quinta-feira, maio 30, 2013

Uma Defesa Libertária dos Preconceitos

Uma Defesa Libertária dos Preconceitos por Daniela Silva:
.. existe uma diferença crucial entre o que é denunciar práticas mafiosas entroncadas no governo e o assumir que as mesmas práticas, quando apoderadas e promovidas por particulares, passam a usufruir de um prestígio irrepreensível no domínio social ..
Existem pessoas (os tais, potenciais aliados que ficam pelo caminho) que mantêm uma ideia incorrecta acerca dos princípios em que assenta o libertarianismo porque não encontram um único exemplar libertário, uma única criatura que dê a cara pela defesa da família tradicional como unidade fundamental da sociedade, que rejeite o aborto com frontalidade, que não aceite a descaracterização do casamento por artimanha legislativa, que condene a promiscuidade das relações sexuais e censure socialmente o consumo de drogas. Estas e outras tomadas de posição são possíveis e desejáveis, já que não é suposto existir uma estandardização de opiniões em favor de um admirável futuro novo; um futuro onde desapareça a noção de altamente imoral ou em que seja impossível insultar comportamentos de terceiros.

Parecem idealizar um indivíduo despido de preconceitos e da herança de séculos que o conduzem a ajuizar, ostracizar, recomendar, elogiar, repreender… Parece que foram filtrar apoiantes do mercado livre a Woodstock e os incumbiram de formatar seres humanos inteiramente tolerantes e desprovidos de capacidade para emitir juízos. Não desprezam, não preferem, não sentem repulsa, não honram, não conservam nada. Eis um possível cenário totalmente oposto a um ideal libertário que deve nortear-se pela natureza humana e pela observância de normas sociais que a amparam num equilíbrio sustentado.

Sem comentários:

Enviar um comentário