sexta-feira, abril 11, 2014

Confiança

Cronista Convidado: À Confiança por Pedro Boucherie Mendes:
.. É tempo para avançar e o cimento deve ser outro, o da confiança. Sem grande poesia, só precisamos de menos estado e mais confiança entre nós. Menos leis e regulamentações, menos carimbos e menos impostos e mais apertos de mão, sorrisos e palavras. Mais ambição e mais competição. Menos nivelamento por baixo, menos medo e mais ousadia. Mais bravata e menos cautela e caldo de galinha. Um estado gordo, cheio de dinheiro e ilusão atrai compadrio, arranjinhos, conhecimentos, almocinhos, jantarinhos, iniciativas e eventos. Não é isso que criticamos à boca pequena nos tais destinos do mundo novo? Que há uma elite, um estado que parece dono daquilo e que dificulta as coisas, os negócios e as iniciativas? Cá era igual e essa sombra, mesmo a enfraquecer, ainda nos arrefece. Mas estamos a aquecer.

A dívida, o défice, os buracos nas contas são tão maus que estão prestes a tornar-se indizíveis, mas é objetivo que estamos melhor. É factual. Estamos falidos, foi-se o garantismo do estado, acabaram os financiamentos, enterramos Keynes, mas muitos de nós estão vivos e agora é connosco. Com as pessoas, os indivíduos, entre eles. Uns a puxar pelos outros.

Sem comentários:

Enviar um comentário