridos ao Estado de bem-estar. Mas mais que estar alerta para novos embustes, o que importa agora é perceber, num tempo em que tanto se grita a demissão do Governo, que o essencial é resistir à presunção do Estado de modo a libertar a sociedade para a resolução dos nossos problemas, incluindo os públicos. O que torna urgente recuperar o sentido da "res pública" e a diversidade de entendimentos do que é comum, implicando políticas de descentralização e liberdade de escolha, como acontece no modelo nórdico.

Será que ainda se vai a tempo de ver que o Estado é uma invenção moderna, um deus mortal, que se deixou capturar por grupos de interesse que usam em seu benefício a sua colossal capacidade de saque? .. os grandes beneficiados da política distributiva são a classe política, os interesses instalados e a burocracia: que consomem sem produzir nada. É por isso que cortar a quem vive a partir do Estado é o caminho certo: o bem que o Estado pode fazer é muito limitado, já o mal é quase ilimitado.

Sem comentários:

Enviar um comentário