domingo, abril 07, 2013

Turismo AMN (3)

No seguimento de Turismo AMN (2), e via O Insurgente, excerto de 'Entrevista do Sol a Adolfo Mesquita Nunes' (ao Jornal Sol):
Num sector e numa economia em que o próprio Estado habituou as pessoas a que o Estado é financiador, mecenas, licenciador, comprador, fiscalizador, regulador, não é fácil. Os empresários adaptam-se à realidade que têm. E adaptaram-se a um sistema que vivia como Estado como motor e central. No sector hoteleiro, os grupos que estão mais sólidos são os que precisam pouco do Estado e que tiveram uma estratégia de internacionalização. Conseguiram ter uma estratégia de sucesso, apesar do peso do Estado. O Estado é sócio majoritário da vida de todas as pessoas em Portugal e podia ser um silent partner [termo tem inglês para dizer que não interfere], mas nem isso é e isso tem de acabar.
BÓNUS - link Jornal Sol

Sem comentários:

Enviar um comentário