quinta-feira, outubro 24, 2013

A falácia do consumo

A falácia do consumo por Carlos Albuquerque:
A generalidade dos meios de comunicação e dos analistas económicos pede insistentemente que se aumente o consumo interno para gerar crescimento económico. Como alternativa a políticas de austeridade.

O consumo não é causa de crises nem de crescimento. O consumo é sempre uma consequência. A quebra do consumo na atual crise resulta das políticas de baixas taxas de juro artificialmente implementadas pelas autoridades monetárias. A distorção dos investimentos, a expansão desenfreada do crédito e o aumento do endividamento das famílias e dos estados não eram sustentáveis por muito tempo.
O produto não se gera em meras manipulações monetárias. E o aumento do consumo não pode ser uma artificialidade de despesas públicas. O consumo é uma consequência de maior criação de riqueza. Com mais inovação, mais produção, mais exportações, mais empreendedorismo e mais liberdade económica. E com menos estado e mais empresários. O resto, são falácias. Que não entendem mais que as parcelas da simples soma no cálculo do valor do PIB.

Sem comentários:

Enviar um comentário