sábado, outubro 19, 2013

Rant Liberal do Dia

Mesmo em domínioc não-sociais cconstrutivistas incorrem em vários erros cognitivos, muitos dos quais podem ser resumidos a 'cargo cult'. 'Cargo cult', na forma mais genérica, designa a actividade de tentar reproduzir causas replicando consequências.

Por exemplo, constrói-se um aeroporto internacional em Beja, e Beja tornar-se-á uma metrópole vibrante. No fundo Post hoc ergo propter hoc. Ora, o "raciocínio" por detrás deste "racional" supostamente é menos tosco do que é. Os grandes transformadores da economia são apoiados pelos grande teóricos da realidade alternativa - sobretudo do funcionamento alternativo de realidade. Se o papel aceita tudo, a realidade não aceitará?

Estes delírios com vestes científicas, no campo empresarial, assumem vários axiomas:

- O capital reproduz-se por si só. O "capital financeiro" não tem uma origem, é só uma inevitabilidade. O dinheiro gera dinheiro. O capitalista só tem de esperar. Para perpetuar-se eternamente. Logo deve ser expoliado, etc e tal

- O empreendedorismo - chamemos-lhe "capital disruptor" - depende unicamente da "atitude". E de algum incentivo financeiro. Atira-se dinheiro a quem tem ideias, e a inovação surge. Curiosamente se a inovação consistir em produzir mais com menos esforço (por exemplo produzir usar tractores para produzir mais comida com menos trabalhadores agrícolas), já é uma má inovação. A inovação perfeita usa mais recursos do que antigamente. Incluindo financiamento. E também por isso o "incentivo" à "inovação perfeita" tem de usar mais dinheiro ("público") do que a "inovação" socialmente menos consciente

- por fim, não existe tal coisa como "capital operativo". Toda e qualquer actividade empresarial pode ser montada, acerta logo -- sobretudo se tiver uma "missão" --, e começa logo a produzir lucros e mais lucros - ou, no caso de NGOs, maravilhosas transformações sociais. Isso de processo de crescimento das unidades de negócio, de aprendizagem de processos, de adaptação ao mercado, é conversa de gestor pequeno-burguês sem visão, sem capacidade de engenharia empresarial, e sem espírito de liderança para navegar o navio através de mares cheios de faltas de confiança, maus-olhados, e incompreensões do "mercado".

Porquê 'cargo cult'? Quem assim pensa (pese um nada de exagero) é incapaz de ter noção as causas do seu futuro fracasso (antes ou depois do facto), é incapaz de se prepara adequadamente (desde logo equipando-se com alguma humildade), é incapaz de pensar duas vezes - nay, de pensar - antes de saltar directamente para a implementação. E a implementação resume-se à cópia, a la macaco-de-imitação com fato-e-gravada, daquilo que com muito "capital" acumulado, no sector privado, agora parece ter tido sucesso.

Sem comentários:

Enviar um comentário