terça-feira, maio 14, 2013

Razões liberais para dar prioridade à consolidação orçamental

No seguimento deste abastardanço - razões liberais para se dar prioridade à consolidação orçamental pelo lado da despesa, ou seja utilizar o método mas não os fundamentos — ao género dos "cromos" dos "Ídolos"...

Razões liberais para dar prioridade à consolidação orçamental:
Podendo até admitir que a terapia fiscal poderá ser temporariamente necessária para cobrir os défices públicos, ela matará, a prazo, o doente, se não se atacarem prontamente as razões da própria maleita. Assim, parece evidente, pelo menos do ponto de vista liberal, que é necessário reduzir a despesa pública a níveis que permitam sustentá-la com impostos toleráveis e não destrutivos da economia, isto é, da poupança, da produção, das empresas e da iniciativa privada. Manter impostos altos e não reformar a estrutura de gastos do governo, é o mesmo que tirar a heroína a um toxicodependente e substituí-la por metadona: vai continuar a drogar-se, embora possa viver mais algum tempo.

Por essa razão, numa economia debilitada por um estatismo gastador, como é a nossa, só reformando profundamente o estado é que se poderá pensar em controlar o défice, manter impostos razoáveis e permitir a retoma da economia. São as tais «reformas do estado» ..

Sem comentários:

Enviar um comentário